Negociações sobre orçamento da União Europeia para 2020 adiadas até segunda-feira

O Conselho e o Parlamento Europeu não chegaram a acordo sobre o orçamento da comunidade única, depois de horas de conversas ao longo de sexta-feira. As instituições divergem no valor do aumento total das autorizações e pagamentos, mas termina já depois de amanhã o período de conciliação.

O Conselho e o Parlamento Europeu suspenderam as negociações sobre o orçamento da União Europeia (UE) para 2020 até segunda-feira por falta de acordo entre as partes. As instituições voltam a sentar-se à mesa no início da próxima semana, naquele que é o último dia do período de conciliação.

“Depois de fazer todos os esforços para alcançar um compromisso para um orçamento adequado para 2020, durante muitas horas na sexta-feira, o Parlamento e o Conselho suspenderam as negociações sem acordo”, anunciou o Parlamento Europeu, em comunicado.

O eurodeputado belga Johan Van Overtveldt, dos Reformistas e Conservadores Europeus (ERC), disse que houve progressos nas negociações, apesar de não ter sido suficientes, o que deixa “mais de 4 mil milhões de euros “sem destino”.

“Deveríamos refletir com muita atenção qual a melhor forma de lidar com isto, dados os muitos desafios que a União Europeia tem para enfrentar. Acreditamos que a pausa do fim de semana nos ajudará a encontrar um bom compromisso. Temos fé na boa vontade do Conselho”, referiu o ex-ministro das Finanças da Bélgica e presidente da comissão de Orçamentos, em declarações divulgadas pelo Parlamento Europeu.

De acordo com a posição negocial adotada pelo Parlamento Europeu no final de outubro, os eurodeputados pedem que 2 mil milhões de euros sejam alocados a várias iniciativas ligadas ao clima, bem como para o aumento da prestação da Garantia para o Emprego dos Jovens e do programa de intercâmbio Erasmus +.

Caso as partes não cheguem a acordo até à meia-noite de segunda-feira a Comissão Europeia terá de apresentar um novo esboço de orçamento. Se, pelo contrário, o texto conjunto tenha ‘luz verde’, o Parlamento e o Conselho dispõem de 14 dias a contar de dia 18 de novembro para o aprovar definitivamente.

Onde começaram os desentendimentos?

O Parlamento Europeu pediu o aumento do total das autorizações para 171 mil milhões de euros e do total dos pagamentos para 159,1 mil milhões de euros. Já o Conselho fixou o total das autorizações em 166,8 mil milhões de euros e o total dos pagamentos em 153,1 mil milhões de euros.

A 23 de outubro, após apresentada essa posição negocial pela instituição liderada por Antonio Tajani, o Conselho anunciou que não poderia aceitar todas as alterações que tinham sido feitas à proposta de orçamento. Seis dias depois, iniciou-se um período de conciliação de três semanas – que acaba depois de amanhã.

Ler mais

Recomendadas

“Mercados em Ação”: Assista ao programa desta semana

Acompanhe o “Mercados em Ação” no site e nas redes sociais do Jornal Económico. E reveja-o através da plataforma multimédia JE TV.

UGT espanhola propõe um ano de teletrabalho para funcionários do Estado

Sindicato pretende regular o regime de trabalho com uma negociação coletiva. Após o confinamento, mais de metade dos funcionários públicos retomaram o trabalho de forma presencial.

Pandemia põe em risco mais de 40% dos empregos no Algarve, estima OCDE

A OCDE calcula que o emprego poderá cair, em média, entre 4,09% e 4,98% em 2020 nos países que fazem parte da organização, devido à pandemia, sendo que o impacto desta crise difere de país para país e até de região para região.
Comentários