Novo crédito à habitação em setembro soma 915 milhões de euros, diz Banco de Portugal

Em setembro os volumes de novas operações para habitação, consumo e outros fins totalizaram 915, 462 e 284 milhões de euros, respetivamente, avança ao Banco de Portugal.

Os dados divulgados pelo Banco de Portugal (BdP) nesta terça-feira, 12 de novembro, indicam que, em setembro, a banca nacional concedeu 915 milhões de euros em novo crédito à habitação. Este valor ficou abaixo dos 975 milhões de euros concedidos em agosto.

Já no acumulado dos primeiros nove meses de 2019, os bancos emprestaram 7.788 milhões de euros para a compra de habitação, que traduz  um aumento de 6,8% face ao mesmo período do ano passado. Isto depois da entrada em vigor do travão do BdP, no início de julho do ano passado.

No crédito ao consumo, aposta dos bancos para engordar a margem financeira, assistiu-se a uma subida para os 462 milhões de euros concedidos em setembro, que comparam com os 466 milhões concedidos pela banca em agosto. As operações de crédito para outros fins somaram 284 milhões de euros, o que compara com 186 milhões de euros emprestados um mês antes. No que toca ao empréstimos com outros fins, este montante leva que no acumulado do ano as quantias disponibilizadas pelos bancos com este fim tenha totalizado 1.652 milhões.

Entre o início de janeiro e o final de setembro, os bancos nacionais concederam 3.752 milhões de euros em empréstimos para consumo, mais 7,7% do que em igual período do ano anterior. Ao todo, os bancos financiaram 1.661 milhões de euros em empréstimos às famílias, o que representa uma subida de 2% face ao valor concedido em agosto.

Juntando as diferentes finalidades de crédito às famílias, o valor acumulado no ano entre o início de janeiro e o final de setembro, soma 13.192 milhões de euros.

Juros em mínimos 

O Banco de Portugal publicou hoje, no Boletim Estatístico e no BPstat, as estatísticas de taxas de juro de novas operações de empréstimos e depósitos de sociedades não financeiras e de particulares, relativas a setembro de 2019.

Em setembro, a taxa de juro média dos novos empréstimos concedidos a sociedades não financeiras foi de 2,18% (2,15% em agosto).  A taxa de juro das operações acima de 1 milhão de euros foi de 1,68% e a das operações abaixo de 1 milhão de euros de 2,53%, diminuindo o diferencial entre as duas taxas face ao mês anterior.

Nas novas operações de crédito a particulares para habitação, a taxa de juro média diminuiu 11 pontos base (p-b.) para 1%, atingindo um novo mínimo histórico pelo terceiro mês consecutivo. No crédito ao consumo e para outros fins, as taxas de juro médias foram, respetivamente, de 6,97% e 3,24%.

O BdP divulgou as estatísticas de empréstimos e depósitos bancários de sociedades não financeiras e de particulares relativas a setembro de 2019.

Em setembro de 2019, os empréstimos concedidos pelos bancos a sociedades não financeiras (empresas) apresentaram uma taxa de variação anual de 1%, não apresentando alterações face ao mês anterior .

Nas empresas exportadoras privadas, a taxa de variação foi de 0,2%, mais 0,2 pontos percentuais (p.p.) do que o observado em agosto.

A taxa de variação dos empréstimos a particulares para habitação foi de 0,7%, menos 0,1 p.p. do que o registado no mês anterior. Os empréstimos a particulares para consumo apresentaram uma taxa de variação de 7,2%, que compara com 7,1% em agosto.

Para o conjunto da área do euro, a taxa de variação dos empréstimos a sociedades não financeiras foi de 2,9%, depois de, em agosto, se ter situado em 3,5%. As taxa de variação dos empréstimos a particulares, nas finalidades habitação e consumo, foram, respetivamente, de 3,6% e 6,2%, valores que comparam com 3,6% e 6%, registados em agosto.

Ler mais
Recomendadas

Procura de empréstimos pelas empresas “aumentou fortemente” no segundo trimestre

Conclusões do inquérito aos bancos sobre o mercado de crédito indica que em termos de oferta os critérios de concessão de crédito a empresas e particulares tornaram-se mais restritivos face ao trimestre anterior.

Santander lança cartão digital para pagamentos contactless, QR Code e transferências MB Way

“Nos pagamentos com o telemóvel, os clientes do Santander são dos poucos no mercado que, através da app do banco, já podem utilizar o seu telefone com sistema operativo Android para fazer compras contactless em qualquer parte do mundo”, refere o banco liderado por Pedro Castro e Almeida.

Salários da CGD aumentaram em 2019 com início de pagamento de bónus

Os salários da administração da CGD cresceram para 3,6 milhões de euros no ano passado, um aumento de 22,5% justificado com o início de um programa de pagamento de remunerações variáveis, que já estava previsto, revelou o banco.
Comentários