Navios GSLINES querem chegar de Lisboa à Praia em cinco dias

A antiga Portusline Containers International passará a chamar-se GSLINES após a fusão de companhias de transportes marítimos, disse ao Económico Cabo Verde Pedro Amaral Frazão, administrador do Grupo Sousa.

A PCI, antiga Portusline Containers International, passará a chamar-se GSLINES. Esta alteração resulta da fusão das duas companhias de transportes marítimos, que está prevista acontecer a partir da próxima sexta-feira, dia 15 de novembro. A informação foi confirmada ao Económico Cabo Verde por Pedro Amaral Frazão, administrador do Grupo Sousa,

Na operação com Cabo Verde, a GSLINES manterá os quatro navios antes operados pela PCI: “Raquel S”, “Manatee”, “Lagoa” e “Leoni P”. A ideia é passar a oferecer o trajeto mais rápido na ligação com a cidade da Praia, em apenas cinco dias, com garantia de quatro saídas por mês a partir de Lisboa, segundo Pedro Amaral Frazão.

O Grupo Sousa é o único armador português a integrar a lista dos 100 maiores armadores do mundo. A organização opera nove navios com uma capacidade total de 7.122 contentores, sendo cinco próprios e quatro afretados, nas linhas marítimas entre Portugal continental, Açores e Madeira, Espanha (Canárias e Algeciras), Cabo Verde (Praia, Mindelo, Sal e Boavista) e Guiné-Bissau, incluindo ainda o ferry “Lobo Marinho”, que está atualmente em uso na linha entre as ilhas da Madeira e do Porto Santo.

Recomendadas

Barco vindo da Coreia do Sul chegará para reforçar ligações marítimas em Cabo Verde

O ministro dos Transportes cabo-verdiano, José Gonçalves, considera que a chegada do barco sul-coreano, já no início de 2020, será uma mais-valia para a “unificação do mercado nacional”.

Francesa ASL Airtlines com voos de Paris para a ilha de São Vicente a partir de dia 22

Daqui a cerca de duas semanas a companhia aérea vai voar da capital de França para a cidade cabo-verdiana. A ligação será através de um Boeing 737-700, com 147 a 149 lugares.

Senegal e Costa do Marfim no radar das empresas portuguesas em África, garante AICEP

O presidente da AICEP admite que as empresas nacionais instaladas em países africanos de língua portuguesa estão a aproveitar essa presença para alargar a atividade aos países vizinhos, apontando o exemplo do crescimento no Senegal e Costa do Marfim.
Comentários