Novo relatório explica tudo o que falhou em Pedrógão Grande

Meios disponíveis e o comandante operacional “não se mostraram suficientes para controlar” o incêndio que começou às 15h00 de 17 de junho em Escalos Fundeiros, Pedrogão Grande, indica o relatório do Centro de Estudos sobre Incêndios Florestais.

HO/Reuters

Foi esta segunda-feira entregue à ministra da Administração Interna o relatório “O complexo de incêndios de Pedrógão Grande e concelhos limítrofes, iniciado a 17 de junho”. No relatório, elaborado pelo Centro de Estudos sobre Incêndios Florestais e coordenado por Domingos Xavier Viegas, conclui-se que o principal foco de incêndio, resultante das ignições de Escalos Fundeiros e de Regadas, foi causado pelo contacto entre a vegetação e uma linha elétrica de média tensão, o que revela “uma deficiente gestão de combustíveis na faixa de proteção da linha, por parte da entidade gestora”, afirma o relatório, apontando o dedo à EDP.

A tragédia, que custou a vida a 65 pessoas – e não a 64 como as que estavam a ser até agora contabilizadas – foi agravada, diz o relatório, pela insuficiência dos meios e “do seu comandamento”, apesar de ter sido “desde logo reconhecido” o potencial do incêndio de Escalos Fundeiros “para se vir a tornar um grande incêndio”.

Ressalvando que o incêndio “apresentou uma dificuldade de supressão acima da média”, o documento publicado no portal do Governo, aponta o dedo à “falta de perceção” da importância dos vários focos de incêndio, “nos vários escalões de decisão”, o que levou a que não fossem utilizados mais recursos, “nomeadamente mais meios aéreos pesados, no seu combate, no período entre as 15:00 e as 18:00”.

O relatório vai mesmo mais longe e diz que o incêndio de Regadas foi “menosprezado”, tendo até se ter juntado o incêndio de Escalos Fundeiros, “apenas um meio pesado de combate terrestre dedicado”. Além disso, “não há registo oficial deste incêndio, que foi de grande relevância, e várias entidades desconheciam até a sua existência”, continua o relatório.

A reação ao agravamento da situação foi “claramente tardia”, sublinha este mesmo relatório, que dá conta ainda de que “para a larga maioria das vítimas (…), a permanência em casa teria sido a opção mais segura”, e de que a falha generalizada do sistema de comunicações “terá contribuído para a falta de coordenação dos serviços de combate e de socorro, para a dificuldade de pedido de socorro por parte das populações e para o agravamento das consequências do incêndio”.

Para a equipa de investigadores da Universidade de Coimbra, a falta de Planos Municipais de Defesa da Floresta Contra Incêndios impediu os municípios de Pedrógão Grande e de Castanheira de Pera de receberem financiamento durante os últimos anos, para promoverem ações de prevenção, “com manifesto prejuízo destas”, ao mesmo tempo que “constituiu justificação, perante a lei, para a omissão de ações de prevenção, por parte de outras entidades e de particulares”.

Ler mais
Relacionadas

Incêndios: Proteção Civil regista 36 mortos e sete pessoas desaparecidas

O número de mortes ocorridas devido aos incêndios florestais que lavram no país desde domingo aumentou para 36, anunciou hoje a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), indicando que estão desaparecidas sete pessoas.

Aeronaves italianas estão ser enviadas para Portugal, revela Comissário europeu

Estão a ser enviadas aeronaves de combate a incêndios de Itália através do Mecanismo de Proteção Civil da UE, revelou Christos Stylianides.

Chamas devastam Europa mas é Portugal que mais arde

Imagem do panorama europeu dos incêndios mostra como o “Velho Continente” sofreu com um dos piores dias de incêndios do ano. A mancha vermelha de Portugal e Galiza destaca-se dos demais focos.

Foi afetado pelos incêndios? Saiba onde obter apoio da Segurança Social

A Segurança Social divulgou a atualização referente à localização de postos da Segurança Social destinos ao apoio direto às populações afetadas pelos incêndios.

‘Parede de fumo’ de Vieira de Leiria corre mundo

A imagem tirada por Hélio Madeiras, da Autoridade Nacional de Proteção Civil, tornou-se viral e chegou mesmo a ser usada pelo organismo da ONU para as alterações climáticas.

“Devastador e dantesco”: Já ardeu 80% do Pinhal de Leiria

Paulo Vicente, Presidente da Câmara Municipal da Marinha Grande, estima que tenha ardido 80% da manta verde do Pinhal de Leiria, referindo a existência de um cenário “devastador e dantesco”.
Recomendadas

Covid-19: PSD questiona Governo sobre critérios para realização de testes de despiste

Os deputados do PSD eleitos pelo distrito de Viana do Castelo questionaram hoje a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social sobre “os critérios para priorizar” os testes à covid-19, defendendo a sua realização “imediata” em lares da região.

Duarte Cordeiro e mais quatro Secretários de Estado nomeados “autoridades para execução” do Estado de Emergência

O Governo nomeou cinco Secretários de Estado como “autoridades de execução do estado de emergência” para cada uma das cinco grandes regiões do país. O Secretário de Estado da Mobilidade foi designado para a região do Norte; da Juventude e Desporto para a região do Centro; dos Assuntos Parlamentares para a região de Lisboa e Vale do Tejo; Adjunto e da Defesa Nacional para a região do Alentejo; e das Pescas para a região do Algarve.
rui_rio_psd_legislativas_1

PSD quer adiar pagamentos de impostos até outubro e reduzir IMI em 20% este ano

O PSD quer, com estas medidas, “aumentar a liquidez das empresas” e os rendimentos das famílias e sublinha que tal não implica perda de receita nas contas nacionais, uma vez que “esses valores são registados como receita este ano”.
Comentários