Netanyahu congratula-se com plano que estende soberania de Israel

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, congratulou-se esta terça-feira com o plano de paz norte-americano que, disse, reconhece a soberania de Israel sobre o Vale do Jordão e partes da Judeia e Samaria (Cisjordânia).

Atef Safadi/Reuters

Falando na Casa Branca depois de o Presidente norte-americano, Donald Trump, ter divulgado o seu plano para solucionar o conflito israelo-palestiniano, Netanyahu disse que este é “um dia histórico”, classificando o plano como “excecional”.

Trata-se de “um caminho realista para uma paz duradoura”, considerou o primeiro-ministro israelita em funções.

O reconhecimento de partes da Judeia e Samaria (como o governo israelita denomina o território palestiniano ocupado da Cisjordânia), onde se encontram os colonatos judeus, e do Vale do Jordão é essencial para a segurança israelita, salientou.

Relacionadas

Trump anuncia plano de paz Israel-Palestina com dois Estados

No novo plano de paz de Donald Trump, Jerusalém Oriental passa a ser a capital de um Estado palestiniano, e a cidade santa a capital indivisível de Israel. Em Gaza os palestinianos mostram o seu descontentamento nas ruas.

Benjamin Netanyahu anuncia retirada da sua imunidade parlamentar

O primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu anunciou que pediu esta terça-feira o levantamento de imunidade ao Parlamento, uma hora antes da sessão parlamentar que devia debater a questão.

Netanyahu acusado formalmente de corrupção pela justiça israelita

Um tribunal israelita avançou com a acusação formal horas depois do primeiro-ministro ter retirado o pedido de imunidade que tinha feito ao Knesset, o parlamento de Israel.
Recomendadas

“Está tudo maluco?” é a reação de ex-deputado do PSD à “lei da rolha” no grupo parlamentar

Luís Menezes ataca decisão da direção de Rui Rio de passar a filtrar os contactos da comunicação social com os membros do grupo parlamentar social-democrata.

Questões-chave para perceber a discussão sobre a eutanásia

A despenalização da eutanásia dividiu os partidos representados na Assembleia da República e a sociedade civil, com a Ordem dos Médicos e a dos Enfermeiros a rejeitarem a medida.

Operação Lex: Marcelo não comenta antes de o Conselho Superior da Magistratura se pronunciar

Questionado se situações como esta adensam o descrédito da população na Justiça, o Presidente começou por reiterar não querer pronunciar-se “antes de o órgão que tem competência para apreciar essa matéria no quadro do poder judicial se pronunciar”.
Comentários