O australiano que quer transformar as casas em hortas

O ano de 2050 está longe mas pode ser difícil encontrar soluções que permitam a reduzir partículas e emissões invisíveis. Michael Parkes, António Santos e Paulo Pereira criaram a Bios e prometem uma relação entre carbono e alimentação.

O Roteiro para a Neutralidade Carbónica é um plano ambicioso para 2050 e já se sabe que vai ser necessário um investimento superior a 480 mil milhões de euros até 2050 para o cumprimentos das metas propostas pelo Governo português.

Os edifícios são geradores de muito desperdício invisível e isso pode ser um entrave para alcançar a neutralidade em carbono. No entanto, Michael Parkes quer alterar este desperdício que não se vê, o carbono.

Depois de Portugal o ter aceite, com a entrada no Instituto Superior Técnico, Michael encontrou no doutoramento o desafio ideal. Em conjunto com dois portugueses, António Santos e Paulo Pereira, os três colegas conseguiram pegar nesse desperdício energético e produzir comida. O projeto Bios nasceu para aproveitar o carbono e a energia desperdiçada de habitações para a transformar em algo necessário, pensando então em agricultura interior.

“Para nós, a comida é relativa”, sustentou Michael Parkes. “Nós queremos as medições de carbono, para mostrar que o edifício consegue aproveitar a energia e carbono desperdiçados e transformá-los para fazer crescer alimentos”, afirmou o australiano ao Jornal Económico.
Com o trabalho focado num espaço fechado, assemelhando-se a uma estufa, de ambiente controlado e aproveitando a energia depositada, “os sensores de software otimizam-na para que haja o suficiente para criar as condições perfeitas para as plantas”.

O desenvolvimento deste projeto passa por “retirar entre 95% e 100% dos custos energéticos” que a estufa apresenta, uma vez que estes gastos podem ser explorados no edifício. “Queremos oferecer aos edifícios sistemas operativos integrados, e este é o futuro”, sustentou na conversa com o JE.

Apesar do projeto ainda se encontrar em fase de análise e protótipos, os três colegas já conseguiram conversas interessantes, e potenciais parceiros, com a Universidade Nova, Banco Atlântico e a José de Mello Saúde, e sublinha a vontade de trabalhar com empresas que apostem em sustentabilidade. “Estamos em conversas ativas com estas empresas, a definir o seu perfil, a construir um modelo virtual e a testar”, garantiu.

Com diversos estudos próprios em relação à viabilidade do projeto, Michael assume vão analisar as empresas e em janeiro assinar contrato, sendo que apenas no mês de junho avançam com a construção do projeto em escala física e nas instalações da empresa. “Esperamos que em junho já seja possível mostrar o primeiro edifício com zero impacto por causa da tecnologia Bios”, afirmou Michael Parkes.

Em Portugal desde 2017, o australiano garante que foi o país que o escolheu, uma vez que desde que chegou lhe têm sido abertas muitas portas, estando a trabalhar paralelamente em outro projeto. “O nosso sistema de apoio tem sido ótimo. A Fundação Calouste Gulbenkian desinvestiu no petróleo e carvão e agora vai apoiar a Bios para desenvolver uma tecnologia de redução de carbono para edifícios”. Michael Parkes garantiu ainda que a SingularityU tem sido um apoio na divulgação do projeto, pois dá-lhe a possibilidade de abordar mais empresas e fornecer soluções mais sustentáveis, uma vez que a SinguralityU é a primeira organização no país que visa capacitar pessoas e organizações para a utilização de tecnologias emergentes.

Apesar de ser um produto secundário, Michael afirma que é importante a tecnologia funcionar nas cidades, pois não é necessário lavar antes de consumir, não existem resíduos plásticos ou gastos com transportes. “Estamos a oferecer comida grátis, uma vez que é produzida no local”, sublinha Michael.

“A questão é que estes edifícios gastam tanto em eletricidade, todo o dinheiro vai para a eletricidade e existe desperdício energético”, diz. Na verdade, este desperdício acaba por ser debitado nas contas e os três colegas apostam numa solução que poupa algum dinheiro aos portugueses. “Se conseguirmos reduzir as emissões de carbono e apoiar a educação, podemos tornar mais interesse e apelativo” ter uma pequena horta dentro dos edifícios onde vivemos.

Ler mais
Recomendadas

Governo investiu 388 milhões de euros ao abrigo do Fundo Ambiental em 2019

O Fundo Ambiental foi criado em 2016, entrando em vigor em 2017, para apoiar políticas de desenvolvimento sustentável, contribuindo para o cumprimento de compromissos nacionais e internacionais, relativos às alterações climáticas, aos recursos hídricos, aos resíduos, à conservação da natureza e à biodiversidade.

Presidência da Eurorregião Alentejo-Algarve transita para a Andaluzia

O presidente Junta da Andaluzia, Juan Moreno, lidera agora a eurorregião Alentejo-Algarve-Andaluzia – a designada EuroAAA -, defendendo que esta estrutura deve ter maior ambição na Europa. Já anunciou que quer albergar a próxima Cimeira Ibérica Espanha-Portugal

Conferência que começou como acidente quer mudar as cidades

“Depois de anunciarmos, alugámos um espaço onde cabiam 200 pessoas mas nunca pensámos encher. No fim, acabámos com mais de mil pessoas de mais de 30 países”, afirma o fundador do projeto.
Comentários