Novo Banco lança “Projeto Sertorius” para a venda de imóveis no valor de 500 milhões

O banco liderado por António Ramalho enviou aos investidores o anúncio da alienação de um novo portefólio de imóveis. A meta é fechar a venda até ao fim de junho.

Cristina Bernardo

O Novo Banco enviou aos investidores o anúncio de lançamento de um novo portefólio composto por 200 ativos imobiliários e com o valor contabilístico bruto de 500 milhões de euros, noticia o Jornal Económico na última edição (esta quinta-feira nas bancas).

A carteira consiste principalmente (cerca de dois terços) em terrenos não edificados e alguns ativos imobiliários industriais, mas há também alguns imóveis residenciais e comerciais. De acordo com a informação transmitida por uma fonte ao semanário, a maioria dos imóveis em causa estão concentrados nos distritos de Lisboa e Setúbal.

Esta venda, que é a segunda relativa a incumprimento de crédito, chama-se Projeto Sertorius, por referência ao general rebelde romano Táutalo Sertório que, depois do general lusitano Viriato ter sido assassinado por traição, liderou o exército dos lusitanos contra Roma no século I A.C.

A PwC está a assessorar o Novo Banco nesta operação.

Recomendadas

871 mil milhões de euros. Portugal é o terceiro país da UE que deu mais moratórias

A Autoridade Bancária Europeia alertou para o “inevitável” aumento do malparado na Europa por causa da Covid-19. Banca portuguesa terá de saber lidar com o problema em momentos diferentes porque a maturidade do crédito abrangido por moratórias tem maturidades distintas.

Crédit Agricole quer ser o sétimo banco em Itália e lança OPA sobre Credito Valtellinese

O Crédit Agricole Italia, controlado pelo Crédit Agricole, lançou uma oferta pública de aquisição sobre a totalidade do capital italiano Credito Valtellinese, no valor de 737 milhões de euros. Tornar-se-á no sétimo maior banco em Itália por ativos.

Seguradoras com agravamento significativo do custo dos sinistros por causa da Covid

A APS destaca ainda a redução da produção de seguros, em especial no ramo Vida que atinge mais de 40%, salientando que esta é “uma tendência global, que começa a evidenciar-se a nível nacional, um cenário que deverá agravar-se ao longo do próximo ano”.
Comentários