Navigator nomeia dois novos administradores executivos

João Paulo Cabete Lé e Adriano Agusto Silveira são os novos administradores executivos no mandato do quadriénio em curso, com efeitos a 1 de Janeiro de 2020.

A Navigator informou o mercado que, em reunião do Conselho de Administração realizada esta terça-feira, nomeou dois administradores executivos.

“Tendo em consideração que a Assembleia Geral anual de 2019 que procedeu à eleição dos Órgãos Sociais para o quadriénio 2019/2022 elegeu 14 membros do Conselho de Administração e que, agora esse órgão societário tem apenas 13 membros e, considerando a inexistência de administradores suplentes, foi deliberado, por unanimidade, proceder ao preenchimento desse posto por cooptação, designando-se para o efeito o  João Paulo Cabete Lé para o desempenho do cargo de administrador, com funções executivas, no mandato do quadriénio em curso, com efeitos a 1 de Janeiro de 2020.

Esta nomeação será objecto de ratificação na Assembleia Geral ordinária a realizar em 2020.

O  Conselho deliberou ainda nomear Adriano Silveira, atual membro não-executivo do Conselho de Administração como membro da Comissão Executiva da Sociedade, no mandato do quadriénio em curso, com efeitos a 1 de Janeiro de 2020.

Recomendadas

Mutualista diz que fusão do Montepio com BCP colide com os interesses dos associados

“O Banco Montepio dispõe de soluções de capital ajustadas às suas necessidades e encontrará o seu próprio caminho de estabilização”, garante a instituição liderada por Virgílio Lima. “Uma fusão desta natureza corresponderia à sua descaracterização, algo que colide com os interesses da Associação e dos associados”, defendem.

Grupo Os Mosqueteiros investe 25,3 milhões para abrir mais seis lojas Intermarché em Portugal

Este investimento irá permitir a criação de 265 novos postos de trabalho de norte a sul do país, asseguram os responsáveis do grupo francês de distribuição.

Tribunal espanhol adia audições dos responsáveis do CaixaBank sobre compra do BPI

Segundo a agência Efe, problemas técnicos impediram a audição telemática do presidente da Criteria e ex-presidente do CaixaBank. O julgamento que está em curso desde 2018 decorre de uma queixa de acionistas minoritários que se sentiram lesados com algumas operações inerentes à compra do BPI em 2017.
Comentários