“O Amigo do Deserto”

Sacerdote, teólogo, crítico literário e fundador do seminário espiritual Buscadores de la Montaña, Pablo d’Ors dá-nos a conhecer nesta obra um homem dedicado aos desertos, que neles busca o absoluto e o silêncio. Eis a sugestão de leitura desta semana da livraria Palavra de Viajante.

“[O deserto] é o lugar da possibilidade absoluta: o lugar em que o horizonte tem a amplitude que o homem merece e de que necessita. O deserto: essa metáfora do infinito.”

Com alguma frequência, as caminhadas voluntárias pelo deserto acabam por se transformar em viagens interiores ou, pelo menos, em viagens que culminam em transformação pessoal. Não é por acaso que se utiliza a velha expressão “fazer a travessia do deserto”, mesmo que num contexto desligado do seu significado religioso inicial. Vários viajantes encontraram nos desertos o objetivo das suas viagens, do explorador britâncio Wilfred Thesiger à etnóloga francesa Odette Puigaudeau, passando pela suíça Isabelle Eberhardt.

Em “O Amigo do Deserto”, com edição portuguesa da Quetzal, tudo começa com a leitura de uma contracapa de um livro onde se descobre que existe em Brno, na República Checa, um homem dedicado aos desertos, e que estes se tornaram a única razão da sua existência.

 

 

Inicia-se assim uma viagem que vai levar Pavel, a personagem principal, a Brno, a Praga e a muitos desertos do norte de África, em Marrocos e Argélia, mas também na Líbia e Mauritânia e até na Namíbia. Essencialmente, este é um livro sobre o silêncio e a busca do absoluto.

No deserto pode-se caminhar durante dias, semanas e até meses sem ver outra coisa além de areia; chega sempre o momento em que aparece um oásis maravilhoso que convida a parar e reabastecer. Repostas as forças no oásis, torna-se a empreender um caminho em que não é invulgar que o caminhante volte a impacientar-se. E assim até que, de repente, quando menos espera – quase quando desespera –, volta a aparecer outro oásis. Pois é isto precisamente o que o deserto ensina: caminhar pela terra, parar e contemplar.

Pablo d’Ors nasceu em Madrid, em 1963 e estudou em Nova Iorque e na Alemanha, onde conheceu e foi discípulo do monge e teólogo Elmar Salmann. Foi ordenado sacerdote católico em 1991 e esteve em missão nas Honduras. Regressado à Europa para um novo ciclo de estudos, doutorou-se em Teologia com a tese Teopoética – Teologia da Experiência Literária.

Desde então a trabalhar em Espanha – numa dupla vertente, cultural e pastoral –, é atualmente professor de Teatro e Literatura, dirige um laboratório de escrita criativa e é capelão do Hospital Ramón y Cajal. Foi o fundador do seminário espiritual aberto Buscadores de la Montaña e crítico literário no jornal espanhol ABC. Em 2015 foi nomeado membro do Conselho Pontifício da Cultura pelo Papa Francisco.

Recomendadas

Projetos de inclusão social pelas artes em destaque na Gulbenkian esta semana

Na mostra, com entrada gratuita e que decorre entre sexta-feira e domingo, serão apresentados alguns dos 15 projetos que estão a ser apoiados pela fundação na terceira edição (2019-2021).

Desfile do Ano Novo chinês em Lisboa em 10 fotografias

Sob a égide do Rato, as festividades na capital acontecem na Alameda, entre as 10h00 e as 17h00.

“O Vale dos Assassinos”

Freya Stark foi uma aventureira improvável, mapeou terras persas e do Médio Oriente. Ficcionou territórios, absorveu culturas, procurou conhecer e compreender o Outro. Aqui fica a sugestão de leitura desta semana da Livraria Palavra de Viajante.
Comentários