“Não somos escravos”. Presidente ucraniano reage a alegada chantagem de Trump

Numa “maratona” com a imprensa durante realizada num mercado de Kiev, o presidente da Ucrânia minimizou as sugestões de que Donald Trump o pressionou em troca de ajuda militar dos EUA para ajudar a Ucrânia a combater os separatistas apoiados pela Rússia.

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, reafirmou esta quinta-feira que não vítima de qualquer chantagem do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, no telefonema feito a 25 de julho e que ajudou a desencadear uma investigação de impeachment, ao líder norte-americano. “Não houve chantagem. Nós não somos escravos. Nós somos um país independente”, afirmou o presidente ucraniano, citado pela “APNews“.

Volodymyr Zelenskiy afirmou que, pela primeira vez, o seu país “alegremente” investigará a teoria da conspiração promovida por Donald Trump de que foram os ucranianos, e não os russos, que interferiram nas eleições presidenciais de 2016 nos EUA, incentivando os responsáveis norte-americanos e ucranianos a investigar uma empresa de gás ligada ao filho do rival democrata de Donald Trump, Joe Biden.

Numa “maratona” com a imprensa durante realizada num mercado de Kiev, o presidente da Ucrânia minimizou as sugestões de que Donald Trump o pressionou em troca de ajuda militar dos EUA para ajudar a Ucrânia a combater os separatistas apoiados pela Rússia.

Volodymyr Zelenskiy disse que só soube após o telefonema de que os EUA haviam bloqueado centenas de milhões de dólares em ajuda militar à Ucrânia e insiste ele não é um ‘fantoche’ de Donald Trump. O líder da Ucrânia assegurou que as autoridades americanas apresentaram zero provas de interferência da Ucrânia em 2016, mas que é do interesse do seu país descobrir de uma vez por todas o que aconteceu.

Por sua vez, Donald Trump referiu que os Estados Unidos têm um “direito absoluto” de pedir aos líderes estrangeiros que investiguem casos de corrupção, embora ninguém tenha apresentado provas de irregularidades criminais por parte de Joe Biden ou do seu filho.

Relacionadas

Impeachment. Trump recua e afirma que Casa Branca vai cooperar com investigações se “nos derem nossos direitos”

Em plena investigação que pode destitui-lo do seu cargo de presidente, Donald Trump afirmou que só colaboraria nas investigações da Câmara de Representantes se as suas condições fossem respeitadas.

Impeachment. Casa Branca recusa-se a cooperar com investigações contra Donald Trump

A Casa Branca informou esta terça-feira o Congresso dos Estados Unidos que se recusa a participar no inquérito em curso para um eventual processo de destituição do Presidente Donald Trump.

Casa Branca recusa-se a participar em investigação para destituição de Trump

“Como não tem fundamento constitucional legítimo ou a menor aparência de imparcialidade (…), o poder executivo não pode ser obrigado a participar”, referiu Pat Cipollone, advogado e conselheiro da Casa Branca.
Recomendadas

Argentina prolonga até fim de agosto negociações com os credores

O governo argentino vai apresentar uma nova proposta aos credores para conseguir um acordo de reestruturação de 66 mil milhões de dólares de dívida.

Funchal apresenta “argumentos fortes” a Boris Johnson

Presidente da Câmara escreveu a PM britânico a sublinhar que a Madeira tomou “todas as medidas necessárias” para garantir aos turistas “férias seguras”, enquanto desfrutam de “clima temperado”.

Premium“Presidente sérvio deve ir quanto antes a Bruxelas”

Aumento do poder do Partido Progressista traz de volta o temor da escalada de violência, que nos Balcãs precisa de quase nada para acontecer.
Comentários