Novo presidente executivo da TAP vai ser escolhido até ao final do ano

O ministro responsável pela tutela da TAP disse que o novo presidente executivo poderá ter qualquer nacionalidade, não excluindo qualquer “geografia”, incluindo Portugal. As propostas para o cargo de CEO, preparadas por uma consultora de recursos humanos, vão começar a ser analisadas a “breve prazo”.

Mário Cruz/LUSA

O novo presidente executivo da TAP vai ser escolhido até ao final deste ano, disse hoje o ministro das Infraestruturas.

Esta escolha está a ser agora feita por uma empresa norte-americana de caça-talentos (head hunting), a Korn Ferry, contratada pelo Estado português.

“A empresa já esta contratada e está a fazer o seu trabalho. A breve prazo, teremos várias propostas e tomaremos a nossa decisão. Até ao final do ano teremos essa questão resolvida”, disse hoje Pedro Nuno Santos no Parlamento.

O ministro responsável pela tutela da TAP disse que o novo presidente executivo poderá ter qualquer nacionalidade.

“Não há nenhuma geografia fora do âmbito do nosso trabalho, Portugal também está obviamente no quadro da geografia que está a ser avaliada pela Korn Ferry”, afirmou.

A companhia está atualmente a ser dirigida pelo presidente executivo interino, Ramiro Sequeiro, que fica no cargo até ser nomeado um novo presidente.

Pedro Nuno Santos também destacou que a consultora de recursos humanos pode vir a escolher mais gestores para a empresa.

“Comprometemo-nos em relação ao CEO, em principio podemos estender em relação a mais alguns, mas esse era o nosso compromisso”, apontou.

O anterior presidente executivo da TAP, Antonoaldo Neves assumiu o cargo em janeiro de 2018 e deixou a empresa em setembro deste ano.

“Saio com sentimento de missão cumprida. […] Saio com a consciência e com o coração completamente tranquilos por ter dado o meu contributo, profissional e enérgico, sempre para o melhor da TAP”, disse o gestor numa carta de despedida, citada pela Lusa, dirigida aos trabalhadores da empresa.

“Contratámos mais de 2.000 pessoas e assegurámos a paz social, não houve greves na TAP desde a privatização. Passámos de 10,6 milhões de passageiros para 17,1 milhões, 80% dos quais são estrangeiros e, em 2019, fomos escolhidos como a melhor empresa para trabalhar em Portugal”, escreveu Antonoaldo Neves na missiva.

Ler mais
Relacionadas

Pedro Nuno Santos: quatro rotas a partir do Porto estão a “dar prejuízo” à TAP

O ministro das Infraestruturas disse hoje o objetivo no plano de reestruturação é que a companhia aérea mantenha o seu centro operacional no aeroporto de Lisboa.

TAP pode vir a operar aviões mais pequenos a partir do Porto e Faro para combater low cost

O objetivo seria voar a partir destas duas cidades usando os aviões da Tax Express para aeroportos mais baratos na Europa, normalmente fora das grandes cidades, para fazer concorrência a companhias aéreas low cost como a Ryanair, Easyjet e Transavia. Medida está a ser estudada no âmbito do plano de reestruturação.

TAP vai perder 1.600 trabalhadores este ano

O ministro das Infraestruturas fez hoje um ponto de situação na companhia aérea que é maioritariamente detida pelo Estado português. Até agora, saíram 1.200 trabalhadores da empresa e vão sair mais 400 até ao final do ano.
Recomendadas

AHRESP entende que proibição de circulação não se aplica às reservas feitas previamente

No entanto, porque persistem dúvidas sobre a interpretação desta norma, a associação da restauração e hotelaria garante que irá questionar a tutela sobre o assunto.

CEO da CGD defende que a consolidação bancária vai decorrer “nos próximos dois anos”

A consolidação da banca poderá ser impulsionada pelos resultados dos bancos nos próximos trimestres, defendeu o CEO da CGD que considera que um banco público tem de ter dimensão para poder ser relevante no mercado. O BCP defende que a consolidação será cross border. Aumentos de capital para superar a crise? CEO do BCP e o CEO do BPI rejeitam que haja essa necessidade.

Novo Banco tem carteira de malparado de 100 milhões à venda

A revelação foi feita numa conferência para falar sobre a “banca do futuro”, organizada pelo Negócios, António Ramalho ironizou ao falar da carteira de NPL que está já à venda: “não se chama ‘Nata 3’ porque achámos por bem denominar isto com nomes mais ligados a jogadores de rugby. Que passou a estar na moda depois de este meu colega [Miguel Maya] ter lançado dois processos no mercado com base no rugby”.
Comentários