No primeiro dia, a Altice Arena encheu-se para ouvir Snowden (e muitos ficaram à porta)

A polémica não ficou à porta da Web Summit. Edward Snowden foi o cabeça de cartaz da sessão de abertura, seguido por Guo Ping, rotating chairman da Huawei. Mas no palco da mega-cimeira de tecnologia houve também espaço para nomes femininos que dão cartas no mundo tecnológico e na sustentabilidade.

4 November 2019; Edward Snowden, President, Freedom of the Press Foundation, on Centre Stage during the opening night of Web Summit 2019 at the Altice Arena in Lisbon, Portugal. Photo by Piaras Ó Mídheach/Web Summit via Sportsfile

Foi em vídeo-chamada perante uma Altice Arena com lotação esgotada que Edward Snowden disse que a tecnologia não protege os cidadãos, já que os próprios serão os únicos com capacidade para tal. O homem que expôs o sistema de surveillance dos Estados Unidos não ignorou que se dirigia a uma plateia de fãs e entusiastas de tecnologia e abriu as hostilidades da mega-cimeira que faz de Lisboa palco até quinta-feira, mostrando porque é que este já se tornou mais do que um evento de empreendedorismo, querendo apontar caminhos para o futuro.

A privacidade e a segurança voltam a ser centrais nesta edição. Depois do destaque dado no ano passado ao escândalo Facebook-Cambridge Analytica, este ano Snowden foi o cabeça de cartaz, a numa ligação escutada por centenas de pessoas à porta do Altice Arena, que não conseguiram entrar no recinto.

A mensagem de Snowden foi clara: a privacidade e a segurança está nas mãos de cada um, já que as empresas e os governos têm agendas próprias. “Os dados são sobre as pessoas. Não são os dados que são manipulados, são as pessoas”.

É por esta razão que “não podemos confiar em ninguém”, realçou, considerando que as empresas “agem em prol delea mesmas e não em prol das pessoas” e que “os dados são sensíveis ao sistema destas gigantes”, apontando como exemplo a Nokia e a Huawei.

A referência à gigante tecnológica não amedrontou caminho a Guo Ping, rotating chairman da Huawei, o orador que se seguiu para destacar que o impacto do 5G.  “As novas experiências proporcionadas pelo 5G têm sido recebidas de forma calorosa pelos consumidores e mais de 60 redes comerciais de 5G deverão estar operacionais até ao final do ano”, afirmou Guo Ping.

No entanto, o chairman da Huawei não fez referência aos problemas que a gigante chinesa têm enfrentado nos Estados Unidos, onde tem sido acusada de espionagem tecnológica, preferindo centrar-se no que chamou de “oportunidade dourada”.

Para ilustrar o apetite dos consumidores, Guo Ping referiu que na Coreia do Sul um milhão de utilizadores aderiu à tecnologia 5G nos primeiros 69 dias, muito menos que os 150 dias que levou no caso do lançamento do 4G.

Guo Ping encorajou a comunidade mundial de developers a usar essa tecnologia com outras, no chamado ‘5G + X’. O ‘X’ nessa fórmula inclui a Inteligência Artificial, o big data e a realidade aumentada ou virtual.  Essa combinação poderá dar início a uma nova onda de crescimento, tal como o fez a eletricidade no século XX”.

“A chegada do 5G é uma benesse para os operadores pois um utilizador médio de 5G consome três vezes mais dadoos do que um de 4G. Com alta velocidade, latência ultra-baixa e ligações enormes, o 5G assegura uma experiência superior para a Internet das Coisas”, vincou.

A tecnologia também vinga no feminino 

No primeiro dia de Web Summit celebrou-se Lisboa como cidade de inovação, as mulheres presentes na tecnologia e amaldiçoou-se a tecnologia enquanto Big Brother espião.

No palco central, depois de Edward Snowden e antes de Guo Ping, as mulheres dominaram. Daniela Braga e Michelle Zatlyn são apenas dois exemplos de como a tecnologia pode ter capitãs à frente do navio.

Escolher os investidores e não ser escolhido por investidores é um dos passos para o sucesso. Quem o disse foi Daniela Braga, CEO da DefinedCrowd, que desde os 22 anos era a única mulher na sala, e agora lidera uma empresa com 42% de mulheres.

Michelle Zatlyn optou por falar do novo escritório em Lisboa da Cloudflare, empresa de cibersegurança. Apesar de admitir que no princípio não achar que Lisboa não fosse uma opção a considerar, mudou de ideias após verificar o talento e qualidade de vida existentes na capital portuguesa.

Como a tecnologia pode ajudar no combate à crise hídrica

Porque nem só de nomes polémicos se fez a sessão de abertura da Web Summit, os fundadores de três ONG dedicadas ao acesso a água potável e saneamento subiram ao palco para debater a crise hídrica no mundo. Paul O’Callaghan, Gary White e Jaden Smith alertaram para um cenário critico que, apesar de parecer distante, “está mais perto que parece”.

Atualmente existem 70 milhões de pessoas sem acesso à água, enquanto cerca de dois mil milhões vivem sem saneamento da água. Para o fundador da CEO Blue Tech a solução “somos nós”. Já o cofundador da Water.org e WaterEquity, Gary White, referiu “não ser suficiente estar atento ao problema, mas sim tomar ação”, numa altura em que cada vez mais a água se torna numa vítima das alterações climáticas.

O jovem empreendedor da Just Water e 501TCHREE subscreveu as palavras dos oradores anteriores e falou no papel ativo que tem tido em Flint, Michigan. Há cinco anos que a cidade norte-americana se encontra em stress hídrico e o acesso à àgua potável é cada vez menor: “Queremos dar às pessoas mais água limpa em Flint com sistemas de filtragem. Inicialmente, queria lançar isto em África e em todo o mundo, mas pensei: tenho de fazer isto no meu quintal”.

Jaden aproveitou para referir que atualmente existem três caixas de filtragem de água em Flint para ajudar a resolver o problema da comunidade e que a empresa prepara-se para instalar mais duas no próximo ano.

Porém, a palavra foi-lhe cortada. Enquanto respondia às ultimas questões colocadas por Laurie Segall, jornalista da CNN e fundadora e diretora da Dot Dot Dot Media, a música que sinalizava o fim do tempo começou a tocar e os oradores saíram todos de palco.

Fernando Medina e Siza Vieira deram o pontapé de entrada na cimeira tecnológica ao carregar no botão. O presidente da CML e o novo ministro de Estado descreveram Lisboa como a cidade a ter em conta e como a capital da inovação, onde a Web Summit vai acontecer até 2028.

Relacionadas
snowden

Edward Snowden: “Não são os dados que são manipulados, são as pessoas”

“Legalizámos o abuso das pessoas”, disse Snowden, na abertura da Web Summit, que arrancou esta segunda-feira em Lisboa e se estende até quinta-feira, referindo ao impacto de empresas como o Facebook e a Amazon. “As pessoas estão zangadas com pessoas certas, mas pelas razões erradas”, acrescentou. 

Presidente da Huawei: “O 5G está a chegar mais depressa do que esperado”

Numa Altice Arena lotada para a abertura da Web Summit, o presidente da tecnológica chinesa (que tem sido criticada por Donald Trump) incentivou os ‘developers’ a tirarem vantagem de uma oportunidade dourada: o 5G aliado a tecnologias como a Inteligência Artificial.

Até onde chegam as mulheres da tecnologia? Ao palco central da Web Summit

São estrelas em ascensão nos setores em que operam: Daniela Braga e Michelle Zatlyn pisaram o palco principal da Web Summit para demonstrar até onde as mulheres empreendedoras podem chegar.

Siza Vieira e Medina celebram Lisboa como o lugar onde a inovação se concretiza

Ministro de Estado da Economia e da Transição Digital representou o Governo na sessão de abertura da Web Summit. Fernando Medina deu as boas-vindas aos 70 mil participantes. “Precisamos de ação para resolver os problemas e Lisboa é o lugar para isso”, disse.
Recomendadas

Eletricidade. Desde 2009 que o valor da dívida tarifária não era tão baixo

A dívida vai afundar mil milhões em 2022, a maior descida registada desde 2008.

“Apoios de nove milhões foram cruciais para minimizar prejuízos”, revela presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto

“Esses apoios foram cruciais para, de alguma forma, minimizar aquilo que poderiam ser os prejuízos dos agricultores na venda das suas uvas”, revela Gilberto Igrejas. “Foram nove milhões de euros, na Região Demarcada do Douro, muito importantes para que o tecido produtivo não tivesse quebras superiores”, assegura o presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP), na edição do podcast “Conversas com Norte” que irá para o ar na próxima segunda-feira.

CGTP considera medidas na proposta de OE2022 insuficientes

A intersindical reconhece o mérito do desdobramento dos escalões do IRS, mas considera esta medida “manifestamente insuficiente” e pede mais rasgo no combate ao “modelo de precariedade” que vigora em Portugal.
Comentários