Novo Banco pede falência de empresa de Moniz da Maia por dívida de 375 milhões de euros

No pedido de insolvência da empresa, o banco invoca dívidas no total de 16,5 milhões de euros respetivos a um crédito concedido diretamente à empresa de Bernardo Moniz da Maia em 2009 e 358,3 milhões de euros relativos a um contrato de financiamento celebrados entre o BES e a Sogema Investments Limited, segundo o JN.

O Novo Banco pediu a declaração de insolvência da empresa Totalpart, uma sociedade que gere outras unidades do grupo Moniz da Maia, avança o ‘Jornal de Notícias’ esta quarta-feira, 29 de janeiro. Este pedido tem como objetivo a recuperação de quase 375 milhões de euros, relativos a empréstimos concedidos em 2009 e 2011, ainda pelo BES.

A ação vai ser julgada no Tribunal de Comércio de Lisboa, mas como o património do grupo foi dissipado, apenas os terrenos detidos em Benavente devem ser recuperados. No pedido de insolvência da empresa, o banco invoca dívidas no total de 16,5 milhões de euros respetivos a um crédito concedido diretamente à empresa de Bernardo Moniz da Maia em 2009 e 358,3 milhões de euros relativos a um contrato de financiamento celebrados entre o BES e a Sogema Investments Limited, sociedade gestora de participações em negócios da família do empresário.

No maior contrato, a Totalpart autorizou uma livrança em branco subscrita pela Sogema e constitui penhor sobre ações de quatro empresas do mesmo grupo: perto de três milhões de ações da metalúrgica Mague, 2.100 ações da Yser Green Energy, 2.100 ações da Klón Innovative Techonologies From Cloning e 2.100 da Goodryser Forest Management.

De acordo com a publicação, a Sogema nunca cumpriu as obrigações de pagamento do capital e juros relativos ao contrato ‘Long Term Loan Agreement’, mas só em 2018 é que o Novo Banco remeteu uma carta à empresa a declarar o vencimento “de todas as obrigações emergentes do referido contrato”. Mais tarde, já em 2019, a entidade bancária liderada por António Ramalho executou penhora de um saldo de 3,4 milhões de euros, ficando um valor muito superior ainda por saldar.

Recomendadas

Avaliação da ‘performance’ de uma estratégia de investimento

O retorno de uma estratégia de investimento tem sempre de ser ajustado ao risco incorrido. Esta é a primeira consideração de uma avaliação.

Do ministério das Finanças para governador do Banco de Portugal? “Já houve três precedentes, todos do PSD”

As passagens diretas entre o Terreiro do Paço e o supervisor bancário aconteceram durante os governos de Cavaco Silva, recordou Marques Mendes que garante que Mário Centeno vai assumir o cargo de governador ainda este ano. Dos três nomeados, apenas Miguel Beleza era ministro.

PremiumMargarida Marques: “A última coisa que queremos é um conflito institucional”

Correlatora para o Quadro Financeiro Plurianual 2021-2027 diz que o Parlamento Europeu não terá problemas em rejeitar proposta do Conselho Europeu, mas espera avanços após cimeira extraordinária.
Comentários