Novo Banco vai pedir ao Fundo de Resolução valor recorde superior a mil milhões de euros

O dinheiro vai servir para o banco repor os seus rácios de capital, com esta injeção a ser anunciada em março. Valor supera os 850 milhões previstos pelo Ministério das Finanças.

Cristina Bernardo

O Novo Banco prepara-se para pedir ao Fundo de Resolução um valor recorde para repor os seus rácios de capital: mais de mil milhões de euros.

Este valor supera assim os 850 milhões de euros que o Ministério das Finanças inscreveu no Orçamento do Estado para 2019 como teto máximo de empréstimo ao Fundo de Resolução.

Segundo diversas fontes próximas ao processo, o Novo Banco tem necessidade de acelerar a redução do rácio de NPL (non-performing loans, crédito não produtivo).

Esta notícia pode ser lida na edição semanal do Jornal Económico, esta sexta-feira nas bancas.

Com esta nova injeção, eleva-se para mis de 1,8 mil milhões de euros o montante do mecanismo de capital contingente usado pelo Novo Banco.

A injeção de capital no banco ldierado por António Ramalho vai ser anunciada em março.

Ler mais
Relacionadas

PremiumNovo Banco vai pedir ao Fundo de Resolução mais de 1.000 milhões de euros

Novo Banco vai pedir valor recorde ao Fundo de Resolução para repor os seus rácios de capital. Injeção de capital será anunciada em março.
Recomendadas

Caixa Geral está a vender Mercedes para atingir metas da recapitalização

Campanha de crédito “imbatível” está a chegar por email a clientes. Banco justifica com metas “extremamente exigentes”. E diz que não está a promover o endividamento, pois clientes acederiam na mesma a outras opções de financiamento do mercado.

PremiumCTT injetam 100 milhões no banco para comprar 321 Crédito

BCE autorizou aquisição porque os CTT garantiram aumento de capital. Na AG, 44% do capital presente, incluindo o maior acionista Champalimaud, recusou menção de louvor à gestão de Lacerda.

PremiumCGD está a vender Mercedes para atingir metas da recapitalização

Campanha de crédito “imbatível” está a chegar por email a clientes. Banco justifica com metas “extremamente exigentes”. E diz que não está a promover o endividamento, pois clientes acederiam na mesma a outras opções de financiamento do mercado.
Comentários