Novo Banco: Estado terá poder de veto em vendas de ativos

Executivo acordou com a Europa a criação de um órgão que reporte ao Fundo de Resolução informações acerca da gestão do banco.

Cristina Bernardo

O Estado português vai ter poder de veto nas vendas de ativos do Novo Banco, noticia a TSF.

O Executivo acordou com a Europa a criação de um órgão que reporte ao Fundo de Resolução informações acerca da gestão do banco, pelo que, a Lone Star precisará de autorização do órgão criado para o propósito para venda de ativos do Novo Banco.

Ao Estado foi atribuída uma espécie de ‘veto dourado’ dirigido especificamente para vendas de ativos. Qualquer venda de ativos de um portefólio de desinvestimento, ou “side bank”, terá de receber o aval do Fundo de Resolução, que conta com um representante do Banco de Portugal e dois do ministério das Finanças.

Inserido no “side bank”, estão ativos “não core” considerados problemáticos, por exemplo, a seguradora GNB Vida, participações em empresas não financeiras, operações fora de Portugal (exceto Espanha), e património imobiliário.

Uma solução que surge no seguimento da decisão de Bruxelas de proibir o Estado de ficar com poderes de gestão no Novo Banco. A TSF avança ainda que, as negociações para a venda da instituição não estão concluídas.

Recomendadas

Commerzbank agrava prejuízos para 394 milhões de euros no primeiro semestre

O Commerzbank, segundo maior banco comercial privado da Alemanha, informou que as receitas totais melhoraram no primeiro semestre para 4.353 milhões de euros (+5,5%).

Novo Banco, BCP, Caixa Geral de Depósitos e Santander recusaram apoio à Dielmar (com áudio)

A administração da Dielmar fez saber a 2 de agosto que pediu a insolvência da empresa de vestuário, ao fim de 56 anos de atividade. A decisão foi justificada com os efeitos da pandemia. Mas antes a empresa procurou ajuda junto da banca nacional, que recusou ajudar por falta de garantias.

HSBC mais do que triplica lucros para 6.129 milhões de euros no primeiro semestre

Na apresentação de resultados que o grupo remeteu à bolsa de Hong Kong, onde está cotado, o presidente executivo, Noel Quinn, afirmou que os resultados refletem que se “regressou ao crescimento” nos principais mercados do banco.
Comentários