Naomi Osaka foi a atleta mais bem paga de 2019

Nos últimos 12 meses, a tenista de 22 anos ganhou 34,3 milhões de euros em prémios em dinheiro e patrocínios, mais 1,4 milhões de dólares (1,28 milhões de euros) do que Serena Williams.

Naomi Osaka e Serena Williams | Getty Images

Tem apenas 22 anos e tornou-se a desportista do sexo feminino mais bem paga do mundo. Em 2019, a tenista japonesa Naomi Osaka foi considerada a desportista feminina mais bem paga pela Forbes, com receitas na ordem dos 37,4 milhões de dólares (34,3 milhões de euros), destronando a líder dos últimos quatro anos, Serena Williams.

De acordo com os dados revelados pela Forbes, que todos os anos realiza a lista dos 100 atletas mais bem pagos do mundo, desde 2016 que duas mulheres não integravam a mesma lista. No ano passado, Osaka ficou na 29ª posição global, colocando-se quatro lugares à frente da tenista veterana Serena Williams.

Nos últimos 12 meses, a tenista de 22 anos ganhou 34,3 milhões de euros em prémios em dinheiro e patrocínios, mais 1,4 milhões de dólares (1,28 milhões de euros) do que Serena Williams. Desta forma, Osaka conseguiu também atingir um novo recordo de receitas para as atletas femininas. O último recorde estabelecido foi de Maria Sharapova, em 2015, quando recebeu 29,7 milhões de dólares (27,24 milhões de euros à data atual).

Dos 23 Grand Slams ganhos ao longo da sua carreira, Serena Williams, que tem atualmente 38 anos, amealhou perto de 300 milhões de dólares durante a sua carreira devido aos patrocínios e às competições.

Quando Williams ganhou o seu primeiro Grand Slam, Osaka tinha um ano e ainda não tinha imigrado para os Estados Unidos com a família e em 2018 venceu o U.S Open, o seu primeiro, precisamente contra a tenista profissional.

A tenista de japonesa tornou-se profissional um mês antes de completar os 16 anos de idade e aos 20 conseguiu derrotar a mulher forte do desporto e do ténis, voltando a ganhar um grande competição em 2019.

Ler mais
Recomendadas

PremiumApertem o cinto: ‘downgrade’ está a chegar à Liga portuguesa

Passes de jogadores desvalorizados, poder negocial todo do lado de quem compra, orçamentos que vão ter de ser adaptados à redução de receitas que se espera nos próximos anos, com bilheteira e patrocínios a cair e a operadora NOS a deixar de assegurar um terço das receitas da Liga a partir de junho de 2021. A pandemia acelerou a crise do futebol português e ninguém poderá desenvolver imunidade tão cedo.

Lisboa pode receber final da Liga dos Campeões já este ano, avança “New York Times”

A final da Liga dos Campeões está agendada para Istambul, mas vários órgãos de comunicação social internacionais, como o ‘New York Times’, avançam que a final pode decorrer em outro local, sendo Lisboa uma das hipóteses.

Sporting firma parceria com EDP e equipa Academia de Alcochete com 600 painéis solares para autoconsumo

A parceria prevê projetos de eficiência energética e sustentabilidade, a par com um novo contrato de fornecimento de energia, que vão permitir ao clube poupar pelo menos 180 mil euros por ano na fatura energética.
Comentários