Novo crédito à habitação em setembro soma 915 milhões de euros, diz Banco de Portugal

Em setembro os volumes de novas operações para habitação, consumo e outros fins totalizaram 915, 462 e 284 milhões de euros, respetivamente, avança ao Banco de Portugal.

Os dados divulgados pelo Banco de Portugal (BdP) nesta terça-feira, 12 de novembro, indicam que, em setembro, a banca nacional concedeu 915 milhões de euros em novo crédito à habitação. Este valor ficou abaixo dos 975 milhões de euros concedidos em agosto.

Já no acumulado dos primeiros nove meses de 2019, os bancos emprestaram 7.788 milhões de euros para a compra de habitação, que traduz  um aumento de 6,8% face ao mesmo período do ano passado. Isto depois da entrada em vigor do travão do BdP, no início de julho do ano passado.

No crédito ao consumo, aposta dos bancos para engordar a margem financeira, assistiu-se a uma subida para os 462 milhões de euros concedidos em setembro, que comparam com os 466 milhões concedidos pela banca em agosto. As operações de crédito para outros fins somaram 284 milhões de euros, o que compara com 186 milhões de euros emprestados um mês antes. No que toca ao empréstimos com outros fins, este montante leva que no acumulado do ano as quantias disponibilizadas pelos bancos com este fim tenha totalizado 1.652 milhões.

Entre o início de janeiro e o final de setembro, os bancos nacionais concederam 3.752 milhões de euros em empréstimos para consumo, mais 7,7% do que em igual período do ano anterior. Ao todo, os bancos financiaram 1.661 milhões de euros em empréstimos às famílias, o que representa uma subida de 2% face ao valor concedido em agosto.

Juntando as diferentes finalidades de crédito às famílias, o valor acumulado no ano entre o início de janeiro e o final de setembro, soma 13.192 milhões de euros.

Juros em mínimos 

O Banco de Portugal publicou hoje, no Boletim Estatístico e no BPstat, as estatísticas de taxas de juro de novas operações de empréstimos e depósitos de sociedades não financeiras e de particulares, relativas a setembro de 2019.

Em setembro, a taxa de juro média dos novos empréstimos concedidos a sociedades não financeiras foi de 2,18% (2,15% em agosto).  A taxa de juro das operações acima de 1 milhão de euros foi de 1,68% e a das operações abaixo de 1 milhão de euros de 2,53%, diminuindo o diferencial entre as duas taxas face ao mês anterior.

Nas novas operações de crédito a particulares para habitação, a taxa de juro média diminuiu 11 pontos base (p-b.) para 1%, atingindo um novo mínimo histórico pelo terceiro mês consecutivo. No crédito ao consumo e para outros fins, as taxas de juro médias foram, respetivamente, de 6,97% e 3,24%.

O BdP divulgou as estatísticas de empréstimos e depósitos bancários de sociedades não financeiras e de particulares relativas a setembro de 2019.

Em setembro de 2019, os empréstimos concedidos pelos bancos a sociedades não financeiras (empresas) apresentaram uma taxa de variação anual de 1%, não apresentando alterações face ao mês anterior .

Nas empresas exportadoras privadas, a taxa de variação foi de 0,2%, mais 0,2 pontos percentuais (p.p.) do que o observado em agosto.

A taxa de variação dos empréstimos a particulares para habitação foi de 0,7%, menos 0,1 p.p. do que o registado no mês anterior. Os empréstimos a particulares para consumo apresentaram uma taxa de variação de 7,2%, que compara com 7,1% em agosto.

Para o conjunto da área do euro, a taxa de variação dos empréstimos a sociedades não financeiras foi de 2,9%, depois de, em agosto, se ter situado em 3,5%. As taxa de variação dos empréstimos a particulares, nas finalidades habitação e consumo, foram, respetivamente, de 3,6% e 6,2%, valores que comparam com 3,6% e 6%, registados em agosto.

Ler mais
Recomendadas

Margarida Corrêa de Aguiar: “Os PPR Pan-Europeus serão o novo produto de poupança”

“A menor generosidade dos incentivos, a queda da taxa de poupança e a ausência de oferta estruturada de poupança” explica a reduzida penetração de produtos de seguros nas poupanças das famílias, explicou a presidente da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões.

Fitch: Economia adversa e taxas de juro baixas pressionam os bancos da Europa Ocidental

A maioria dos ratings dos bancos da Europa Ocidental está no ‘Stable Outlook’, e a evolução para “perspetivas negativas” reflete principalmente um maior risco para os ratings devido à pressão sobre os resultados ou modelos de negócios.

Moody’s altera perspetiva dos ratings da banca para negativa e alerta para novos riscos

A perspectiva da Moody’s para os bancos globais em 2020 é negativa. “A desaceleração do crescimento económico, baixas taxas de juros e condições operacionais mais voláteis aumentarão os desafios para os bancos”, diz a agência de rating que alerta para riscos de nova escalada de liquidações de bancos.
Comentários