PremiumNovo Banco vai pedir mais 700 milhões de euros ao Fundo de Resolução

Pedido ao Fundo de Resolução superior aos 600 milhões previstos no Programa de Estabilidade para 2020 visa reforçar os rácios de solidez financeira.

O banco liderado por António Ramalho prepara-se para pedir ao Fundo de Resolução um valor superior à necessidade inscrita pelo Governo no Programa de Estabilidade 2019-2023 que totaliza os 600 milhões de euros de empréstimo no próximo ano. O Jornal Económico sabe que o montante de compensação de capital estimado nas contas do terceiro trimestre do Novo Banco supera já 640 milhões de euros e que a nova chamada de capital deve ser superior a 700 milhões de euros.

Em causa está uma injeção que ocorre no âmbito do mecanismo de capital contingente que foi acordado aquando da venda de 75% do banco ao Lone Star e que obriga aquele fundo a injetar dinheiro no Novo Banco sempre que haja perdas na venda de um conjunto de ativos com impacto na estabilidade financeira do banco.

A informação foi confirmada ao Jornal Económico por diversas fontes próximas a este processo que dão conta da necessidade do Novo Banco acelerar a redução do rácio de NPL (non-performing loans, ou crédito não produtivo), estimando.se uma injeção de capital superior a 700 milhões de euros no próximo ano.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Regras da EBA sobre divulgação de malparado para bancos pequenos entram em vigor a 31 de dezembro

“O Conselho de Administração do Banco de Portugal aprovou a Instrução n.º 20/2019 que introduz no quadro normativo nacional as Orientações da Autoridade Bancária Europeia (EBA) sobre a divulgação de exposições não produtivas e exposições reestruturadas por parte das instituições de crédito menos significativas”, anuncia o supervisor bancário nacional.

PremiumAuditoria deverá deixar de fora venda da Tranquilidade por 40 milhões de euros

Apesar de o perímetro da auditoria da Deloitte ainda não estar concluído, o Jornal Económico sabe que a venda de ativos estará fora do âmbito da análise.

PremiumCaixa e Banco de Portugal dão 900 milhões de euros em dividendos ao Estado

A CGD vai pagar ao Estado 300 milhões de dividendos. Mais 100 milhões que compensarão a menor remuneração do BdP, que será cerca de 600 milhões.
Comentários