Nuno Melo apela ao voto em João Almeida

Eurodeputado manteve a sua tese de que o novo presidente do CDS-PP deve poder debater na Assembleia da República com António Costa. E deixa elogios a Assunção Cristas e Cecília Meireles.

Cristina Bernardo

O eurodeputado Nuno Melo apelou ao voto em João Almeida para a liderança do CDS-PP no final de uma intervenção em que o primeiro subscritor da Moção “Direita Autêntica” anunciou que esse documento não irá a votos. “É determinante e fundamental que o presidente do meu partido possa debater com António Costa”, disse, apelando ao deputado eleito por Aveiro, que disputará a presidência no domingo com Francisco Rodrigues dos Santos e Filipe Lobo d’Ávila, que chame os dois rivais a colaborarem com ele, tal “todos aqueles que de boa fé queiram estar”.

A intervenção de Nuno Melo, cuja moção junta o deputado Telmo Correia e vários outros ex-elementos do grupo parlamentar do CDS-PP, dedicou palavras de gratidão à ainda líder Assunção Cristas e à presidente do grupo parlamentar Cecília Meireles, e o eurodeputado deixou a ressalva de que nos próximos dois anos não desempenhará cargos nos órgãos do partido, ainda que esteja disponível para “combates difíceis” nas autárquicas de 2021.

O apoio de peso do eurodeputado a João Almeida traz um novo balanço de poder a um congresso em que o presidente da Juventude Popular, Francisco Rodrigues dos Santos, demonstra ter grande e ruidoso apoio.

Recomendadas

“Está tudo maluco?” é a reação de ex-deputado do PSD à “lei da rolha” no grupo parlamentar

Luís Menezes ataca decisão da direção de Rui Rio de passar a filtrar os contactos da comunicação social com os membros do grupo parlamentar social-democrata.

Questões-chave para perceber a discussão sobre a eutanásia

A despenalização da eutanásia dividiu os partidos representados na Assembleia da República e a sociedade civil, com a Ordem dos Médicos e a dos Enfermeiros a rejeitarem a medida.

Operação Lex: Marcelo não comenta antes de o Conselho Superior da Magistratura se pronunciar

Questionado se situações como esta adensam o descrédito da população na Justiça, o Presidente começou por reiterar não querer pronunciar-se “antes de o órgão que tem competência para apreciar essa matéria no quadro do poder judicial se pronunciar”.
Comentários