No primeiro dia, a Altice Arena encheu-se para ouvir Snowden (e muitos ficaram à porta)

A polémica não ficou à porta da Web Summit. Edward Snowden foi o cabeça de cartaz da sessão de abertura, seguido por Guo Ping, rotating chairman da Huawei. Mas no palco da mega-cimeira de tecnologia houve também espaço para nomes femininos que dão cartas no mundo tecnológico e na sustentabilidade.

4 November 2019; Edward Snowden, President, Freedom of the Press Foundation, on Centre Stage during the opening night of Web Summit 2019 at the Altice Arena in Lisbon, Portugal. Photo by Piaras Ó Mídheach/Web Summit via Sportsfile

Foi em vídeo-chamada perante uma Altice Arena com lotação esgotada que Edward Snowden disse que a tecnologia não protege os cidadãos, já que os próprios serão os únicos com capacidade para tal. O homem que expôs o sistema de surveillance dos Estados Unidos não ignorou que se dirigia a uma plateia de fãs e entusiastas de tecnologia e abriu as hostilidades da mega-cimeira que faz de Lisboa palco até quinta-feira, mostrando porque é que este já se tornou mais do que um evento de empreendedorismo, querendo apontar caminhos para o futuro.

A privacidade e a segurança voltam a ser centrais nesta edição. Depois do destaque dado no ano passado ao escândalo Facebook-Cambridge Analytica, este ano Snowden foi o cabeça de cartaz, a numa ligação escutada por centenas de pessoas à porta do Altice Arena, que não conseguiram entrar no recinto.

A mensagem de Snowden foi clara: a privacidade e a segurança está nas mãos de cada um, já que as empresas e os governos têm agendas próprias. “Os dados são sobre as pessoas. Não são os dados que são manipulados, são as pessoas”.

É por esta razão que “não podemos confiar em ninguém”, realçou, considerando que as empresas “agem em prol delea mesmas e não em prol das pessoas” e que “os dados são sensíveis ao sistema destas gigantes”, apontando como exemplo a Nokia e a Huawei.

A referência à gigante tecnológica não amedrontou caminho a Guo Ping, rotating chairman da Huawei, o orador que se seguiu para destacar que o impacto do 5G.  “As novas experiências proporcionadas pelo 5G têm sido recebidas de forma calorosa pelos consumidores e mais de 60 redes comerciais de 5G deverão estar operacionais até ao final do ano”, afirmou Guo Ping.

No entanto, o chairman da Huawei não fez referência aos problemas que a gigante chinesa têm enfrentado nos Estados Unidos, onde tem sido acusada de espionagem tecnológica, preferindo centrar-se no que chamou de “oportunidade dourada”.

Para ilustrar o apetite dos consumidores, Guo Ping referiu que na Coreia do Sul um milhão de utilizadores aderiu à tecnologia 5G nos primeiros 69 dias, muito menos que os 150 dias que levou no caso do lançamento do 4G.

Guo Ping encorajou a comunidade mundial de developers a usar essa tecnologia com outras, no chamado ‘5G + X’. O ‘X’ nessa fórmula inclui a Inteligência Artificial, o big data e a realidade aumentada ou virtual.  Essa combinação poderá dar início a uma nova onda de crescimento, tal como o fez a eletricidade no século XX”.

“A chegada do 5G é uma benesse para os operadores pois um utilizador médio de 5G consome três vezes mais dadoos do que um de 4G. Com alta velocidade, latência ultra-baixa e ligações enormes, o 5G assegura uma experiência superior para a Internet das Coisas”, vincou.

A tecnologia também vinga no feminino 

No primeiro dia de Web Summit celebrou-se Lisboa como cidade de inovação, as mulheres presentes na tecnologia e amaldiçoou-se a tecnologia enquanto Big Brother espião.

No palco central, depois de Edward Snowden e antes de Guo Ping, as mulheres dominaram. Daniela Braga e Michelle Zatlyn são apenas dois exemplos de como a tecnologia pode ter capitãs à frente do navio.

Escolher os investidores e não ser escolhido por investidores é um dos passos para o sucesso. Quem o disse foi Daniela Braga, CEO da DefinedCrowd, que desde os 22 anos era a única mulher na sala, e agora lidera uma empresa com 42% de mulheres.

Michelle Zatlyn optou por falar do novo escritório em Lisboa da Cloudflare, empresa de cibersegurança. Apesar de admitir que no princípio não achar que Lisboa não fosse uma opção a considerar, mudou de ideias após verificar o talento e qualidade de vida existentes na capital portuguesa.

Como a tecnologia pode ajudar no combate à crise hídrica

Porque nem só de nomes polémicos se fez a sessão de abertura da Web Summit, os fundadores de três ONG dedicadas ao acesso a água potável e saneamento subiram ao palco para debater a crise hídrica no mundo. Paul O’Callaghan, Gary White e Jaden Smith alertaram para um cenário critico que, apesar de parecer distante, “está mais perto que parece”.

Atualmente existem 70 milhões de pessoas sem acesso à água, enquanto cerca de dois mil milhões vivem sem saneamento da água. Para o fundador da CEO Blue Tech a solução “somos nós”. Já o cofundador da Water.org e WaterEquity, Gary White, referiu “não ser suficiente estar atento ao problema, mas sim tomar ação”, numa altura em que cada vez mais a água se torna numa vítima das alterações climáticas.

O jovem empreendedor da Just Water e 501TCHREE subscreveu as palavras dos oradores anteriores e falou no papel ativo que tem tido em Flint, Michigan. Há cinco anos que a cidade norte-americana se encontra em stress hídrico e o acesso à àgua potável é cada vez menor: “Queremos dar às pessoas mais água limpa em Flint com sistemas de filtragem. Inicialmente, queria lançar isto em África e em todo o mundo, mas pensei: tenho de fazer isto no meu quintal”.

Jaden aproveitou para referir que atualmente existem três caixas de filtragem de água em Flint para ajudar a resolver o problema da comunidade e que a empresa prepara-se para instalar mais duas no próximo ano.

Porém, a palavra foi-lhe cortada. Enquanto respondia às ultimas questões colocadas por Laurie Segall, jornalista da CNN e fundadora e diretora da Dot Dot Dot Media, a música que sinalizava o fim do tempo começou a tocar e os oradores saíram todos de palco.

Fernando Medina e Siza Vieira deram o pontapé de entrada na cimeira tecnológica ao carregar no botão. O presidente da CML e o novo ministro de Estado descreveram Lisboa como a cidade a ter em conta e como a capital da inovação, onde a Web Summit vai acontecer até 2028.

Ler mais

Relacionadas
snowden

Edward Snowden: “Não são os dados que são manipulados, são as pessoas”

“Legalizámos o abuso das pessoas”, disse Snowden, na abertura da Web Summit, que arrancou esta segunda-feira em Lisboa e se estende até quinta-feira, referindo ao impacto de empresas como o Facebook e a Amazon. “As pessoas estão zangadas com pessoas certas, mas pelas razões erradas”, acrescentou.

Presidente da Huawei: “O 5G está a chegar mais depressa do que esperado”

Numa Altice Arena lotada para a abertura da Web Summit, o presidente da tecnológica chinesa (que tem sido criticada por Donald Trump) incentivou os ‘developers’ a tirarem vantagem de uma oportunidade dourada: o 5G aliado a tecnologias como a Inteligência Artificial.

Até onde chegam as mulheres da tecnologia? Ao palco central da Web Summit

São estrelas em ascensão nos setores em que operam: Daniela Braga e Michelle Zatlyn pisaram o palco principal da Web Summit para demonstrar até onde as mulheres empreendedoras podem chegar.

Siza Vieira e Medina celebram Lisboa como o lugar onde a inovação se concretiza

Ministro de Estado da Economia e da Transição Digital representou o Governo na sessão de abertura da Web Summit. Fernando Medina deu as boas-vindas aos 70 mil participantes. “Precisamos de ação para resolver os problemas e Lisboa é o lugar para isso”, disse.
Recomendadas

Alemanha declara regiões em 11 países europeus de alto risco e Lisboa está incluída

Além da cidade portuguesa, o Instituto Robert Koch incluiu importantes destinos turísticos na lista alemã, como é o caso das regiões francesas de Centre-Val de Loire, Bretanha e Normandia, bem como a região costeira Lika-Senj na Croácia e a região montanhosa Primorsko-notranjska na Eslovênia.

Gestor de Isabel dos Santos queixa-se a reguladores sobre contrato falso da Sonangol em 2005

O antigo assessor da empresária Isabel dos Santos na Sonangol queixou-se sobre um “contrato falso” que terá lesado a petrolífera angolana em 193 milhões de euros em 2005.

“Mobilidade elétrica tem um argumento de força: a urgência da descarbonização”, defendem especialistas na “Portugal Smart Cities Summit 2020”

Uma das provas da relevância da mobilidade elétrica está refletida nos números das vendas de automóveis elétricos: “2,3 milhões de vendas até ao final deste ano” deste tipo de veículo, segundo Ryan Fisher da BloombergNEF.
Comentários