Navios GSLINES querem chegar de Lisboa à Praia em cinco dias

A antiga Portusline Containers International passará a chamar-se GSLINES após a fusão de companhias de transportes marítimos, disse ao Económico Cabo Verde Pedro Amaral Frazão, administrador do Grupo Sousa.

A PCI, antiga Portusline Containers International, passará a chamar-se GSLINES. Esta alteração resulta da fusão das duas companhias de transportes marítimos, que está prevista acontecer a partir da próxima sexta-feira, dia 15 de novembro. A informação foi confirmada ao Económico Cabo Verde por Pedro Amaral Frazão, administrador do Grupo Sousa,

Na operação com Cabo Verde, a GSLINES manterá os quatro navios antes operados pela PCI: “Raquel S”, “Manatee”, “Lagoa” e “Leoni P”. A ideia é passar a oferecer o trajeto mais rápido na ligação com a cidade da Praia, em apenas cinco dias, com garantia de quatro saídas por mês a partir de Lisboa, segundo Pedro Amaral Frazão.

O Grupo Sousa é o único armador português a integrar a lista dos 100 maiores armadores do mundo. A organização opera nove navios com uma capacidade total de 7.122 contentores, sendo cinco próprios e quatro afretados, nas linhas marítimas entre Portugal continental, Açores e Madeira, Espanha (Canárias e Algeciras), Cabo Verde (Praia, Mindelo, Sal e Boavista) e Guiné-Bissau, incluindo ainda o ferry “Lobo Marinho”, que está atualmente em uso na linha entre as ilhas da Madeira e do Porto Santo.

Recomendadas

Empresário Alex Saab regressa a cadeia no Sal por razões de segurança

Alex Saab, detido em Cabo Verde a pedido dos Estados Unidos, que o consideram testa-de-ferro do Nicolás Maduro, foi transferido para a prisão na ilha do Sal, alegando o tribunal razões de segurança.

Pandemia corta 4 milhões de euros aos órgãos de soberania em Cabo Verde

Os cortes previstos na proposta de Orçamento Retificativo afetam a Assembleia Nacional, o gabinete do primeiro-ministro e a Presidência da República, ao nível de dotações provisionais relativas a pessoal, “suspendendo os concursos de recrutamento não efetivados, bem como horas extras”, mas também nos gastos com combustíveis e outras despesas “de caráter não obrigatório”.

Cabo Verde usa 3% do novo orçamento para reforçar SNS

A maior fatia dessa dotação, no valor de 600 milhões de escudos (5,5 milhões de euros) está reservada para a aquisição de um “avião para emergências”.
Comentários