Novo Banco vendeu imóveis com desconto sem “justificação formal”, diz Deloitte

Auditoria especial ao atos de gestão entre 2000 e 2018 conclui que as vendas de imóveis foram realizadas por valores inferiores, em alguns casos de forma significativa, face às últimas avaliações. E sinaliza inexistência de “procedimentos de análise e justificação formal das variações ocorridas”.

A venda de imóveis com elevado desconto era uma das críticas recorrentes à gestão do Novo Banco. Auditoria da Deloitte, tornada pública nesta terça-feira, 8 de setembro, conclui que as vendas foram realizadas por valores inferiores, em alguns casos de forma significativa, face a às últimas avaliações. E sinaliza que o Novo Banco “não tinha implementado procedimentos de análise e justificação formal das variações ocorridas nas avaliações obtidas, comparativamente às avaliações anteriormente disponíveis”.

Na análise que fez aos 18 anos de atos de gestão do BES/Novo Banco, a Deloitte concluiu, assim, que o Novo Banco vendeu imóveis a um preço inferior ao da última avaliação sem uma análise e justificação.

“Conforme evidenciado, as vendas efetuadas pelo Novo Banco foram realizadas por valores inferiores (em alguns casos de forma significativa) face aos valores das últimas avaliações disponíveis”, começa por assinalar a auditoria, que foi divulgada esta terça-feira no site da Assembleia da República, expurgada das matérias consideradas confidenciais ao abrigo do segredo bancário como identificação de clientes e devedores.

O relatório conclui: “a  este respeito, verificámos que o Novo Banco não tinha implementado até 31 de dezembro de 2018 procedimentos documentados de backtesting das avaliações efetuadas para este tipo de ativos, tendo em consideração as vendas efetuadas. O Novo Banco não tinha igualmente implementado procedimentos de análise e justificação formal das variações ocorridas nas avaliações obtidas, comparativamente às avaliações anteriormente disponíveis”

Segundo a auditoria, aos auditores verificaram que para dois destes cinco processos de venda,  através da análise da documentação disponibilizada, que o Novo Banco contratou um ou vários intermediários especialistas no mercado com o objetivo de promover junto de investidores a venda do ativo.” Para os restantes três ativos, verificámos existir evidência de o ativo ter estado em venda durante mais de dois anos antes da concretização da venda”, acrescenta.

Adicionalmente, diz a Deloitte, verificou-se que nas propostas de aprovação das vendas são normalmente descritas as características e condicionalismos dos imóveis, mas, frisa, “não é incluída uma justificação ou explicação para a diferença entre o valor de venda e o valor de avaliação anterior”. A auditora salienta, porém, que esta justificação não era requerida de acordo com o normativo interno aplicável.

Nos últimos meses o Novo Banco tem sido alvo de críticas por ter alienado carteiras de activos, nomeadamente imóveis,, com perdas, mas foi compensado por esses prejuízos por parte do Fundo de Resolução (FdR), criado em 2012, que compromete-se a injetar dinheiro sempre que as contas do Novo Banco fiquem ameaçadas. É o caso do projeto Viriato, após notícias que deram conta da venda de cerca de cinco mil prédios que estavam avaliados nas contas do banco em 631 milhões de euros, mas foram vendidos por 364 milhões. Mas o Novo Banco reagiu à notícia, garantindo que a venda da carteira de imóveis em 2018, denominada projeto Viriato não implicou custos para o FdR porque a maioria dos ativos não estavam cobertos pelo Mecanismo de Capital Contingente (CCA). O banco liderado por António Ramalho garantiu ainda que “esta operação não foi feita a preços de saldo, mas sim a preços de mercado

Na auditoria da Deloitte, consta a venda de uma carteira de ativos imobiliários, designada por Projeto Viriato, composta por um volume significativo de imóveis, cujo valor líquido contabilístico ascendia a cerca de 550 milhões de euros. O valor global da venda, realizada em 2018, ascendeu a 338 milhões de euros com uma perda de 159 milhões de euros – 18,1 milhões de euros de perdas para o CCA e 149,4 milhões de euros de imparidade acumulada.

No debate do Estado da Nação, a 24 de julho, Rui Rio criticou também a gestão do Novo Banco, nomeadamente sobre a venda de outro lote de 200 imóveis ao fundo de investimento Cerberus, no denominado projeto Sertorius, com um desconto de 70%, que se traduziu numa perda de 328 milhões. Depois disso o primeiro-ministro, António Costa, enviou uma carta a solicitar a intervenção do Ministério Público com vista a travar a venda de ativos até que seja conhecida a auditoria da Deloitte a negócios do banco. A Procuradoria-Geral da República já confirmou que está a analisar o pedido. E o Novo Banco avançou, entretanto, que enviou a 27 de julho, em antecipação, um conjunto detalhado de informação à PGR referente à venda dos referidos imóveis integrados no projeto Viriato e Sertorius.

Ler mais
Relacionadas

Auditoria ao Novo Banco: perdas com crédito somaram 1.024 milhões depois da venda ao Lone Star

“Identificámos um conjunto de entidades que após 4 de agosto de 2014 entraram em incumprimento das suas responsabilidades junto do Novo Banco, as quais haviam sido originadas no BES, alegando, em processos judiciais, que a sua dívida estava diretamente relacionada com investimentos feitos por essas entidades em empresas do Grupo Espírito Santo”, explica a Deloitte. 

Auditoria ao Novo Banco publicada no ‘site’ do Parlamento expurgada de informação confidencial

Documento já foi disponibilizado no site do Parlamento. A auditoria da Deloitte aos atos de gestão do BES/Novo Banco é referente ao período entre 2000 e 2018 (ou seja, abarcando quer o período antes quer depois da resolução do BES e criação do Novo Banco), decorria desde o ano passado e deveria ter ficado concluída em julho, tendo sido entregue na semana passada.

Auditoria da Deloitte revela reforço do capital próprio do Novo Banco de 11.000 milhões de euros

Auditoria especial aos 18 anos de atos de gestão do BES/Novo Banco destaca que “uma parte significativa dos capitais próprios foi consumida” pelos prejuízos acumulados registados pelo Novo Banco até 31 de dezembro de 2018, que totalizaram cerca de 5.950 milhões de euros.

Novo Banco com parecer negativo por contratar a Alantra Espanha para vender imóveis

Administração Executiva do Novo Banco contratou a Alantra Espanha com “expressa proibição de ser envolvida a equipa portuguesa”. É essa divergência na escolha do assessor que o banco não referiu ao Fundo de Resolução “por considerar um detalhe sem especial relevância” e que é reportada na Auditoria Especial, esclarece o banco em reação à notícia do Público. A Deloitte levantou reservas à contratação da Alantra Espanha, quando se levantavam problemas de ‘compliance’ com a Alantra Portugal.
Recomendadas

CGD relança venda do Banco Caixa Geral no Brasil

O Banco Caixa Geral Brasil vai voltar à praça. O Governo aprovou em Conselho de Ministros o lançamento de um novo concurso de venda.

Sindicatos rejeitam aumentos zero na banca para 2021

“Os sindicatos propuseram uma revisão em 1,5% das tabelas salariais, pensões de reforma e cláusulas de expressão pecuniária, assim como um aumento de 3,1% relativo aos SAMS. Propostas que foram rejeitadas pelo Grupo Negociador das Instituições de Crédito (GNIC), que propôs, em contrapartida, uma atualização de 0% das tabelas salariais e dos SAMS”, dizem os sindicatos.
João Gama Leão Prebuild

Dono da Prebuild investiu no GES com crédito e Salgado disse-lhe que “a família nunca esquece quem a ajuda”

O dono da Prebuild contou o seu percurso profissional desde Angola até Portugal, altura em que foi convidado pelo BES a investir da ESI com dinheiro do BES garantido pelo BESA. Relatou que “o momento alto da sua carreira” foi almoçar com Ricardo Salgado. Concluiu que “a queda do meu grupo é responsabilidade do Novo Banco”, por não ter sido recebido pelo banco em 2014 e com isso ter estrangulado a liquidez do seu grupo.
Comentários