Neeleman aceita sair da TAP, mas acordo final depende de restantes acionistas da Azul

David Neeleman aceita sair do capital da TAP por um montante entre 45 a 55 milhões de euros. Mas companhia brasileira Azul terá de ceder o direito a converter em capital o empréstimo obrigacionista de 90 milhões de euros que fez à empresa portuguesa. Acordo final depende de accionistas da Azul que terão ainda de avaliar condição imposto pelo Estado e “precisam de mais tempo” para decisão, segundo fonte próxima ao processo.

Rafael Marchante/Reuters

O Estado não abdica de que a Azul, empresa que é obrigacionista da TAP, renuncie ao direito de converter em capital o empréstimo de 90 milhões, feito em 2016. Esta é a condição que falta cumprir para evitar a nacionalização e garantir um acordo final para a saída do acionista privado David Neeleman do capital da transportadora nacional que já aceitou sair da TAP por um montante entre 45 milhões a 55 milhões de euros. Mas condição imposta pelo Estado terá de passar pelo crivo dos acionistas Azul que poderão precisar de mais tempo para a decisão, sabe o Jornal Económico junto de fonte próxima ao processo.

“O problema neste momento é a Azul, cujos acionistas não são só o David Neeleman, que até há pouco tempo reduziu a sua posição nesta companhia. Os acionistas têm uma palavra a dizer quanto à condição imposto pelo Estado. São eles que decidem Esperemos que impere o bom senso”, avançou ao JE a mesma fonte, dando conta que a Azul “poderá precisar de mais tempo para reunir os accionistas e tomarem uma decisão”.

O JE sabe que a solução para fazer chegar à TAP a ajuda de emergência de 1200 milhões de euros sem uma nacionalização poderá passar por uma reconfiguração de capital em que o Estado é maioritário (72,5%) e Humberto Pedrosa fica como minoritário (22,5%), mantendo-se os restantes 5% nas mãos dos trabalhadores da TAP.

As negociações entre o Estado e David Neeleman, um dos donos da Atlantic Gateway, empresa que detém 45% do capital da TAP (cuja posição de 22,5% acresceriam aos 50% que o Estado detém na empresa, e igual posição ficaria com Humberto Pedrosa), ainda prosseguem, depois da maratona negocial desencadeada nos últimos dois dias, com vista a um entendimento. Apesar de notícias que dão conta que estas terão fracassado, o JE sabe que ainda há a possibilidade de acordo caso os acionistas da Azul aceitem as condições do Executivo para o empréstimo de 1.200 milhões de euros.

Mas o empréstimo da Azul é um obstáculo ao acordo final, pois a companhia brasileira Azul terá de ceder o direito a converter em capital o empréstimo obrigacionista de 90 milhões de euros que fez à empresa portuguesa em 2016. Uma decisão que exige a concordância dos acionistas da Azul que poderão não querer abdicar do direito a converter essa dívida em capital da TAP, num empréstimo que prevê juros de 7,5%, até ao seu vencimento em 2026.

Este é o obstáculo que falta para evitar a solução mais drástica da nacionalização, cujo diploma já estará pronto para aprovação do Conselho de Ministros.

Recorde-se que David Neeleman é acionista e presidente do conselho de administração da Azul que foi um dos veículos que usou para realizar o investimento na TAP. Fontes próximas ao processo alertam, no entanto, que a companhia brasileira tem outros accionistas e que a Azul é uma empresa cotada na bolsa de São Paulo e Nova Iorque, pelo que a exigência do Estado “tem de ser decidida pelos seus acionistas e não apenas por David Neeleman” que, aliás, recordam, em abril vendeu parte das suas ações preferenciais nesta companhia aérea, no momento em que o setor tem sido fortemente abalado pela pandemia de covid-19.

Ou seja, do acordo final depende não só do acordo de Neeleman, mas daquilo que os accionistas da Azul, que é obrigacionista da TAP, decidam.

Humberto Pedrosa poderá ficar com posição de Neeleman numa segunda fase

Humberto Pedrosa poderá, segundo apurou o JE, fazer parte da solução para a TAP, já sem o acionista Neeleman. Caso seja afastada a solução drástica da nacionalização, o Estado poderá reforçar a sua posição, ficando com 72,5% da TAP e a Atlantic Gateway com 22,5%, numa posição que o empresário português dono da Barraqueiro poderá, numa segunda fase, aumentar com a participação (total ou parcial) que o Estado pretende agora comprar a David Neeleman.

António Costa disse esperar uma solução para a TAP durante esta quarta-feira, 1 de julho

“Estou certo de que, se não hoje, no limite, nos próximos dias, teremos uma solução final. Mas, se tivesse de apostar, eu diria que hoje será o dia da solução para a TAP, e espero que negociada e por acordo com os nossos sócios privados, e não propriamente com um ato de imposição do Estado”, declarou o primeiro-ministro, acrescentando: “Se for necessário, cá estaremos para isso. Espero que não seja necessário”.

Segundo o primeiro-ministro, “a TAP está seguramente a caminho de ter uma solução estável que assegure a Portugal manter a sua companhia”, o que considerou fundamental para a continuidade territorial e o desenvolvimento económico do país e a sua ligação ao mundo.

António Costa falava em declarações conjuntas aos jornalistas com o presidente do Governo espanhol, Pedro Sánchez, no Castelo de Elvas, no distrito de Portalegre, após as cerimónias oficiais que assinalaram a reabertura da fronteira entre Portugal e Espanha.

Questionado se o Governo deseja que o empresário David Neeleman saia da TAP, António Costa não respondeu à pergunta e limitou-se a referir que não teve “oportunidade nas últimas horas de ter informações” sobre esta matéria.

“Mas creio que o problema, a questão será ultrapassada muito rapidamente”, reiterou.

Ler mais

Relacionadas

Presidente do PS avisa que TAP vai ser nacionalizada amanhã, se não houver acordo hoje

Carlos César defende que o acionista Estado deve reforçar a sua posição na empresa “quer na gestão, quer no capital”. Mas se não for alcançado um acordo, defende que o Governo deve avançar para a nacionalização da companhia aérea.
TAP Portugal

Quanto vale a TAP para o PIB nacional? Contributo foi de 3,5 mil milhões em 2018

Em 2018, as receitas geradas pela empresa e a receita de turismo de passageiros transportados pela TAP, a par de impactos indiretos, atingiu um valor que equivaleu a 1,7% do PIB registado nesse ano.

Nacionalização da TAP: sim ou não? As posições dos principais ‘atores’

A TAP está num impasse, não se sabendo se o Governo aposta numa nacionalização, uma possibilidade já admitida. Ainda assim, muitos partidos admitem estar contra a nacionalização da transportadora aérea nacional, uma vez que em 10 anos a empresa deu prejuízo em nove.
TAP Portugal

“Não temos tempo para esperar mais”. Sindicatos e comissão de trabalhadores apelam a acordo sobre a TAP

“Não vemos ainda uma luz ao fundo do tunel. É urgente que se chegue a um acordo entre o Estado e o privado”, diz o presidente do Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil, Henrique Louro Martins.

Costa: “Hoje será o dia de solução para a TAP”. PM acredita em acordo com acionistas privados

O primeiro-ministro espera chegar a acordo com os acionistas privados, mas avançou que, se “for necessário”, o Estado está preparado para se impor.
Recomendadas

PremiumQueda da população ativa pode impedir recuperação económica rápida

A taxa de desemprego desceu no segundo trimestre, mas o impacto da pandemia no turismo e o aumento da concorrência global na era do teletrabalho preocupam os especialistas consultados pelo JE.

Estigma com produtos da China e quebra de turistas deixam restaurantes chineses em crise

Os restaurantes chineses sofrem mais quebras no negócio do que os restaurantes nacionais devido ao estigma associado a produtos da China, país onde o novo coronavírus foi detetado pela primeira vez, e porque o turista asiático deixou de visitar Portugal.

Covid-19: Direção do consumidor emite quatro alertas no mesmo dia sobre máscaras

Quatro modelos de máscaras com insuficiente retenção de partículas no material filtrante foram na semana passada, num só dia, motivo de alertas da Direção-geral do Consumidor (DGC) e sistema europeu de alerta rápido para produtos não alimentares (Rapex).
Comentários