PremiumNovo Banco vende mil milhões de malparado da Sogema e Ongoing

Os dois maiores devedores incluídos no pacote de créditos incobráveis que o Novo Banco pôs à venda com o nome de Nata 2, são a Sogema (540 milhões) e a Ongoing (590 milhões).

Na lista de créditos incobráveis que estão englobados no Projecto Nata 2, que o Novo Banco pôs à venda no início de março, estão os créditos da Sogema, de Bernardo Moniz da Maia, e da Ongoing, de Nuno Vasconcellos. Segundo apurou o Jornal Económico, o crédito malparado da Sogema tem o valor indicativo de 540 milhões de euros (o que incluirá juros) e os créditos da Ongoing, de Nuno Vasconcellos e Rafael Mora, têm o valor indicativo de 350 milhões de euros, a que acresce 240 milhões em papel comercial da holding que era dona do Diário Económico.

Estes são os maiores devedores no portefólio de NPL (Non Performing Loans ou malparado) que o Novo Banco pôs à venda este ano, tendo já escolhido três candidatos para avançarem para a segunda fase – a fase das propostas vinculativas (binding offers). O Jornal Económico confirmou, junto do Novo Banco, que passaram à segunda fase do concurso a Bain Capital, KKR com o Hipoges e o Davidson Kempner Capital. O jornal ‘Eco’ já tinha noticiado que o Bain, KKR e Davidson Kempner Capital Management vão avançar com propostas vinculativas.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Trabalhadores da CGD em greve ao trabalho extraordinário até 14 de janeiro

A partir do próximo dia 13 de dezembro, data de início à greve às horas extraordinárias, os trabalhadores assumem que apenas vão cumprir as sete horas de trabalho.

Banco Montepio emite obrigações sobre 357 milhões de crédito ao consumo

A carteira “Pelican Finance” é uma titularização de crédito ao consumo performing. Não é por isso uma venda de carteira de malparado, explicou ao Jornal Económico fonte do banco. A titularização foi colocada junto de investidores institucionais internacionais, em cinco tranches colateralizadas.

Mckinsey alerta que bancos continuam com rentabilidades abaixo do custo de capital

A Mckinsey considera que a indústria, no seu conjunto, está preparada para uma recuperação que poderá colocar o return on equity (ROE) entre 7% e 12% até 2025. Mas o foco estará no modelo de negócio que os bancos adoptarem.
Comentários