Nunca visto em 100 anos: Sismo de 8.2 destrói México

Presidente mexicano alertou ainda os cidadãos para o risco de uma réplica muito forte nas próximas 24 horas, segundo a Associated Press. Risco de tsunami ainda existe, alerta Centro de Alerta de Tsunamis do Pacífico.

Ler mais

O sismo que se sentiu na costa sul México na madrugada de sexta-feira já causou 16 mortos, segundo a contagem da Proteção Civil mexicana. Uma das vítimas é da Guatemala, país onde se sentiu o abalo, informou Jimmy Morales, presidente do país.

Morales discursou para a nação na televisão nacional, onde pediu a calma da população.

O epicentro do sismo foi a 165 quilómetros a oeste de Tapachula, no sul do estado de Chiapas, perto da Guatemala, diz o US Geological Survey (USGS).

https://twitter.com/EdPiotrowski/status/906019747170402305

Peña Nieto, presidente mexicano, adianta que um milhão e 500 mil casas foram afetadas pelo corte de electricidade que se seguiu ao abalo.

O presidente alertou ainda os cidadãos para o risco de uma réplica muito forte nas próximas 24 horas, segundo a Associated Press. A agravar a situação, o Centro de Alerta de Tsunamis do Pacífico, informa que ao longo da costa se registam ondas fortes, com pelo menos um metro acima do nível da maré. As autoridades já estão a evacuar Puerto Madero. Os Estados Unidos estão livres de ameaça, informa a AP.

Recomendadas

Húngaros e polacos entre os europeus menos favoráveis ao resgate de refugiados

O estudo realizado pelo centro norte-americano, Pew Research Center, revela que 80% dos europeus apoia o resgate aos refugiados. A Hungria e a Polónia ocupam o fim da lista.

Rio de Janeiro multa bares e restaurantes que oferecem palhinhas de plástico

As autoridades do Rio de Janeiro começaram hoje a multar os cafés, restaurantes e bares de praia da emblemática cidade brasileira que oferecem palhinhas de plástico aos clientes. ”Estamos na vanguarda de uma grande luta em defesa do meio ambiente”.

Síria: governo e oposição apoiam o acordo entre a Rússia e a Turquia

Damasco diz que o pacto testará a influência de Ankara em Idlib, enquanto os líderes da oposição a al-Assad no exílio celebram uma vitória contra o ditador.
Comentários