NATO e UE querem aproveitar eleição de Biden para renovar cooperação

Entre as áreas identificadas para a cooperação entre os dois parceiros, Charles Michel destacou a questão da vizinhança, onde é necessário “mais estabilidade e previsibilidade”, sendo por isso necessário que a UE discuta com a NATO “as ferramentas” que ambos estão dispostos a usar “para atingir esse objetivo”.

Drew Angerer | Getty Images

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, e o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, manifestaram hoje vontade de renovar a cooperação entre as duas organizações, aproveitando a “oportunidade única” criada com a entrada em funções de Joe Biden.

“A NATO teve, e tem, um papel crucial na ligação entre a América do Norte e a Europa: partilhamos os mesmos valores democráticos, temos interesses estratégicos comuns e estou totalmente convencido que a nova administração Biden oferece uma oportunidade única para renovar a aliança transatlântica”, salientou Charles Michel, numa curta declaração antes da entrada para a cimeira virtual dos líderes dos 27 que irão abordar hoje a política de segurança e de defesa com a UE com o secretário-geral da NATO.

Frisando que é “muito importante” discutir a política de segurança e de defesa da UE, Charles Michel mostrou-se “muito satisfeito” por poder contar com a participação do secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO, na sigla em inglês), Jens Stoltenberg, na reunião virtual dos chefes de Estado e de Governo, destacando que uma “parceria forte requer parceiros fortes”.

A seu lado, Jens Stoltenberg também saudou “a mensagem muito forte” enviada pela recém-empossada administração norte-americana de Joe Biden, que mostra que está empenhada em “reconstruir alianças e em fortalecer o laço transatlântico”, e reiterou a necessidade de cooperação entre a NATO e a União Europeia (UE).

“Mais de 90% das pessoas que vivem na Europa também vivem num Estado-membro da NATO, o que só ilustra que partilhamos a mesma população, os mesmos países, a mesma vizinhança e os mesmos desafios, e faz com que seja absolutamente evidente que temos de trabalhar juntos”, referiu.

Entre as áreas identificadas para a cooperação entre os dois parceiros, Charles Michel destacou a questão da vizinhança, onde é necessário “mais estabilidade e previsibilidade”, sendo por isso necessário que a UE discuta com a NATO “as ferramentas” que ambos estão dispostos a usar “para atingir esse objetivo”.

Jens Stoltenberg também reforçou a ideia, salientando que espera que a NATO e a UE possam continuar a trabalhar em questões em que “já trabalham juntas há muitos anos”, dando os exemplos da “estabilização dos Balcãs Ocidentais” ou do “combate à migração no mar Egeu”.

O presidente do Conselho Europeu abordou ainda a necessidade de cooperação face aos “novos tipos de ameaças”, enumerando as ameaças híbridas, os ciberataques e a desinformação.

“Temos de fortalecer a base industrial, melhorar a base tecnológica, e vemos que há sinergias possíveis entre o digital, o espaço e a defesa”, apontou.

Do seu lado, Stoltenberg também destacou a necessidade de trabalhar em temas como a “resiliência, os ciberataques” e contrariar os efeitos das alterações climáticas”.

“Para a NATO, a principal tarefa durante esta pandemia foi a de assegurar que uma crise sanitária não se transforma numa crise securitária, porque as ameaças que enfrentávamos antes da pandemia ainda se mantêm: as ações agressivas da Rússia, formas mais brutais de terrorismos, ciberataques sofisticados, a ascensão da China e as implicações de segurança das alterações climáticas”, referiu.

Nesse âmbito, e asseverando que “nenhum país ou continente consegue enfrentar estas ameaças sozinho”, Jens Stoltenberg saudou os esforços que a UE tem feito desde o início da pandemia, e apontou para a complementaridade que pode haver nesse domínio entre as duas organizações.

“Vemos que os esforços militares na Europa estão a apoiar os esforços civis, a ajudar a estabelecer hospitais de campanha, a transportar pacientes e equipamento médico. Por isso, de alguma maneira, vemos como o setor civil e os esforços da UE, andam de mão dada com os esforços militares em todo o continente”, defendeu.

Após terem dedicado o primeiro dia da cimeira virtual à coordenação dos Estados-membros face à covid-19, os chefes de Estado e de Governo da UE vão hoje trocar impressões com Jens Stoltenberg, sobre questões de defesa.

Os chefes de Estado e de Governo irão também abordar a Bússola Estratégica da UE, um dossiê que procura definir as prioridades do bloco em matéria de defesa e segurança e que está previsto que seja adotado ao nível institucional em março de 2022.

Ler mais
Recomendadas

Do regresso de Lula da Silva ao esquecimento da Venezuela. Veja “A Arte da Guerra” com Francisco Seixas da Costa

Acompanhe o programa “A Arte da Guerra” na plataforma multimédia JE TV, através do site e das redes sociais do Jornal Económico.

Banco do Canadá mantém taxa de juro inalterada e revê crescimento em alta

O banco central canadiano sinalizou o seu compromisso em “manter as taxas de juro no limite inferior até a subutilização de recursos ser absorvida, de forma a atingir sustentadamente o objetivo de 2% de inflação”, apesar de reconhecer que a perspetiva económica melhorou.

EUA: Biden anuncia créditos fiscais para PME cujos trabalhadores se ausentem para tomar a vacina

A medida faz parte do pacote de estímulos económicos aprovado em março pelo Congresso e apoiará empresas até 500 trabalhadores, disponibilizando créditos fiscais que compensem eventuais ausências relacionadas com a toma da vacina.
Comentários