Novo Banco confirma venda do portefólio de malparado ‘Projecto Wilkinson’

A entidade liderada por António Ramalho confirmou a venda da carteira por 216,3 milhões de euros em ativos ao fundo Davidson Kempner, que desta forma vão provocar um impacto “marginalmente positivo” nas contas.

Cristina Bernardo

O Novo Banco (NB) confirmou a venda do portefólio de malparado denominado por “Projeto Wilkinson”, no valor de 216,3 milhões de euros em ativos ao fundo Davidson Kempner, informou a entidade bancária em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) este sábado, 6 de março.

“A concretização da operação, nos termos acordados, deverá ter um impacto direto neutral a marginalmente positivo na demonstração de resultados e no capital do Novo Banco em 2021”, pode ler-se no documento.

Na sexta-feira, a agência “Bloomberg” já havia anunciado que a sociedade gestora Davidson Kempner Capital Management tinha ganho o concurso para a compra deste portefólio de NPL (Non Performing Loans).

Tal como noticiado pelo Jornal Económico, em outubro de 2020, o ‘Projeto Wilkinson’, é um portefólio de crédito malparado com um montante ligeiramente acima dos 200 milhões de euros, e é composto por dívidas em incumprimento de grandes devedores (conhecida na gíria bancária por “single names”).

São essencialmente de créditos incobráveis que não estão cobertos pelo Mecanismo de Capitalização Contingente (CCA) do Fundo de Resolução.

O Projeto Wilkinson deve o seu nome ao jogador inglês Jonny (Jonathan) Wilkinson, que foi decisivo para a Inglaterra vencer o campeonato do mundo de rugby de 2003.

A venda de carteiras de malparado a fundos especializados é uma forma de reduzir de forma mais rápida o stock de malparado e desta forma reduzir os rácios de NPL ou NPE (Non Performing Exposure).

O Novo Banco tinha acordado com Bruxelas, em 2017, reduzir substancialmente o stock de crédito improdutivo.

Esta ano, como a chamada de capital ao Fundo de Resolução tem um tecto político de 480 milhões de euros, o banco tenta constituir menos imparidades para activos cobertos pelos mecanismo de capitalização contingente (CCA) – razão pela qual os créditos que compõem o “Wilkinson”, não estão cobertos pelo CCA.

O Novo Banco teria de constituir todas as imparidades para os ativos cobertos pelo Mecanismo de Capitalização Contingente este ano, mas o teto  de 480 milhões poderá levar a alterações dos planos e compromissos assumidos.

Ler mais
Recomendadas

Novo Banco: Avaliadores não veem razões para mudanças de valores de imóveis em seis meses

O responsável, ouvido esta quinta-feira na audição do presidente da ANAI Ramiro Teixeira Gomes na Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução, referia-se a “perdas de imparidades de uma instituição financeira, neste caso o Novo Banco, por via de ativos” imobiliários.

Cavaco lamenta “interpretações abusivas” acerca de declarações sobre BES

O antigo Presidente da República classificou de “intuitos pouco honestos” as declarações de quem fez “interpretações abusivas” das suas palavras sobre o BES antes da resolução, “chegando ao ponto de afirmar” que “tinha incentivado as aplicações em instrumentos financeiros do BES ou do respetivo grupo não financeiro”.

Novo Banco: Luís Filipe Vieira pede adiamento de audição devido a consulta médica

De acordo com o presidente da Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução, Fernando Negrão (PSD), Luís Filipe Vieira “pediu que a audição fosse adiada para uma data posterior a uma consulta que tem”.
Comentários