Número de casais desempregados inscritos cai 20% em setembro para 5.352

O número de casais em que ambos os cônjuges estão desempregados caiu 20,3% em setembro em comparação com igual mês do ano passado e 2,6% face a agosto, para 5.352, segundo dados divulgados esta segunda-feira pelo IEFP.

Jose Manuel Ribeiro/Reuters

O número de casais em que ambos os cônjuges estão desempregados caiu 20,3% em setembro em comparação com igual mês do ano passado e 2,6% face a agosto, para 5.352, segundo dados divulgados esta segunda-feira pelo IEFP.

De acordo com a informação mensal sobre estado civil do desempregado e condição laboral do cônjuge do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), no final de setembro havia menos 1.359 casais desempregados que no mês homólogo e menos 144 casais desempregados em relação ao mês anterior.

Do total de desempregados casados ou em união de facto, 10.704 (8,5%) têm registo de que o seu cônjuge está igualmente inscrito como desempregado no serviço de emprego.

No final de setembro, estavam registados no continente 279.388 desempregados, dos quais 45,2% eram casados ou viviam em situação de união de facto, perfazendo um total de 126.323.

O desemprego registado diminuiu 11,4% face ao período homólogo e desceu 1,1% em relação ao mês anterior. Relativamente aos desempregados casados ou em situação de união de facto, a diminuição face a setembro de 2018 atingiu 12% (menos 17.307 desempregados) e a redução face a agosto foi de 3% (menos 3.936).

De acordo com os dados mensais do desemprego também divulgados hoje pelo IEFP, o número de desempregados inscritos nos centros de emprego do país caiu 11,1% em setembro face ao período homólogo, para 301,3 mil, quase metade do registado há quatro anos.

Ler mais

Recomendadas

Bancos têm até hoje para enviar ao regulador planos de prevenção do branqueamento de capitais

Os bancos têm até hoje para enviarem ao Banco de Portugal os planos de financiamento e os relatórios de prevenção do branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo, depois dos prolongamentos dos prazos devido à covid-19. Numa situação normal, estes relatórios já deveriam ter sido enviados pelos bancos, mas o regulador e supervisor bancário anunciou a prorrogação dos prazos em abril, considerando que é de “particular importância” a qualidade da informação financeira e prudencial no atual contexto económico. O Banco de Portugal prolongou ainda, para 12 de junho, o reporte de informação financeira em base individual e o reporte de informação para fins de supervisão aplicável às sociedades financeiras, assim como a informação sobre empresas incluídas no perímetro de consolidação e sobre a evolução da carteira de crédito.

Proprietários tem até hoje para pagar primeira fase ou a totalidade do IMI

Os quase quatro milhões de contribuintes que receberam uma nota de liquidação do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) têm até hoje para efetuar o pagamento da primeira prestação ou da totalidade do imposto.

Portugal “entalado” entre dívida e União Europeia

João Duque refere que ajudas às empresas têm de ser “estritamente para acudir à Covid”, enquanto a CIP defende que “não é com moratórias ou com o aumento do endividamento que se resolve o problema”.
Comentários