NAV já recebeu autorização para contrair empréstimo de 41 milhões de euros

O empréstimo será concedido pela Direção Geral do Tesouro à empresa pública responsável pela gestão do tráfego aéreo em Portugal.

A NAV, empresa pública responsável pela gestão do tráfego aéreo em Portugal, já recebeu autorização para contrair um empréstimo de 41 milhões de euros para fazer face aos constrangimentos de tesouraria provocados pela pandemia da Covid-19.

O anúncio foi feito hoje, dia 30 de junho, por Pedro Nuno Santos, durante uma audição na Comissão Parlamentar de Economia, Obras Públicas, e Inovação.

“Foi autorizado o empréstimo de 41 milhões de euros à NAV, portanto, desse ponto de vista, não teremos problemas. Era só o que faltava termos agora trabalhadores, ainda para mais empresas públicas, sem receber. Isso, neste Governo nunca vai acontecer”, assegurou o ministro das Infraestruturas.

Pedro Nuno Santos explicou ainda que o empréstimo será contraído através da Direção Geral do Tesouro.

“O empréstimo do Eurocontrol não foi aprovado porque a opção foi o Tesouro português fazer o empréstimo porque entendemos que nós conseguíamos melhores condições que as que estavam a ser oferecidas no quadro do empréstimo do Eurocontrol”, justificou o governante.

O ministro das Infraestruturas reconheceu ainda que o Estado tem neste momento uma dívida de 38 milhões de euros para com a NAV “por não ter pago os voos isentos”, mas não adiantou qual será a solução para esta questão.

 

 

Ler mais
Recomendadas

Luís Filipe Vieira recandidata-se à presidência do SL Benfica

O dirigente máximo dos ‘encarnados’ fez a revelação na reunião dos órgãos sociais que teve lugar esta terça-feira e assumiu-se como candidato à presidência do clube. Caso seja reeleito, poderá manter-se à frente das ‘águias’ até outubro de 2024.

EDP: Despacho de juiz alude a troca de favores entre Mexia e Manuel Pinho

Segundo o MP, foi também acordado, que da parte do ministro haveria a concessão de benefícios indevidos à EDP, através do exercício das suas funções públicas, tendo como contrapartida o apoio da EDP à sua carreira profissional e académica quando saísse do Governo.

CIP apela à aprovação do plano de recuperação: “Previsões de Bruxelas são um novo sinal vermelho”

A Confederação Empresarial de Portugal defende ainda a “rápida” intervenção do Governo português, que passa pela criação de uma ‘bazuca’ nacional’ “que faça mesmo a diferença”.
Comentários