Nova Iorque, Paris e agora Lisboa. Americana Dashlane chega a Portugal

“Portugal tem uma incrível pool de talentos tecnológicos”, disse ao Jornal Económico Ryan Merchant, senior manager da empresa norte-americana que se dedica a gerir passwords de utilizadores domésticos e organizações.

A empresa norte-americana que promete pôr fim aos cadernos e post-its com a listas de passwords que utilizamos chegou esta semana a Portugal, com objetivos de crescer no mercado nacional a nível de clientes e de colaboradores. Com escritórios no Flatiron District, em Nova Iorque, e no bairro parisiense de Montmartre, a Dashlane aterrou agora no Atrium Saldanha, em Lisboa.

“O nosso principal objetivo é contratar os melhores talentos para trabalhar na Dashlane. Portugal tem uma incrível pool de talentos tecnológicos e a nossa missão é construir a equipa de Lisboa com funcionários de topo mundial. Estamos entusiasmados por juntar ainda mais pessoas altamente qualificadas e motivadas à nossa equipa”, disse ao Jornal Económico Ryan Merchant, senior manager.

As portas do escritório de Lisboa abriram no início desta semana como veículo de crescimento mundial da Dashlane, face à popularidade que a plataforma está a ganhar no país. A app conta atualmente com 10 milhões de utilizadores em 180 países, 200 mil dos quais são portugueses. “Vimos o crescimento dos nossos utilizadores em Portugal aumentar 20% em comparação com o ano passado. Quatro dos cinco maiores meses em termos de downloads em Portugal aconteceram este ano. É um feito incrível que esperamos continuar em 2019 e depois”, explicou Ryan Merchant, que coordena a área de Marketing a partir do escritório dos Estados Unidos.

O porta-voz da empresa nova-iorquina espera continuar a ganhar adeptos no mercado português, e que esse volume tenha impacto no crescimento dos negócios da gestora de passwords. É nessa ótica que a Dashlane prevê contratar, pelo menos, 40 novos trabalhadores – sobretudo para reforçarem os departamentos de Produto, Engenharia e Apoio ao Cliente – para o novo espaço na capital portuguesa nos próximos 18 meses. O processo de recrutamento já começou há alguns meses e, segundo a empresa, existe vaga para Training and Quality Specialist – User Support.

A apenas um mês da cimeira tecnológica Web Summit, o anúncio da chegada da Dashlane a solo português coincide também a confirmação da presença do seu CEO, Emmanuel Schalit, CEO, no palco “Growth Stage” da Altice Arena. O número um da gestora de passwords discursa no dia 6 de novembro. “Será a terceira vez que discurso na Web Summit e estou muito feliz de o fazer novamente no momento de expansão da Dashlane Lisboa. É o momento perfeito, uma vez que pretendemos contratar talentos de diversas áreas para a nossa equipa global em expansão”, disse Emmanuel Schalit.

A Dashlane tem um pacote gratuito, que permite gerir até 50 senhas e preencher automaticamente informações pessoais num dispositivo, e um Premium (com um custo mensal de 3,33 euros) para passwords e dispositivos ilimitados, monitorização de endereços potencialmente nocivos e VPN segura.

Ler mais
Relacionadas
Password

Quer criar uma password forte e memorável? Esta é a melhor forma

Na semana em que se comemorou o dia internacional da password, aqui ficam alguns conselhos para ter uma password segura e memorável.
Recomendadas

Governos ignoraram alerta do ROC sobre risco de “fraudes” na Caixa

BdP, banco e tutela não deram a devida atenção a alerta, em 2007, para o risco de“fraudes e erros” sem serem detectados devido a “limitações” no controlo interno em áreas como a concessão de crédito.

Dono da Toys “R” Us Iberia quer entrar na bolsa de Paris

A portuguesa Green Swan, do investidor Paulo Andrez, é um dos principais ‘players’ do mercado europeu de brinquedos e, em 2018, faturou uma média de um milhão de euros por dia. Se atingir os 500 milhões anuais tenciona entrar na bolsa de Paris.

Calçado vegan? Sim, também já há

Uma empresa da Póvoa de Lanhoso considera que nem mesmo uma indústria tradicional como o calçado precisa de recorrer a produtos que, do ponte de vista da sustentabilidade, não fazem sentido.
Comentários