NASA adia lançamento da “Parker Solar Probe”, a sonda que quer chegar mais próximo do sol

A sonda vai ‘navegar’ pela atmosfera do Sol aproveitando a ‘janela de oportunidade’ dada pela gravidade de Vénus, o segundo planeta mais próximo do ‘astro-rei’.

A agência espacial norte-americana NASA prepara-se para bater recordes ao lançar a sonda que vai estar mais perto do Sol e será o engenho humano mais rápido de sempre. Lançamento estava agendado para este sábado mas foi adiado devido a um problema técnico. Será feita nova tentativa este domingo.

Chama-se “Parker Solar Probe” e o seu lançamento para o espaço estava previsto para este sábado a partir da base de Cabo Canaveral, na Florida, nos Estados Unidos.

O lançamento previsto para as 3h33 locais (8h33, em Portugal continental), com uma janela de oportunidade de 65 minutos, teve de ser adiado para este domingo devido a problemas técnicos relacionados com as botijas de hélio verificados antes do lançamento.

O lançamento passa, agora, a estar previsto para este domingo às 03h31 locais (8h31, em Portugal continental).

Caso os problemas detectados não sejam resolvidos nas próximas 24 horas, a NASA tem uma janela de oportunidade até 23 de agosto — dada pela gravidade de Vénus, o segundo planeta mais próximo do ‘astro-rei’ — para tentar o lançamento.

Pela primeira vez, a NASA deu a uma sonda o nome de uma pessoa que está viva, neste caso o astrofísico norte-americano Eugene Parker, de 91 anos, que, segundo a agência noticiosa AP, espera assistir ao lançamento em Cabo Canaveral.

Parker é o ‘pai’ do conceito de vento solar que a sonda se propõe observar mais a fundo, ao ‘viajar’ até bem perto da coroa do Sol, a camada mais externa da atmosfera da estrela, mais quente do que a sua superfície e de onde ‘saem’ partículas energéticas, sobretudo eletrões e protões.

Com o tamanho de um pequeno carro, a “Parker Solar Probe” tem uma ‘esperança de vida’ de sete anos. O seu escudo térmico, feito à base de carbono, permite-lhe resistir a temperaturas superiores a mil graus Celsius na sua maior aproximação ao Sol.

A sonda vai ‘navegar’ pela atmosfera do Sol aproveitando a ‘janela de oportunidade’ dada pela gravidade de Vénus, o segundo planeta mais próximo do ‘astro-rei’.

De acordo com a NASA, o aparelho vai aproximar-se da superfície do Sol como nunca antes uma sonda o fez, permitindo obter as observações mais próximas de uma estrela.

Na sua órbita final pelo Sol, antes de colapsar, a sonda vai viajar a 696 mil quilómetros por hora, o que a tornará no objeto humano mais rápido de sempre, e estar a cerca de 6,1 milhões de quilómetros de distância da superfície da estrela, isto é, mais de sete vezes mais próxima do Sol do que a sonda Helios 2, que detém o atual recorde de distância.

Lançada para o espaço em 1976, a Helios 2, hoje inoperacional, chegou a estar a 43 milhões de quilómetros do Sol.

A “Parker Solar Probe” vai chegar perto o suficiente do Sol para, segundo a NASA, captar a variação da velocidade do vento solar e ver o ‘berço’ das partículas solares de maior energia.

Os cientistas querem perceber como a energia e o calor circulam através da coroa solar (constituída por plasma, gás ionizado formado a altas temperaturas) e explorar o que acelera o vento solar e as partículas energéticas.

A NASA realça, justificando a importância da missão, que perturbações no vento solar agitam o campo magnético da Terra, que protege o planeta da radiação solar, e interferem com o clima espacial, que pode mudar a órbita dos satélites, encurtar a sua ‘vida’ e alterar o funcionamento de equipamentos eletrónicos a bordo e comunicações terrestres, assim como pôr em perigo a sobrevivência de astronautas.

Ler mais
Recomendadas

Theresa May pondera demitir-se antes das eleições de 2022

Fontes próximas da primeira-ministra britânica, Theresa May, afirmam que a líder do Partido Conservador pondera deixar o cargo ainda antes das próximas eleições legislativas no Reino Unido.

Michael Cohen, ex advogado de Trump, condenado a três anos de prisão

O antigo advogado de Trump, Michael Cohen, foi, esta quarta-feira, condenado a três anos de prisão, num tribunal em Nova Iorque, EUA. Estão em causa múltiplos crimes, incluindo mentir ao Congresso sobre um possível acordo negocial com Trump em Moscovo e comprar o silêncio de mulheres que acusaram Donald Trump de assédio sexual.

Governo angolano rescinde contratos de exploração de diamantes

“Foi aprovada há já algum tempo a política para a protecção de diamantes, que tem como fundamento primeiro a eliminação do monopólio da comercialização de diamantes brutos que existia no país”, explicou o ministro dos Recursos Minerais e Petróleos de Angola, Diamantino de Azevedo.
Comentários