Novo imposto sobre imóveis de luxo começa nos 600 mil euros para famílias e empresas

Novo imposto deverá ser aplicado à globalidade de imóveis de valor patrimonial tributário superior a 600 mil euros que tenham como proprietários famílias e empresas. Taxa adicional de IMI é de 0,3%.

O novo imposto que irá aplicar-se somente aos imóveis de elevado valor patrimonial tributário (VPT) já tem fixado o limiar da sua aplicação: a globalidade de imóveis de VPT superior a 600 mil euros por contribuinte singular, por empresa e herança indivisa. A casa de morada de família será protegida por este tecto, a partir do qual se aplicará uma sobretaxa que será progressiva consoante o maior valor do património imobiliário global. E o adicional de IMI terá de ser pago

O patamar, a partir do qual se irá aplicar o novo imposto, consta da versão preliminar da proposta do OE/17, datada de 13 de Outubro, a que o Jornal Económico teve acesso e que fixa o adicional de Imposto sobre Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) em 0,3%, p que na prática corresponde dois IMI no caso dos concelhos onde estejam situados estes imóveis de luxo e que são atualmente já tributados à taxa mínima de 0,3% de IMI (a máxima é de 0,45%).

O pagamento do adicional de IMI será “no mês de setembro do ano a que o mesmo respeita”.

O documento dá conta também das pessoas colectivas abrangidas pelo novo imposto: “pessoa coletiva com atividade agrícola, industrial ou comercial, para os imóveis diretamente afetos ao seu Funcionamento”.

“O adicional ao imposto municipal sobre imóveis incide sobre a soma dos valores patrimoniais tributários dos prédios urbanos situados em território português de que o sujeito passivo seja titular”, lê-se no documento que fixa o valor tributável como correspondente “à soma dos valores patrimoniais tributários, reportados a 1 de janeiro do ano a que respeita o adicional ao imposto municipal sobre imóveis, dos prédios que constam nas matrizes prediais na titularidade do sujeito passivo”.

Recomendadas

Von der Leyen aguarda “bons resultados” da presidência portuguesa da UE

Numa entrevista à agência Lusa na véspera da sua primeira visita oficial a Portugal desde que assumiu a presidência do executivo comunitário, Ursula von der Leyen, antecipando a quarta presidência portuguesa da União, sublinha que esta “surge num momento crucial”, pois a pandemia, que provocou a maior crise na Europa desde a II Guerra Mundial, “ainda não acabou e a recuperação está ainda numa fase inicial”.

Von der Leyen: Portugal está no bom caminho energético e digital

“Já antes da pandemia, Portugal estava no bom caminho para garantir um cabaz energético mais limpo e uma maior digitalização”, declara a responsável, numa entrevista à agência Lusa na véspera da sua primeira visita oficial a Portugal enquanto presidente do executivo comunitário.

Portugal será importante beneficiário do fundo de recuperação, sublinha Von der Leyen

Em entrevista à agência Lusa na véspera da sua primeira visita oficial a Portugal enquanto presidente do executivo comunitário, Ursula von der Leyen afirma que “os cidadãos portugueses lutaram de forma muito corajosa e disciplinada contra o vírus e até têm sido mais bem-sucedidos do que outros”, e podem contar com o apoio da UE, que ajudará igualmente a “impulsionar” a retoma da economia portuguesa.
Comentários