Nuno Melo apela ao voto em João Almeida

Eurodeputado manteve a sua tese de que o novo presidente do CDS-PP deve poder debater na Assembleia da República com António Costa. E deixa elogios a Assunção Cristas e Cecília Meireles.

Cristina Bernardo

O eurodeputado Nuno Melo apelou ao voto em João Almeida para a liderança do CDS-PP no final de uma intervenção em que o primeiro subscritor da Moção “Direita Autêntica” anunciou que esse documento não irá a votos. “É determinante e fundamental que o presidente do meu partido possa debater com António Costa”, disse, apelando ao deputado eleito por Aveiro, que disputará a presidência no domingo com Francisco Rodrigues dos Santos e Filipe Lobo d’Ávila, que chame os dois rivais a colaborarem com ele, tal “todos aqueles que de boa fé queiram estar”.

A intervenção de Nuno Melo, cuja moção junta o deputado Telmo Correia e vários outros ex-elementos do grupo parlamentar do CDS-PP, dedicou palavras de gratidão à ainda líder Assunção Cristas e à presidente do grupo parlamentar Cecília Meireles, e o eurodeputado deixou a ressalva de que nos próximos dois anos não desempenhará cargos nos órgãos do partido, ainda que esteja disponível para “combates difíceis” nas autárquicas de 2021.

O apoio de peso do eurodeputado a João Almeida traz um novo balanço de poder a um congresso em que o presidente da Juventude Popular, Francisco Rodrigues dos Santos, demonstra ter grande e ruidoso apoio.

Recomendadas
Grupo Parlamentar do PS

Morreu Miranda Calha, histórico da Assembleia da República e ex-governante socialista

Deputado por Portalegre entre 1975 e 2019, o socialista Miranda Calha foi ainda secretário de Estado do Desporto de António Guterres, e secretário de Estado da Defesa de José Sócrates. Não resistiu ao AVC que sofreu neste sábado.

Governo legaliza estrangeiros em situação irregular 

O diploma “determina que a gestão dos atendimentos e agendamentos seja feita de forma a garantir inequivocamente os direitos de todos os cidadãos estrangeiros com processos pendentes no SEF, no âmbito da covid-19” e argumenta com a necessidade de dar resposta aos pedidos destes estrangeiros em Portugal em situação irregular.

Marcelo apela a respeito pela contenção no período da Páscoa

É um apelo coletivo. No fundo, estamos perante uma tarefa coletiva, que estamos a viver, que estamos a vencer, porque a adesão dos portugueses é massiva, mas tem de continuar”, afirmou o Presidente da República.
Comentários