Novo Banco tem 3.830 imóveis para vender por menos 430 milhões de euros que o seu valor bruto

Tratam-se de imóveis que o banco recebeu de clientes que não conseguiram reembolsar os seus créditos. O presidente executivo do Novo Banco, António Ramalho, considera que todos se destinam à venda.

O Novo Banco tem 3.830 imóveis para vender, por menos 430 milhões de euros que o seu valor bruto, avança uma notícia do Expresso. “Este conjunto de imóveis está registado por um valor bruto em torno de mil milhões, mas o banco já foi reconhecendo antecipadamente perdas, por via de imparidades, para 430 milhões. O justo valor destes ativos está em torno de 550 milhões”, refere o semanário.

Tratam-se de imóveis que o banco recebeu de clientes que não conseguiram reembolsar os seus créditos e todos destinam-se à venda. A Procuradoria-Geral da República está a avaliar o pedido do Primeiro-Ministro, que pretende impedir que haja alienações de carteiras até que sejam esclarecidos os contornos das vendas de pacotes de imóveis que aconteceram durante os últimos dois anos, e que causaram perdas diretas de 388 milhões de euros.

O banco tinha estes imóveis registados como disponíveis para alienação no fim do ano, sendo a maioria edifícios construídos para habitação, mas havendo também uma parcela relevante de terrenos.

 

Recomendadas

Programa Edifícios Mais Sustentáveis: “uma oportunidade com algum risco”, alerta Deco

Há um novo apoio para quem quer fazer obras ou comprar equipamentos para melhorar a eficiência energética em casa. Com uma dotação de 4,5 milhões de euros para 2020 e 2021, Programa de Apoio a Edifícios mais Sustentáveis” já atingiu um milhão de euros em pagamentos em 521 candidaturas validadas. Mas o reembolso não é garantido, alerta a Deco.

AEP critica novas medidas de confinamento

A Associação Empresarial de Portugal diz que “estamos perante um combate com impactos cada vez mais assimétricos”, que só vai ser agravado “com o ónus de dispensar os seus trabalhadores nos dias 30 de novembro e 7 de dezembro”.

Covid-19: Federação intersindical alerta para perda de “muitos postos de trabalho” na informação médica

O aumento do recurso a meios digitais na visitação de hospitais por profissionais da indústria farmacêutica pode levar “à perda de muitos postos de trabalho”, alerta a Fiequimetal, numa reunião com a Associação Portuguesa dos Administradores Hospitalares (APAH), que, diz Federação Intersindical, partilha esta preocupação.
Comentários