Novo aeroporto do Montijo será solução só para seis anos, e não 40, diz professor do Técnico

O alerta é o professor do Instituto Superior Técnico, Mário Lopes, que fala em “falta de transparência” por parte da ANA – Aeroportos de Portugal e sustenta que “não há estudos públicos e escrutináveis que sustentem a opção pelo Montijo”.

A construção do novo aeroporto no Montijo para dar resposta à saturação das operações no aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, pode ser solução para durar apenas entre seis a oito anos e não quarenta como tem sido avançado, segundo Mário Lopes, professor do Instituto Superior Técnico.

Os dados avançados pelo presidente da ANA – Aeroportos de Portugal, Jorge Ponce de Leão, “não batem certo” e o processo está envolvido numa “grande falta de transparência”, disse Mário Lopes, citado pelo Dinheiro Vivo, durante a I Convenção Nacional dos Serviços de Transporte, promovida pelo Fórum dos Serviços,

O professor do Técnico defendeu que se o tráfego aéreo do Aeroporto de Lisboa continuar a crescer ao ritmo cima dos 10%, como se tem vindo a verificar, o mais provável é que a opção de reforço no Montijo não chegue sequer a durar um quarto do tempo que Jorge Ponce de Leão tem vindo a referir.

“Se a procura continuar a crescer assim, com o aumento do número de movimentos, dá para seis anos. E se o número de passageiros aumentar 123% para 50 milhões ao ano, como refere o presidente da ANA, dá para oito anos”, explicou.

O professor universitário alerta que “além da falta de transparência do processo, os números não batem certo” e “não há estudos públicos e escrutináveis que sustentem a opção pelo Montijo”.

Para Mário Lopes, a melhor solução para garantir o bom funcionamento das operações passaria por construir um novo aeroporto, uma vez que todo o dinheiro gasto até agora em remodelações na Portela “é essencialmente um desperdício de recursos” e os problemas voltarão a surgir a longo prazo.

Recomendadas

Banco italiano Intesa Sanpaolo sobe lucros para 3.023 milhões no primeiro semestre

As receitas ascenderam a 10.674 milhões de euros, mais 1,7% em comparação com os 10.494 milhões de euros obtidos no primeiro semestre de 2020, e os custos foram de 5.255 milhões de euros, menos 2,7%

Banco Angolano de Investimentos aliena participações sociais na Griner e Novinvest por 13 milhões

Estas operações inserem-se na estratégia de separação de atividade financeiras e não financeiras do grupo BAI, permitindo, simultaneamente, a criação e desenvolvimento de grupos não financeiros angolanos que contribuam para o crescimento do país.

Lucro da General Motors ascende a 2,365 mil milhões de euros no segundo trimestre

A fabricante automóvel norte-americana está a recuperar apesar dos efeitos da pandemia e da escassez de semicondutores. Os números são positivos, mas CEO da General Motors, Mary Barra, continua a contar com o impactos negativos ao longo do ano, sobretudo no fornecimento de ‘chips’.
Comentários