PremiumNegócios: As guerras do ouro no mundo empresarial

A Barrick Gold decidiu avançar com uma oferta de compra hostil sobre a rival Newmont. A oferta é de 15,6 mil milhões de euros. Depois deste negócio reacendeu-se o interesse pelo metal precioso e a especulação sobre qual poderia ser a próxima transação a tomar conta do setor. Apesar da queda no último trimestre de 2018, a procura deste metal preciosotem vindo a aumentar.

A Barrick Gold lançou esta semana uma Oferta Pública de Aquisição (OPA) hostil com vista a criar a maior empresa produtora de ouro no mundo. A informação foi divulgada pela CNBC, que indica o valor de 17,8 mil milhões de dólares (15,6 mil milhões de euros) oferecidos pela multinacional mineira do Canadá, à sua congénere dos Estados Unidos, a Newmont Mining. A Newmont já está sob uma oferta de compra, no valor de dez mil milhões de dólares. Esta última oferta foi feita pela Goldcorp há cerca de um mês. Um negócio que, a concretizar-se, colocaria um ponto final nas negociações para a fusão entre a Barrick Gold e a Newmont Mining.

É uma tentativa desesperada e bizarra de atrapalhar o nosso acordo”, afirmou o CEO da Newmont Mining, Gary Goldberg, antes do anúncio da OPA por parte da Barrick Gold, acrescentando que “este não é o tipo de comportamento que irá atrair investidores que queiram investir em empresas sérias e bem administradas”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Mãe de quatro filhos, leitora compulsiva e “bem disposta”. Conheça a presidente do CFP

Nova presidente do Conselho Superior do Conselho das Finanças Públicas (CFP) falou ao Jornal Económico sobre os desafios à frente do organismo, como conciliou a carreira e a maternidade e os seus principais ‘hobbies’.

Negócios: As guerras do ouro no mundo empresarial

A Barrick Gold decidiu avançar com uma oferta de compra hostil sobre a rival Newmont. A oferta é de 15,6 mil milhões de euros. Depois deste negócio reacendeu-se o interesse pelo metal precioso e a especulação sobre qual poderia ser a próxima transação a tomar conta do setor. Apesar da queda no último trimestre de 2018, a procura deste metal preciosotem vindo a aumentar.

Queiroz Pereira: A nova vida do maior grupo industrial português

Pedro Queiroz Pereira, falecido em agosto do ano passado, ficou para a História como um empresário audacioso, pragmático e visionário. O império que deixou às três filhas fatura mais de dois mil milhões de euros por ano e serão vários os interessados em ‘joias da coroa’ como a Navigator, a Secil e o Hotel Ritz. Mas a família pretende manter os ativos e a estratégia passa por continuar a crescer e a valorizar o património familiar, incluindo por via de aquisições. O grupo deverá, parajá continuar nas mãos do clã, com o apoio de gestores da ‘escola’ McKinsey.
Comentários