Novo Banco confirma que a venda da carteira de malparado Nata II foi autorizada pelo Fundo de Resolução

O banco confirma assim a notícia avançada hoje pelo Jornal Económico. O Novo Banco já registou nas contas a venda da carteira de malparado ao fundo Davidson Kempner.

Cristina Bernardo

O Novo Banco confirma a notícia que foi hoje divulgada pelo Jornal Económico e pelo Jornal de Negócios de que “recebeu autorização do Fundo de Resolução para a concretização da operação de venda de uma carteira de créditos denominada Nata II, utilizando, no entanto, a prerrogativa negociada pelo Banco para excluir alguns créditos da carteira inicial”.

“Os casos retirados continuarão a ser seguidos pelas equipas de recuperação do Novo Banco, com implementação de estratégias alternativas de recuperação, por via negocial ou judicial, que maximizem o valor recuperado dos ativos”, diz o banco em comunicado.

Os efeitos financeiros da venda, em termos de resultados, foram registados nas contas de setembro.

O Novo Banco vendeu esta carteira de malparado ao fundo Davidson Kempner.

A concretização da operação Nata II permite que, pela primeira vez na sua história, o rácio de NPL do Novo Banco possa descer para menos de 15%, reforça a instituição

O valor bruto contabilístico da carteira Nata II foi, assim, de 1.365 milhões, sendo em 2019 uma das cinco maiores operações semelhantes concretizadas com sucesso na península ibérica, diz o NB.

Recorde-se que desde o início do processo, o NB já tinha retirado 10 grupos devedores da carteira de créditos por terem sido encontrados soluções de venda ou reestruturações individuais mais vantajosas.

Ler mais
Recomendadas

Margarida Corrêa de Aguiar: “Os PPR Pan-Europeus serão o novo produto de poupança”

“A menor generosidade dos incentivos, a queda da taxa de poupança e a ausência de oferta estruturada de poupança” explica a reduzida penetração de produtos de seguros nas poupanças das famílias, explicou a presidente da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões.

Fitch: Economia adversa e taxas de juro baixas pressionam os bancos da Europa Ocidental

A maioria dos ratings dos bancos da Europa Ocidental está no ‘Stable Outlook’, e a evolução para “perspetivas negativas” reflete principalmente um maior risco para os ratings devido à pressão sobre os resultados ou modelos de negócios.

Moody’s altera perspetiva dos ratings da banca para negativa e alerta para novos riscos

A perspectiva da Moody’s para os bancos globais em 2020 é negativa. “A desaceleração do crescimento económico, baixas taxas de juros e condições operacionais mais voláteis aumentarão os desafios para os bancos”, diz a agência de rating que alerta para riscos de nova escalada de liquidações de bancos.
Comentários