NH quer vender portefólio de hotéis em Portugal, Holanda e Alemanha por 200 milhões

Os potenciais compradores incluem fundos de investimento que já ocupam posições de destaque na hotelaria na Europa. Em Portugal, o grupo NH possui 17 unidades hoteleiras divididas pelo Algarve, Lisboa, Porto, Coimbra, Évora e Sintra.

O grupo hoteleiro NH está a preparar a venda de um portefólio de hotéis na Europa por 200 milhões de euros para recuperar alguma capacidade económica devido à crise gerada pela Covid-19. Entre os países indicados estão Portugal, Alemanha e Holanda, segundo informa o “El Economista” esta quinta-feira, 29 de outubro.

Nos contactos com potenciais investidores, a NH já demonstrou a sua intenção de alienar hotéis consolidados e não estratégicos e mantê-los sob a gestão (sale & leaseback). A cadeia hoteleira não deverá incluir nesta operação nenhum hotel relevante em Espanha.

Fontes do processo explicam que “este não é o momento de vender algumas das suas joias, como o NH Eurobuilding em Madrid e o NH Nova Iorque”. O processo ainda está numa fase inicial e a rede controlada pela empresa tailandesa Minor aguarda uma nova estabilização para arrancar em definitivo com o negócio, tendo já registado perdas de 278 milhões de euros.

Os potenciais compradores incluem fundos de investimento que já ocupam posições de destaque na hotelaria na Europa. No final do primeiro semestre deste ano, a dívida financeira bruta do NH atingiu os 761 milhões de euros, resultando numa dívida financeira líquida de 435 milhões de euros.

O grupo NH possui 368 hotéis em 30 países da Europa, América e África. Em Portugal, o grupo NH conta nesta altura com 17 unidades hoteleiras, seis no Algarve, cinco em Lisboa, duas no Porto, uma em Coimbra e Évora e duas em Sintra.

Recomendadas

Parlamento anula transferência de 476,6 milhões do Fundo de Resolução para Novo Banco

O Orçamento de Estado acaba de aprovar a bandeira do Bloco de Esquerda de impedir a injeção do Fundo de Resolução dos 476,6 milhões de euros para o Novo Banco. Esta medida deixa o banco numa situação delicada para cumprir os compromissos de limpeza do balanço assumidos com Bruxelas.

AHRESP diz que Programa Apoiar pode não ser acessível a 58% do setor da restauração

A condição obrigatória que as entidades disponham de contabilidade organizada, é um requisito que pode impedir o acesso a 58% das empresas da restauração e bebidas, que são Empresários em Nome Individual (ENI), na sua esmagadora maioria inscritos no Regime Simplificado”, diz a Associação.

Mário Ferreira lança OPA sobre 70% da Media Capital. Paga 0,67 euros por ação

Na sequência de uma deliberação da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, a Pluris Investments, de Mário Ferreira, lançou uma OPA obrigatória sobre a totalidade do capital que não controla na dona da TVI.
Comentários