Novo Banco com prejuízos de 788,3 milhões de euros

Resultado operacional positivo de 386,6 milhões de euros é a bandeira de António Ramalho para o ano de 2016. O crédito malparado desceu mil milhões de euros.

O banco liderado por Antonio Ramalho registou um prejuízo de 788,3 milhões de euros, melhor do que no ano passado (em 15%) em que foram registados 929,5 milhões de euros de perdas. Estes prejuízos resultam de imparidades e provisões no valor de 1,37 mil milhões de euros, o que compara com 1,06 mil milhões em 2015. As imparidades para crédito somam 672,6 milhões. “Este é um passo na direção da solidez do banco. Não nos podemos esquecer que a nossa maior assembleia geral são os nossos clientes”, disse o presidente do Novo Banco.

O resultado de 2016 foi condicionado por fatores não recorrentes: “negativamente pelas provisões, nomeadamente para reestruturação e para o goodwill da atividade seguradora e positivamente pelos ganhos registados com as alterações decorrentes da entrada em vigor do novo Acordo Coletivo de Trabalho do Setor Bancário
(ACT) e na operação de fusão da VISA Europe na VISA Inc. (EUA)”, revelou o banco.

António Ramalho salientou a subida do resultado operacional de 386,6 milhões, mais 209% do que em 2015. Isto à custa do aumento do produto bancário de 11% e redução de custos operacionais de 21,7%.

“Pela primeira vez tivemos uma redução do crédito malparado (NPL) de mil milhões de euros de 12,3 mil milhões para 11,3 mil milhões de euros”, anunciou o presidente do banco. Vamos na direção correta”, diz ainda Ramalho que salienta que pela primeira vez, desde 2014, as contas não têm reservas dos auditores.  No ano passado, a PwC alertava para os riscos da exposição a Angola.

O custo do risco de crédito fixou-se nos 1,99%. Destes, 50 a 60 pontos base são imparidades correntes, o resto são imparidades resultantes do legado que veio do BES.

“Os objectivos da reestruturação foram amplamente cumpridos”, diz António Ramalho. Isto é, reduzir balcões para 537 face a um objectivo de 550; e o banco tinha um número de colaboradores de 6.096 em dezembro, o que traduz uma redução de 1.312 face a novembro de 2015 (data de referência para efeitos dos compromissos assumidos com a DG Comp no âmbito do Plano de Reestruturação) em que o objetivo estabelecido de redução de era de 1.000 a 31 de dezembro de 2016.

“Descemos o número de balcões para 537 quando o compromisso era de 550″.

“Cumprir as exigências de um banco de transição assegura que o Novo Banco poderá assegurar o cumprimento rigoroso dos próximos compromissos”, realçou o banqueiro.

A redução dos custos operativos ultrapassou a meta estabelecida (-150 milhões a 31 de dezembro de 2016).

A redução dos custos operacionais de 204 milhões compara com o valor anualizado de novembro de 2015, e fica acima do compromisso de redução de 150 milhões.

Os custos com pessoal totalizaram 303,5 milhões (-23,7% em relação a 2015), para o que contribuiu a redução, face a 31 de dezembro de 2015, de 1.215 colaboradores (dos quais 176 relativos a atividades em descontinuação).

O rácio de CET 1 (capital) fixou-se em 12% (pior que em 2015 que foi de 13,5%).

O Liquidity Coverage Ratio (LCR) passou de 77% para 107% num ano.

Em termos de negócio deu-se uma redução do crédito, especialmente na carteira internacional, em 3,7 mil milhões fixando-se em 33,8 mil milhões com uma atenuação desta redução ao longo do ano.

Os depósitos totais atingiram 25,6 mil milhões com estabilização a partir de março e houve um crescimento de 900 milhões no quarto trimestre.

Em termos de produto bancário o resultado financeiro cresceu 14,2% com um menor nível de anulação de juros vencidos e beneficiando da redução do custo dos passivos de 54 pontos base.

Na perspetiva do presidente do banco, é evidente “o bom comportamento do resultado financeiro”. António Ramalho sublinhou que o Novo Banco assinalou 112 milhões ganhos em operações financeiras e que uma das intenções da entidade bancária era a de terminar as contas com uma redução nas reservas.

O produto bancário de 977,5 milhões  (+11,1%) com contribuição do aumento do resultado financeiro  (14,2%) e resultados de trading (25,2%).

A subida da margem foi contrabalançada com a queda das comissões de 22,1%. Isto reflete por um lado, as dificuldades de desalavancagem no setor privado (famílias e
empresas) e por outro, os resultados da reconfiguração do perímetro do Grupo com redução do volume de atividade e do perfil de risco do negócio em alguns setores e regiões.

Os serviços a clientes incluem o efeito negativo de 32,9 milhões de comissões pagas pelo Novo Banco no âmbito das suas emissões de dívida garantidas pelo Estado Português (34,4 milhões em 2015).

 

Ler mais
Relacionadas

António Ramalho: “Investidores vão ser convidados a trocar dívida por títulos mais seguros”

O montante de obrigações soma 3,2 mil milhões, das quais 1,7 mil milhões de prazos mais curtos.

Centeno: “Novo Banco tem 1.000 a 1.200 milhões para absorver perdas antes do FR”

O ministro das Finanças diz que a renegociação do empréstimo ao Fundo de Resolução garante o reembolso.
Recomendadas

BPI suspende dividendos de 13 milhões até outubro

“Perante as circunstâncias atuais o Banco BPI e o CaixaBank decidiram suspender o pagamento do referido dividendo, o qual apenas terá lugar em outubro de 2021”, lê-se no comunicado.

PremiumBanco de Portugal admite não recorrer da decisão judicial no Banco Montepio

A sentença do recurso que o Banco Montepio e sete ex-administradores interpuseram às coimas aplicadas em 2019 pelo Banco de Portugal, agradou a gregos e a troianos, ao supervisor e arguidos.

Presidente do BPI diz que é preciso “encontrar soluções para moratórias agora, não em setembro”

O presidente do BPI diz encarar com “estranheza” o interesse do Novo Banco no Eurobic e defende que “não devíamos falar em setembro, mas sim agora” sobre o tema das moratórias.
Comentários