Número de casos do coronavírus volta abrandar e Wall Street anima no início da sessão

Na abertura da sessão, o S&P 500 sobe 0,31%, para 3.380,90 pontos, o tecnológico Nasdaq valoriza 0,65%, para 9.795,01 pontos, e o industrial Dow Jones cresce 0,28%, para 29.312,83 pontos.

Reuters

A Bolsa de Nova Iorque iniciou a sessão desta quarta-feira em terreno positivo com as notícias de um abrandamento no número de novos casos de infecções pelo surto do coronavírus na China e com as expetativas de que o país adote mais medidas para reforçar a sua economia afetada por este vírus.

Na abertura da sessão, o S&P 500 sobe 0,31%, para 3.380,90 pontos, o tecnológico Nasdaq valoriza 0,65%, para 9.795,01 pontos, e o industrial Dow Jones cresce 0,28%, para 29.312,83 pontos.

As recentes medidas de estímulo da China, a confiança na economia dos EUA e a esperança de que os danos do surto durem pouco ajudaram os principais índices de Wall Street a alcançar novos máximos na semana passada.

“No plano macroeconómico o índice de preços no produtor nos EUA (excluindo componentes voláteis de alimentação e energia) registou um aumento superior ao esperado, sendo o melhor registo desde setembro de 2019. No seio empresarial destaque para mais um disparo das ações da Tesla, num dia em que recebeu nova revisão em alta, bem como para as valorizações de Garmin e Analog após apresentações de resultados”, afirma Ramiro Loureiro, analista de mercados do Millenium investment banking.

O número de novos casos de coronavírus desceu pelo segundo dia consecutivo na China, embora as autoridades globais de saúde tenham alertado que ainda é muito cedo para prever como a epidemia se vai desenrolar, olhando com algum ceticismo para os dados oficiais. A China deverá reduzir a sua taxa básica de juros na quinta-feira, depois de várias medidas fiscais e financeiras, enquanto tenta limitar os danos causados ​​pelas paralisações de empresas e restrições de viagens na segunda maior economia do mundo.

As ações dos EUA caíram na terça-feira depois de um aviso da Apple, de que não será capaz de cumprir as suas metas de vendas no trimestre atual. No entanto, muitos analistas viram a atualização desta previsão da fabricante de iPhone como um problema de curto prazo.

Agora, os participantes do mercado aguardam a ata da última reunião de política da Reserva Federal dos EUA, onde o banco central apontou para um crescimento moderado contínuo da economia doméstica e de que está atenta aos riscos do surto do coronavírus.

No panorama empresarial, a Garmin aumentou 10,4% depois da fabricante de dispositivos de fitness wearable prever uma receita para o ano inteiro acima das estimativas dos analistas. A Co-Diagnostics subiu 4,8% depois da empresa de diagnóstico molecular informar que está a tentar obter autorização dos órgãos reguladores do mercado e vender o seu teste de triagem para o coronavírus.

Ler mais

Recomendadas

Nasdaq lidera quedas em Wall Street

As tecnológicas acentuaram as perdas, nomeadamente as FAANG. A Facebook perdeu 2,48%, a Apple cedeu 0,46%, a Amazon tombou 3%, a Netflix afundou 4,23% e a Alphabet, dona da Google, caiu 1,74%. Também a Microsoft teve uma sessão negativa, desvalorizando 3,09%.

Domingos Soares de Oliveira: “não há neste momento qualquer situação oficial entre o Benfica e o treinador Jorge Jesus”

“Conforme é sabido, o nosso presidente tem uma relação pessoal com o treinador Jorge Jesus, portanto é natural que converse com o treinador, mas não não há neste momento qualquer situação oficial entre o Benfica e o treinador Jorge Jesus”, vincou Domingos Soares de Oliveira.

PSI-20 fecha em alta com a ajuda do BCP que valorizou mais de 3%

O BCP foi a estrela da sessão ao subir mais de 3%. Mas a queda da EDP, depois das notícias de que a própria empresa deverá ser constituída arguida no processo de rendas excessivas, travou a subida do PSI-20 que fechou em alta, mas abaixo das principais praças da Europa.
Comentários