Nissan chama 150 mil viaturas à oficina

A Nissan, atingida nos últimos meses por um escândalo relacionado com a inspeção dos seus veículos no Japão, anunciou esta sexta-feira ter descoberto novos problemas que obrigam a chamar cerca de 150.000 viaturas à oficina.

A Nissan, atingida nos últimos meses por um escândalo relacionado com a inspeção dos seus veículos no Japão, anunciou esta sexta-feira ter descoberto novos problemas que obrigam a chamar cerca de 150.000 viaturas à oficina.

Esta é mais uma má notícia para o fabricante nipónico, que está a passar por uma fase difícil, com a prisão, em 19 de novembro, de Carlos Ghosn, demitido da presidência do conselho de administração por suspeita de falsificação de informação financeira.

Ghosn é suspeito de não ter declarado rendimentos no valor de cerca de 38 milhões de euros (cinco milhões de ienes), que terá recebido entre 2011 e 2014.

Segundo a agência nipónica Kyodo, o ex-presidente da Nissan Motor terá também utilizado fundos da empresa japonesa para cobrir perdas de investimentos pessoais no valor de cerca de 13,2 milhões de euros.

No final de setembro, a Nissan adotou medidas para melhorar o processo de inspeção nas suas fábricas, admitindo graves deficiências.

Na altura, a empresa anunciou um investimento de “170 a 180 biliões de ienes nos próximos seis anos” (mais de 1,3 biliões de euros) nas medidas a aplicar.

No outono de 2017, a Nissan foi forçada a suspender temporariamente a produção no Japão e a chamar à oficina mais de um milhão de veículos devido a irregularidades na inspeção final dos seus carros.

Já este ano, no verão, a empresa deu conta da falsificação de valores nos testes para medir o consumo de combustível e as emissões de gases poluentes.

Ler mais
Recomendadas

Os maiores escândalos empresariais dos últimos cinco anos

De 2015 até hoje, houve muita falcatrua no mundo empresarial. A Volkswagen falsificou testes obrigatórios, a Google subornou fabricantes de telemóveis, as baterias da Samsung explodiram e há aviões com peças contrafeitas.

Vem aí a nova sociedade que vai controlar a “TSF”, o “DN” e o “Jornal de Notícias”

Os credores da Controlinveste, Millennium bcp e Novo Banco, acordaram o lançamento de uma nova sociedade que reúne as participações detidas pelas empresas de Joaquim Oliveira na Global Media, cuja posterior venda permitirá que os bancos presididos por Miguel Maya e António Ramalho possam recuperar parte dos 548 milhões de euros perdidos na Controlinveste

Governos ignoraram alerta do ROC sobre risco de “fraudes” na Caixa

BdP, banco e tutela não deram a devida atenção a alerta, em 2007, para o risco de“fraudes e erros” sem serem detectados devido a “limitações” no controlo interno em áreas como a concessão de crédito.
Comentários