PremiumNuno Faria: “Negócios entre Portugal e Irão estão em ponto morto”

O advogado Nuno Pinto Coelho de Faria realça que a escalada das tensões no Médio Oriente travou contactos “muitíssimo evoluídos” no setor farmacêutico.

Nuno Pinto Coelho de Faria está à frente da sociedade da NPCF & Associados desde 2008 e tem sido assessor jurídico de vários empresários que exportam para o Irão e que trabalham com clientes neste país do Médio Oriente. Em entrevista ao Jornal Económico (JE), o advogado refere que ainda tem vários clientes com contratos em execução no Irão, e vice-versa, mas retraíram as operações.

Segundo o sócio fundador da NPCF, os investimentos nos moldes, na aeronáutica ou na indústria do aço e mineira “abrandaram”. “Havia sobretudo contactos muitíssimo evoluídos no âmbito do setor farmacêutico que pararam”, afirma.
As preocupações dos gestores portugueses e iranianos são semelhantes e centram-se na estabilidade internacional e nos meios de pagamento. “Ou seja, no medo de estarem a fazer algo que não seja de acordo com as regras de compliance, mesmo que sejam as do Congresso norte-americano. Os iranianos querem ser reconhecidos como estando a cumprir com aquilo que lhes é pedido”, explica Nuno Faria.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Ageas Portugal adquire o edifício Expo Tower no Parque das Nações

A assessoria da Ageas ficou a cargo da Cushman & Wakefield na análise comercial, da Vieira de Almeida na componente jurídica e negociação e pela KPMG como consultor financeiro e fiscal.  Os Fundos geridos pela Anchorage Capital Group foram assessorados pela CBRE, pela Morais Leitão, pela Ernst & Young e NPN – Neves, Pinheiro, Neves & Associados.

PremiumAbreu, Miranda e VdA assessoram projeto de GNL em Moçambique

O trio de escritórios esteve envolvido no processo de financiamento ao projeto de gás natural liquefeito, com firmas das suas redes em África.

Conselho Regional de Lisboa da Ordem dos Advogados lança campanha de sensibilização para a importância da profissão

A iniciativa entra agora numa nova fase que permite que os advogados comuniquem as situações onde, durante o exercício do mandato conferido pelos seus clientes, os seus direitos e dignidade foram alvo de ataques ao livre exercício da sua atividade.
Comentários