PremiumNovo Banco vai pedir valor recorde ao Fundo de Resolução

O banco liderado por António Ramalho prepara-se para pedir ao Fundo de Resolução um valor que pode superar os 850 milhões de euros.

O Novo Banco prepara-se para pedir ao Fundo de Resolução um valor recorde por conta das necessidades de capital de 2018. O Jornal Económico sabe que o montante a receber em 2019, ao abrigo do mecanismo de capital contingente celebrado com o Fundo de Resolução, ultrapassa de certeza os 726,369 milhões de euros apurados no final de junho. E, segundo as nossas fontes, o valor pode mesmo ser superior aos 850 milhões de euros que o Ministério das Finanças inscreveu no Orçamento de Estado de 2019 como teto máximo do empréstimo ao Fundo de Resolução.

Este montante máximo de empréstimo do Estado ao Fundo de Resolução, definido no Orçamento de Estado deste ano, serve para completar fundos em falta para cumprir o compromisso assumido de injeção de capital, previsto no mecanismo de capital contingente. O Governo tem dito que “depois de aprovado o relatório e contas relativo ao exercício de 2018, o Novo Banco pode dirigir um pedido de pagamento ao Fundo de Resolução (FdR) ao abrigo do Acordo de Capitalização Contingente”.  Mas que depois caberá “ao FdR verificar se estão criadas as condições que determinam o referido pagamento e obter elementos para confirmar o valor em causa, através de contributos da Comissão de Acompanhamento do Novo Banco, do Agente de Verificação e, também, das análises do Banco de Portugal”.

O valor máximo que o Fundo de Resolução pode injetar em 2019, inclui as receitas próprias do Fundo, proveniente da contribuição sobre o setor bancário e do recebimento das contribuições diretas, periódicas e anuais.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Relacionadas

Ramalho escreve aos colaboradores a dizer que o rácio exigido pelo BCE ao Novo Banco foi maior que o esperado

António Ramalho diz ainda que “aprofundaremos o terceiro círculo de prioridades onde se desenha a diferenciação do Novo Banco e onde às propostas das unidades autónomas de Espanha, do Best, e da Gestão de Ativos se juntarão as novas unidades de Real Estate Financing e de Principal Lending que estão em fase de implementação”, anunciando assim novas áreas de negócio.

Novo Banco: 100 investidores pedem ao BdP solução que compense perdas de 19 milhões de euros

Estes investidores pedem uma solução a Carlos Costa, considerando que é “inaceitável” que esta não exista após três anos e muitas reuniões com várias entidades (Banco de Portugal, Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, grupos parlamentares e assessores do Presidente da República).
Recomendadas

Teixeira dos Santos: “Não tenho razões para me arrepender” da escolha de Carlos Santos Ferreira e Armando Vara

O Estado “nunca interferiu em qualquer operação” da Caixa Geral de Depósitos, garantiu ainda o ex-ministro das Finanças, na última comissão parlamentar de inquérito aos atos de gestão e recapitalização do banco público, que se realizou esta quarta-feira.

“Sem fundo de garantia de depósitos comum, união bancária é insuficiente”, afirma economista-chefe do FMI

Gita Ginopath, economista-chefe do Fundo Monetário Internacional, disse que o “próximo passo” para o reforço da união bancária passa pela construção do fundo de garantia de depósitos comum, elemento fundamental para o futuro da União Económica e Monetária. E, para a união dos mercados de capitais, defendeu a construção de “instituição central para instituições não financeiras”.

BCP vai integrar o seu banco de crédito hipotecário

A operação de integração do BII no BCP é para ser feita até ao fim do ano.
Comentários