Não usa máscara? Coimas vão duplicar para mil euros durante novo Estado de Emergência

o Governo decidiu hoje as novas medidas que vão vigorar até ao final do mês de janeiro no âmbito do novo Estado de Emergência.

António Costa | Twitter

O novo Estado de Emergência vigora entre às 00h00 de sexta-feira, 15 de janeiro, até às 23h50 de 30 de janeiro. O Governo anunciou hoje um novo período de confinamento semelhante ao que vigorou em março e abril de 2020, à exceção das escolas que se vão manter abertas.

António Costa também anunciou que as coimas relativas às regras para travar a pandemia vão duplicar, como no caso do uso de máscara.

“Todas as coimas previstas por violação de qualquer uma das normas de contenção da pandemia são duplicadas, como o uso de máscara, para que haja sinal claro de determinação de esforço acrescido para conter a pandemia no momento mais perigoso”, afirmou hoje o primeiro-ministro.

Atualmente, as coimas variam entre os 100 e os 500 euros. Com o novo regime, poderão atingir os mil euros.

O Estado de Emergência vigora das 00h00 do dia 15 de janeiro, próxima sexta-feira, até às 23h59 do dia 30 de janeiro.

Dez meses depois do início da pandemia no país, Portugal ultrapassou hoje a barreira do meio milhão de infetados, com um 507.108 casos confirmados de Covid-19, anunciou hoje a Direção-Geral da Saúde (DGS). Nas últimas 24 horas foram também batidos dois recordes diários: o número de novos casos diários atingiu 10.556 novos casos, e o número de vítimas mortais atingiu as 156 pessoas, para um total de 8.236.

Recomendadas

Mais de metade das empresas com quebras no volume de negócios em 2020

Três quartos das empresas do alojamento e restauração registaram perdas no volume de negócios, enquanto mais de metade das empresas nos sectores dos transportes, serviços gerais, grossistas, retalho e indústrias apresentaram quebras.

Produção de calçado em Portugal caiu 13,2% em 2020

“Em 2020, o painel de especialistas inquirido pela publicação (‘World Footwear Experts Panel’) apontava para uma quebra no consumo mundial de calçado superior a 20%”, notou a APICCAPS.

AHRESP saúda reposição de horários e insiste na reabertura da animação noturna

“Dada a situação pandémica e os meios que hoje temos para a controlar, julgamos ser possível estabelecerem-se condições para a respetiva reabertura” das discotecas, apela a associação.
Comentários