Novos dados sobre o remdesivir acalmam investidores. Wall Street fecha no ‘verde’

Os três principais índices norte-americanos acabaram a sessão no ‘verde’. A Gilead Sciences está subiu mais de 2%, depois de informar que o seu medicamento remdesivir está associado a uma percentagem significativa de melhorias dos doentes com Covid-19.

Brendan McDermid / Reuters

Depois de um arranque não tão animador, a bolsa de Nova Iorque encerrou a sessão desta sexta-feira em terreno positivo. Wall Street acaba assim, no ‘verde’, a semana que antecede o kick-off da nova época de resultados das empresas (earnings season).

Observando os três principais índices de Wall Street, o industrial Dow Jones subiu 1,44%, para os 26.075,30 pontos, o financeiro S&P 500 ganhou 1,07%, para os 3.185,90 pontos e o tecnológico Nasdaq avançou 0,66%, para os 10.617,44 pontos. Já o Russel 2000 valorizou 1,14%, para os 1.418,35 pontos.

“O foco dos investidores começa a centrar-se na época de apresentação de resultados, que arranca na próxima semana. PepsiCo será a primeira empresa norte-americana de relevo a divulgar as suas contas, na próxima segunda-feira. Na Europa, a publicação de resultados só irá intensificar-se a partir do dia 20”, explicam os analistas do banco espanhol Bankinter, numa nota de mercado.

Ramiro Loureiro, trader do Millennium bcp destaca que também os bancos Citigroup, JPMorgan e Wells Frago mostram contas na próxima semana e que, a 14 de julho, a companhia aérea Delta Airlines “será a primeira transportadora aérea a mostrar números, que devem mostrar o impacto significativo da pandemia no setor, um dos mais afetados pelas restrições à circulação de pessoas”.

A Gilead Sciences subiu 2,17%, para 76,33 dólares, depois de informar que o seu medicamento remdesivir, utilizado para tratar doentes com Covid-19, “foi associado a uma melhoria na recuperação clínica e uma redução de 62% no risco de mortalidade em comparação com o padrão”.

“O Texas reportou um recorde de 105 mortes por Covid-19 ontem, Nova Iorque baniu qualquer grande evento até outubro e a Organização Mundial de Saúde coloca em hipótese de que o novo coronavírus possa transmitir-se pelo ar. O Goldman Sachs acredita que serão necessárias medidas adicionais para conter a disseminação do vírus nos Estados Unidos”, lembra André Neto Pires, da XTB, em research.

Em relação ao mercado petrolífero, o preço do ‘ouro negro’ está a subir mais de 1%. O valor do WTI, produzido no Texas, ganha 2,25%, para 40,51 dólares por barril, enquanto a cotação do barril de Brent está a valorizar 1,94% para 43,17 dólares.

Quanto ao mercado cambial, o euro valoriza 0,17% face ao dólar (para 1,13 dólares) e a libra desce sobe 0,19% face à moeda dos Estados Unidos, para 1,2628 dólares.

Ler mais

Recomendadas

Bolsas europeias seguem em baixa

O principal índice português não é exceção e negoceia em terreno negativo, com um deslize de 0,30% a meio da sessão desta quinta-feira. BCP, Galp Energia e Jerónimo Martins caem menos de 1%.

Ações da dona do Correio da Manhã valorizam-se mais de 18%

As ações da Cofina seguiam hoje a meio da manhã a valorizar-se mais de 18%, depois de na quarta-feira a empresa de Paulo Fernandes ter lançado uma Oferta Pública de Aquisição sobre 100% da Media Capital.

AIE revê em baixa procura de petróleo devido a enfraquecimento da aviação

É a primeira revisão em baixa em meses e estima que a procura será de 91,9 milhões de barris de petróleo por dia em 2020, menos 8,1 milhões do que no ano passado e menos 140.000 barris por dia do que na previsão anterior.
Comentários