Novo Banco confirma que a venda da carteira de malparado Nata II foi autorizada pelo Fundo de Resolução

O banco confirma assim a notícia avançada hoje pelo Jornal Económico. O Novo Banco já registou nas contas a venda da carteira de malparado ao fundo Davidson Kempner.

Cristina Bernardo

O Novo Banco confirma a notícia que foi hoje divulgada pelo Jornal Económico e pelo Jornal de Negócios de que “recebeu autorização do Fundo de Resolução para a concretização da operação de venda de uma carteira de créditos denominada Nata II, utilizando, no entanto, a prerrogativa negociada pelo Banco para excluir alguns créditos da carteira inicial”.

“Os casos retirados continuarão a ser seguidos pelas equipas de recuperação do Novo Banco, com implementação de estratégias alternativas de recuperação, por via negocial ou judicial, que maximizem o valor recuperado dos ativos”, diz o banco em comunicado.

Os efeitos financeiros da venda, em termos de resultados, foram registados nas contas de setembro.

O Novo Banco vendeu esta carteira de malparado ao fundo Davidson Kempner.

A concretização da operação Nata II permite que, pela primeira vez na sua história, o rácio de NPL do Novo Banco possa descer para menos de 15%, reforça a instituição

O valor bruto contabilístico da carteira Nata II foi, assim, de 1.365 milhões, sendo em 2019 uma das cinco maiores operações semelhantes concretizadas com sucesso na península ibérica, diz o NB.

Recorde-se que desde o início do processo, o NB já tinha retirado 10 grupos devedores da carteira de créditos por terem sido encontrados soluções de venda ou reestruturações individuais mais vantajosas.

Ler mais
Recomendadas

Procura de empréstimos pelas empresas “aumentou fortemente” no segundo trimestre

Conclusões do inquérito aos bancos sobre o mercado de crédito indica que em termos de oferta os critérios de concessão de crédito a empresas e particulares tornaram-se mais restritivos face ao trimestre anterior.

Santander lança cartão digital para pagamentos contactless, QR Code e transferências MB Way

“Nos pagamentos com o telemóvel, os clientes do Santander são dos poucos no mercado que, através da app do banco, já podem utilizar o seu telefone com sistema operativo Android para fazer compras contactless em qualquer parte do mundo”, refere o banco liderado por Pedro Castro e Almeida.

Salários da CGD aumentaram em 2019 com início de pagamento de bónus

Os salários da administração da CGD cresceram para 3,6 milhões de euros no ano passado, um aumento de 22,5% justificado com o início de um programa de pagamento de remunerações variáveis, que já estava previsto, revelou o banco.
Comentários