Novo Banco perdeu 329 milhões de euros em venda de ativos imobiliários

Os indícios de conflito de interesse e de eventuais decisões ruinosas no Novo Banco deram origem a uma queixa reportada à ESMA, Autoridade Europeia de Mercados e Títulos, revela o jornal “Público”.

O Novo Banco vendeu um lote de quase 200 imóveis, com um desconto próximo de 70%, a entidades ligadas ao fundo norte-americano Cerberus, em agosto do ano passado, e esta operação terá costado à entidade bancária 328,8 milhões de euros, de acordo com a notícia avançada pelo “Público” na edição desta quarta-feira.

Segundo o jornal, há outro problema: o fundo Cerberus é o principal acionista do banco austríaco BAGAW P.S.K. que foi gerido por Byron Haines até este assumir o cargo, em 2017, de chairman no Novo Banco. A transação do “Project Sertorius” tal como foi batizado pelo Novo Banco foi concretizada por 159 milhões de euros, correspondendo a um desconto de quase 70% face ao respetivo valor contabilístico de 487,8 milhões de euros.

Os indícios de conflito de interesse e de eventuais decisões ruinosas no Novo Banco deram origem a uma queixa reportada à Autoridade Europeia de Mercados e Títulos (ESMA). A reclamação exige que se apure se “pessoas politicamente expostas” estiveram envolvidas na transação, adianta a mesma publicação.

Recomendadas

“Caixa opera com margens de 1% a 2% contra 15% do gel desinfetante”, diz Paulo Macedo

O presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos considera que o banco público está apto para financiar pequenas, médias ou grande empresas. “Ao longo dos últimos anos, a Caixa e os seus trabalhadores trabalharam para dobrar o nosso Bojador”, afirmou.

Montepio Crédito expande crédito ao consumo na plataforma digital

O Montepio Crédito reforçou a sua aposta no digital e lançou o crédito para aquisição de material escolar e informático na sua plataforma mycreditech, numa altura em que as aulas por meios digitais ganharam relevância.
antónio_costa_silva_partex_4

Chairman da CGD elogia Costa e Silva: “Assumiu sozinho um trabalho para o qual qualquer outra pessoa teria pedido orçamentos”

Emílio Rui Vilar, presidente do conselho de administração da Caixa Geral de Depósitos, referiu que o conselheiro do Governo é “muito mais que um académico e gestor”. “Creio que a qualidade do seu trabalho merece uma sequência”, avisou.
Comentários