PremiumNove startups na Madeira à procura de uma poção mágica para crescer

O Madeira Startup Retreat junta nove startups num programa de mentoria para acelerar o crescimento. Vêm da Índia, Lituânia, Finlândia, Estados Unidos, Brasil, Polónia, Portugal, Espanha e Reino Unido.

Enquanto uns preparam viagens-surpresa, outros dão pontuação às cidades de acordo com a vista, o ruído e a poluição do ar. Ainda há alguns a partilharem com os amigos gostos e recomendações de cada cidade que visitaram e outros que dizem o sítio ideal para abrir uma loja ou um restaurante.

Há quem vá à rua atender uma chamada, outros conversam no meio de tudo e de nada com quem está do outro lado da tela e tiram-se apontamentos num bloco de notas virtual. Ouvem-se muitas línguas quando cada um está no seu posto, mas o inglês quer fazer-se ouvir para que todos possam compreender. É um inglês de sotaque venezuelano, indiano, finlandês, e até mesmo português, que explica ao mentor do dia em que consiste a sua startup, o modelo de negócio e a maior dor neste caminho do faz e desfaz para tentar adaptar um produto ao mercado.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumRui Barros: “Estamos a assistir a uma nova tendência: hiperpersonalização”

O responsável da Accenture Technology explica como as novas tecnologias estão a alterar a forma como vivemos e quais as grandes tendências a nível mundial.

PremiumJorge Pavão de Sousa, Eleven Sports: “Todas as operadoras estão em pé de igualdade”

Em entrevista ao JE, o diretor-geral da Eleven Sports Portugal revelou que as decisões iniciais da distribuidora não terão sido as mais acertadas na abordagem ao mercado nacional. Mas desde dia 12 de fevereiro “todas estão em pé de igualdade”. As negociações com as operadoras levaram meses, sendo mesmo necessária a intervenção direta do proprietário da empresa, Andrea Radrizzani.

Premium“A caminho dos 40 é que vou tirar um curso novo?”, diz professora desempregada

Uma professora, após oito anos a contratos, fica sem colocação. Um artista nada recebe pelas exposições que realiza e um estivador nunca sabe se amanhã há o que fazer. Três casos entre 8,9% dos madeirenses.
Comentários