PremiumNigel Farage – Quando o Brexit vale bem estender uma passadeira vermelha a Boris

O político que mais tem lutado para o Reino Unido sair da União Europeia anunciou que nenhum candidato do seu partido irá apresentar-se nos círculos detidos pelos conservadores. Em troca da ajuda a Boris Johnson espera que o “favor” seja retribuído para ganhar lugares aos trabalhistas nas eleições gerais de 12 de dezembro.

Há 317 círculos em que os candidatos do Partido Conservador não precisarão de disputar votos à direita para manterem nas eleições gerais de 12 de dezembro os lugares na Câmara dos Comuns conquistados em 2017. Isto porque Nigel Farage, líder do Partido do Brexit, decidiu na segunda-feira que se afastará de todas essas disputas para evitar que o atual primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, perca lugares para trabalhistas, liberais-democratas e outros adversários apostados em travar à última hora a saída do Reino Unido da União Europeia. Nomeadamente através da realização de um segundo referendo que possa reverter o “Leave” decidido a 23 de junho de 2016.

“De certo modo, temos agora uma aliança favorável à saída da União Europeia. Simplesmente, fizemo-la unilateralmente. Decidimos colocar o país à frente do partido e combater os trabalhistas”, anunciou Farage, num comício realizado em Hartlepool, perante apoiantes a quem não se revelou propriamente fácil explicar as vantagens de estender uma passadeira vermelha à vitória dos conservadores sem que haja o mais ténue indício de reciprocidade.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumTecnologia espacial: Marte ‘na mão’ da cortiça nacional

Boa parte do sucesso na futura análise do solo de Marte dependerá do êxito da tecnologia portuguesa que produz os compósitos de cortiça utilizados para revestir a cápsula de reentrada na Terra.

PremiumExploração espacial: Todos os caminhos vão dar a Marte

O planeta vermelho está por estes dias cheio de trânsito: três missões – dos Estados Unidos, da China e dos Emirados Árabes Unidos – evoluem em paralelo, na tentativa de darem a perceber melhor as suas caraterísticas, até porque a NASA pretende trazer amostras recolhidas pela Perseverance de volta para a Terra. Entre o sonho humano de chegar sempre mais longe e a vontade política de comandar esse sonho, Marte é a próxima fronteira.

PremiumPablo Hasél: Rap para aquecer as noites frias do inverno catalão

Um rapper está preso desde o dia seguinte às eleições na Catalunha. Não será motivo suficiente para explicar o incêndio que volta a devastar Barcelona: o impasse político com Madrid mantém-se e parece mesmo ter possibilidade de aumentar. Entretanto, ainda ninguém sabe como será o próximo governo da autonomia.
Comentários