Novos registos de alojamento local atingem mínimos de três anos

O mercado do Alojamento Local (AL) registou uma queda para um valor mínimo dos últimos 33 meses, de acordo com o estudo publicado pela consultora imobiliária Imovendo na sua análise mensal relativa ao mês de outubro de 2019, esta segunda-feira, 25 de novembro.

Cristina Bernardo

No período em análise foram efetuados 781 novos registos, face aos 705 de janeiro de 2017. O pico máximo deste mercado foi atingido em outubro de 2018, com 3.842 novos registos.

A consultora alerta para o facto de que, após dois anos em que o AL “absorveu parte significativa do stock imobiliário disponível no mercado, com uma média de dois mil novos imóveis, por mês, este ano tem sido sinónimo de uma certa descompressão em termos de investimento”.

A consultora apresenta três motivos para justificar este ajustamento em baixa de novas unidades no mercado: o ritmo de crescimento de turistas e dormidas não tem acompanhado o aumento de oferta e de camas que se tem registado; o stock de apartamentos e moradias em oferta tem registado preços máximos que colocam em causa a viabilidade comercial de alguns projetos de turismo residencial e em alguns pontos do país, sobretudo Lisboa, mas não de forma exclusiva, tem vindo a ser criada legislação autárquica de maior controlo da expansão destas unidades como forma de proteção do mercado imobiliário ‘tradicional’.

No estudo a consultora salienta que “o arrefecimento é transversal a todo o país, com exceções pontuais relacionadas com a dimensão distrital dos mercados”. A Imovendo indica que os distritos em que a quebra de investimento para colocação no Alojamento Local é mais sentida “são precisamente os que são mais ‘turísticos’, por um lado, e, por outro, os que têm sido alvo de um enquadramento legal mais apertado”.

Recomendadas

Agricultura de precisão é o caminho de futuro

Sensores de rega gota a gota, utilização de GPS, crescente informatização dos processos produtivos e de logística são as tendências do setor da agricultura em Portugal. Conheça os desafios e os projetos.

Goldman Sachs prevê contração da economia norte-americana em 4,6% este ano

Os economistas do banco reviram em baixa as estimativas para a evolução do PIB dos Estados Unidos. No entanto, melhoraram as previsões para a taxa de desemprego.

CFP afasta cenário de recuperação económica rápida

Em entrevista à ‘Antena 1’ e ‘Jornal de Negócios’, Nazaré da Costa Cabral voltou ainda a falar sobre o Orçamento Suplementar:“Há aqui uma perspetiva de subestimação da queda do produto e de certas das suas componentes que podem comprometer a cobrança de receita fiscal”.
Comentários