Neto de Moura recorre de advertência: Juiz diz que não assinou sozinho as sentenças

O magistrado recorreu da sua sanção para o Supremo Tribunal de Justiça argumentando que a decisão viola o princípio da igualdade por não sancionar também os outros juízes que assinaram as mesmas sentenças.

Pedro Nunes/Reuters

O juiz Neto de Moura vai recorrer da sanção de advertência declarada pelo Conselho Superior de Magistratura em relação aos acórdãos sobre casos de violência doméstica que levantaram muita polémica.

A rádio TSF avança esta quinta-feira, 14 de março, que o recurso deu entrada na quarta-feira no Supremo Tribual de Justiça.

O magistrado argumenta que a decisão viola o princípio da igualdade por não sancionar também os outros juízes que assinaram as mesmas sentenças. A ser sancionado, então também os outros juízes que assinaram os acórdãos teriam de ser sancionados.

Os dois acórdãos foram assinados cada um por Neto de Moura e por mais dois juízes desembargadores “aos quais não foi aplicada a mesma sanção”, com o recurso a destacar que não se percebe a “razão desse tratamento desigual pois a decisão foi colegial”.

No seu recurso, avança a TSF, Neto de Moura também argumenta que não cometeu qualquer infração disciplinar e que nenhum das vítimas, parte dos processos julgados pelo magistrado, apresentaram recurso ou queixa do juiz.

 

Em relação às referências à Bíblia nas sentenças dos tribunais, o advogado de Neto de Moura argumenta que é comum recorrer-se à Bíblia nestes acórdãos e que houve uma descontextualização dessas referências.

Ler mais
Relacionadas

É a Bíblia aceitável para fundamentar uma sentença? “É um livro na cabeceira de muitos portugueses”

Diretor do Centro de Estudos Judiciários, João Silva Miguel, disse, em entrevista à TSF, ser importante que os textos dos magistrados sejam “secos”.

Juiz Neto de Moura pode continuar a julgar casos de divórcio ou de responsabilidade parental

O presidente do Conselho Regional acredita que tirar Neto de Moura da justiça criminal e dos casos de violência doméstica está longe de resolver a polémica.

Contribuintes deverão pagar as despesas dos processos de Neto de Moura

Paulo Veiga e Mota, especialista em direito administrativo, confirma que o juiz não terá de pagar pelas despesas associadas às dezenas de processos que planeia instaurar contra quem o criticou, ao invocar que as difamações de que se diz vítima surgiram no contexto do exercício das suas funções.

Juiz Neto de Moura afastado dos casos de violência doméstica

Juiz do Tribunal da Relação do Porto que tem sido alvo de critica por desvalorizar agressões a mulheres, foi esta transferido esta quarta-feira para uma secção cível, uma decisão que já lhe foi comunicada.

Juiz Neto de Moura promete processar quem o criticou depois de acordão polémico

Os humoristas Ricardo Araújo Pereira e Bruno Nogueira, a deputada do Bloco de Esquerda Mariana Mortágua e os comentadores Joana Amaral Dias e Manuel Rodrigues são os principais alvos do magistrado.
Recomendadas

Parecer da PGR sustenta transmissão de audição a Berardo. Interesse público prevalece, diz presidente da CPI à CGD

O interesse público prevalece sobre outro tipo de argumentos que possam condicionar o escrutínio e a transparência associadas às audições da nova comissão parlamentar de inquérito (CPI) à CGD. A conclusão é do presidente da nova CPI à Caixa e está suportada num parecer do conselho consultivo da PGR que sustenta transmissão televisiva de audição a Joe Berardo. É a resposta advogado do empresário que pretende avançar com processo de violação do direito à imagem contra os deputados.

PJ faz buscas no grupo Lusíadas Saúde e no Hospital de Cascais

De acordo com informações avançadas pela SIC Notícias, em causa estão denúncias de falseamento de resultados clínicos.

Tribunal condena oito agentes da PSP no caso da Cova da Moura

O Tribunal de Sintra condenou hoje oito dos 17 polícias da Esquadra de Alfragide, concelho de Amadora, acusados de agressões e insultos racistas a seis jovens da Cova da Moura, em 2015, mas absolveu-os de racismo e tortura.
Comentários