Negociações para a paz na Líbia voltam a falhar

Envolvimento da Rússia do lado dos revoltosos e da Turquia do lado do governo de unidade não foi suficiente para convencer as partes em conflito. Não assinatura do acordo coloca em causa a Conferência de Berlim, no próximo fim-de-semana.

Apesar da alegada influência do presidente russo na questão da guerra civil que deixou a Líbia em estado de sítio, as negociações para a paz entre as duas partes envolvidas no conflito – e que se encontraram em Moscovo – não foram concluídas. Jalifa Hafter, o homem forte da Líbia diretamente apoiado por Putin contra o governo reconhecido por vários países do ocidente, deixou Moscovo antes do fim das negociações, o que, segundo os jornais, deixou o presidente russo furioso.

Mesmo assim, o Kremlin afirma continuar empenhado nas negociações, que aconteceram nove meses depois de intensos confrontos entre as duas partes, que levaram as tropas de Hafter até às portas da capital líbia. O militar havia pedido até ao dia de ontem para ponderar a assinatura do acordo de paz, entretanto já assinado pelo chefe do governo da unidade, Fayed el Serraj. A sua saída de Moscovo antes de assinar o acordo surpreendeu tanto Moscovo como Ancara – que também tinha pressionado a Líbia para que aceitasse um cessar-fogo.

Mas esse cessar-fogo, que começou fragilmente no fim de semana passado, parece nunca ter tido correspondência no terreno: ambas as partes afirmaram que os combates se mantiveram – o que parece implicar que, de hoje em diante, a sua intensidade só pode aumentar.

“Todos os esforços que os europeus estão a fazer, incluindo alemães, franceses e italianos, os vizinhos líbios, Argélia, Egipto, além dos Emirados Árabes Unidos, Turquia, Catar e Federação Russa, queremos uni-los numa direção e exorto todas as partes na Líbia a concordarem” com o acordo de paz, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Sergey Lavrov, citado pela agência estatal Tass. “Continuaremos os esforços nessa direção; no momento não foi alcançado um resultado definitivo”, afirmou Lavrov, que prometeu manter o foco no esforço de paz.

Fayed Serraj, chefe do governo de unidade instalado em Tripoli, é apoiado pela Turquia e reconhecido pela ONU, enquanto o marechal Jalifa Hafter recebe apoio do Egipto, Emirados Árabes Unidos e da própria Rússia. No campo de batalha há pelo menos três nacionalidades envolvidas, para além dos líbios: mercenários russos do lado dos revoltosos, e forças turcas e sírias do lado do governo.

A não assinatura do acordo coloca em causa o êxito da conferência de Berlim, organizada pela chanceler Angela Merkel sob os auspícios da ONU, prevista para este fim de semana e que tinha como finalidade promover a paz na região. Recorde-se que a Líbia é um ponto-chave nas rotas de imigração africana para a Europa, o que coloca o país na circunstância de se tornar geoestratégico para a União Europeia, que há meses tenta promover um acordo. A par da imigração, ali proliferam os traficantes de pessoas e os organizadores ilegais de passagens marítimas para a Europa, que não só têm enchido o Mediterrâneo de cadáveres como, segundo relatos que se vão repetindo, financiam a guerra civil que, com mais ou menos intensidade, graça no país desde o desaparecimento de Mohammed al-Gaddafi (outubro de 2011).

Ler mais
Relacionadas

Tripoli decreta cessar-fogo em resposta a apelo da Turquia e da Rússia

O Governo de Acordo Nacional (GNA) líbio aceitou hoje o apelo para um cessar-fogo no país, feito por Moscovo e Ancara, algumas horas depois do rival, marechal Khalifa Haftar, ter anunciado o fim das hostilidades.

Líbia: Presidente do Conselho Europeu acolhe cessar-fogo “com satisfação”

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, disse este sábado após uma reunião em Istambul com o presidente turco Recep Tayyip Erdogan, acolher “com satisfação” o esperado cessar-fogo acordado entre Moscovo e Anacara para começar à meia-noite na Líbia.
Recomendadas

Santander lucra 6,5 mil milhões em 2019, menos 17% que em 2018

O banco espanhol apresentou resultados a caírem por causa dos custos extraordinários com a operação que tem no Reino Unido. Mas em Espanha os lucros subiram. O Santander Totta, em Portugal, contribuiu com 525 milhões de euros para o resultado líquido.

Nigel Farage: “O Brexit é apenas o início de uma reconfiguração na Europa”

O antigo presidente do UKIP e cofundador do Partido Brexit considera que a saída do Reino Unido da União Europeia é resultado de um exercício democrático. “Não há volta a dar. Isto é uma vitória”, afirmou esta quarta-feira em conferência de imprensa em Bruxelas.

Brexit: Parlamento Europeu carimba hoje saída do Reino Unido da UE

O Parlamento Europeu (PE) vota hoje, em Bruxelas, o Acordo de Saída do Reino Unido da União Europeia, a derradeira etapa formal para a efetiva consumação do ‘Brexit’ dois dias depois, em 31 de janeiro.
Comentários