PremiumNovo Banco vai pedir mais 700 milhões de euros ao Fundo de Resolução

Pedido ao Fundo de Resolução superior aos 600 milhões previstos no Programa de Estabilidade para 2020 visa reforçar os rácios de solidez financeira.

O banco liderado por António Ramalho prepara-se para pedir ao Fundo de Resolução um valor superior à necessidade inscrita pelo Governo no Programa de Estabilidade 2019-2023 que totaliza os 600 milhões de euros de empréstimo no próximo ano. O Jornal Económico sabe que o montante de compensação de capital estimado nas contas do terceiro trimestre do Novo Banco supera já 640 milhões de euros e que a nova chamada de capital deve ser superior a 700 milhões de euros.

Em causa está uma injeção que ocorre no âmbito do mecanismo de capital contingente que foi acordado aquando da venda de 75% do banco ao Lone Star e que obriga aquele fundo a injetar dinheiro no Novo Banco sempre que haja perdas na venda de um conjunto de ativos com impacto na estabilidade financeira do banco.

A informação foi confirmada ao Jornal Económico por diversas fontes próximas a este processo que dão conta da necessidade do Novo Banco acelerar a redução do rácio de NPL (non-performing loans, ou crédito não produtivo), estimando.se uma injeção de capital superior a 700 milhões de euros no próximo ano.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Moody’s defende que BCE admite a criação de um ‘bad bank’ se o malparado disparar

A Moody’s dá nota positiva à criação de um ‘bad bank’ para absorver crédito malparado a nível europeu numa situação de prolongamento da crise e consequente aumento do volume de NPL (non-performing loans), que foi admitido pelo BCE.

PremiumAbanca decide até 31 de maio a compra do EuroBic

Preço final a pagar pelo Abanca pela compra do Eurobic continua a arrastar as negociações. Dia ‘D’ é 31 de maio, mas prazo poderá ser adiado.

Qual o futuro do dinheiro? Gerir, pagar e receber online, dizem especialistas

Se os cartões sem contacto já são uma realidade para muitos portugueses o mesmo não se pode dizer dos métodos de pagamento com dados biométricos ou através de acessórios, como anéis. No entanto, a pandemia veio mudar a visão dos mais céticos.
Comentários