Negociações para a paz na Líbia voltam a falhar

Envolvimento da Rússia do lado dos revoltosos e da Turquia do lado do governo de unidade não foi suficiente para convencer as partes em conflito. Não assinatura do acordo coloca em causa a Conferência de Berlim, no próximo fim-de-semana.

Apesar da alegada influência do presidente russo na questão da guerra civil que deixou a Líbia em estado de sítio, as negociações para a paz entre as duas partes envolvidas no conflito – e que se encontraram em Moscovo – não foram concluídas. Jalifa Hafter, o homem forte da Líbia diretamente apoiado por Putin contra o governo reconhecido por vários países do ocidente, deixou Moscovo antes do fim das negociações, o que, segundo os jornais, deixou o presidente russo furioso.

Mesmo assim, o Kremlin afirma continuar empenhado nas negociações, que aconteceram nove meses depois de intensos confrontos entre as duas partes, que levaram as tropas de Hafter até às portas da capital líbia. O militar havia pedido até ao dia de ontem para ponderar a assinatura do acordo de paz, entretanto já assinado pelo chefe do governo da unidade, Fayed el Serraj. A sua saída de Moscovo antes de assinar o acordo surpreendeu tanto Moscovo como Ancara – que também tinha pressionado a Líbia para que aceitasse um cessar-fogo.

Mas esse cessar-fogo, que começou fragilmente no fim de semana passado, parece nunca ter tido correspondência no terreno: ambas as partes afirmaram que os combates se mantiveram – o que parece implicar que, de hoje em diante, a sua intensidade só pode aumentar.

“Todos os esforços que os europeus estão a fazer, incluindo alemães, franceses e italianos, os vizinhos líbios, Argélia, Egipto, além dos Emirados Árabes Unidos, Turquia, Catar e Federação Russa, queremos uni-los numa direção e exorto todas as partes na Líbia a concordarem” com o acordo de paz, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Sergey Lavrov, citado pela agência estatal Tass. “Continuaremos os esforços nessa direção; no momento não foi alcançado um resultado definitivo”, afirmou Lavrov, que prometeu manter o foco no esforço de paz.

Fayed Serraj, chefe do governo de unidade instalado em Tripoli, é apoiado pela Turquia e reconhecido pela ONU, enquanto o marechal Jalifa Hafter recebe apoio do Egipto, Emirados Árabes Unidos e da própria Rússia. No campo de batalha há pelo menos três nacionalidades envolvidas, para além dos líbios: mercenários russos do lado dos revoltosos, e forças turcas e sírias do lado do governo.

A não assinatura do acordo coloca em causa o êxito da conferência de Berlim, organizada pela chanceler Angela Merkel sob os auspícios da ONU, prevista para este fim de semana e que tinha como finalidade promover a paz na região. Recorde-se que a Líbia é um ponto-chave nas rotas de imigração africana para a Europa, o que coloca o país na circunstância de se tornar geoestratégico para a União Europeia, que há meses tenta promover um acordo. A par da imigração, ali proliferam os traficantes de pessoas e os organizadores ilegais de passagens marítimas para a Europa, que não só têm enchido o Mediterrâneo de cadáveres como, segundo relatos que se vão repetindo, financiam a guerra civil que, com mais ou menos intensidade, graça no país desde o desaparecimento de Mohammed al-Gaddafi (outubro de 2011).

Ler mais
Relacionadas

Tripoli decreta cessar-fogo em resposta a apelo da Turquia e da Rússia

O Governo de Acordo Nacional (GNA) líbio aceitou hoje o apelo para um cessar-fogo no país, feito por Moscovo e Ancara, algumas horas depois do rival, marechal Khalifa Haftar, ter anunciado o fim das hostilidades.

Líbia: Presidente do Conselho Europeu acolhe cessar-fogo “com satisfação”

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, disse este sábado após uma reunião em Istambul com o presidente turco Recep Tayyip Erdogan, acolher “com satisfação” o esperado cessar-fogo acordado entre Moscovo e Anacara para começar à meia-noite na Líbia.
Recomendadas

Marcelo responde a embaixador dos EUA: “Em Portugal, quem decide são os representantes escolhidos pelos portugueses”

A agência Lusa questionou o chefe de Estado sobre as declarações proferidas pelo embaixador dos EUA, George Glass, em entrevista Expresso, publicada na edição deste sábado, em que defende que “Portugal tem de escolher entre os aliados e os chineses”.

Bielorrúsia: Macron defende saída de Lukashenko com a ajuda de Putin

“É evidente que Lukashenko tem de partir”, disse Macron ao Le Journal du Dimanche na véspera de uma viagem à Lituânia na segunda-feira, que acolhe alguma da oposição bielorrussa.

Papa não vai receber o secretário de Estado norte-americano Mike Pompeo

Francisco, que já recebeu Pompeo em outubro do ano passado, não recebe personalidades políticas durante as campanhas políticas, para evitar qualquer tipo de instrumentalização.
Comentários