Premium“O Brexit é uma grande oportunidade para o MAR”

A partir de outubro, cerca de 400 navios no registo do Reino Unido e mais 300 no de Gibraltar devem precisar de uma nova bandeira, alerta o responsável da associação de armadores de navios.

A dinâmica de crescimento do Registo Internacional de Navios da Madeira (MAR) tem despertado cada vez maior interesse, quer de instâncias nacionais quer internacionais. Em entrevista ao Económico Madeira, Nuno Mendão, o secretário-geral da European International Shipowners Association of Portugal (EISAP), explica que a conclusão do processo de saída do Reino Unido da União Europeia pode criar novas oportunidades de crescimento para o registo de navios associado ao Centro Internacional de Negócios da Madeira (CINM).

Que balanço faz da atividade da EISAP e do desempenho do Registo Internacional de Navios da Sociedade de Desenvolvimento da Madeira (SDM), em 2020, ano marcado por uma pandemia à escala global?
O ano de 2020 foi muitíssimo importante para a EISAP e para o trabalho que fazemos em conjunto com o MAR, por vários motivos. Acho que foi o ano em que o Governo de Portugal percebeu a relevância do MAR como uma ferramenta muito importante para a diplomacia económica. Vários braços do Governo olharam para o MAR como uma ferramenta muito importante do ponto de vista internacional, de promoção internacional, e do nosso posicionamento no mundo.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor. Edição do Económico Madeira de 12 de fevereiro.

Recomendadas

PremiumGoverno da Madeira defende que calamidade chega para proibir circulação na via pública

Presidente do executivo madeirense considera que o recolher obrigatório garante um direito maior, que é o “direito à vida e à saúde”.

PremiumVinda de CR7 mexeria nos “quatro pilares de receitas” do clube

Especialista em marketing desportivo acredita que um eventual regresso do jogador a Alvalade iria fazer disparar as vendas de merchandising, bilheteira, receitas televisivas e contratos de patrocínio.

Premium“Temos uma distribuição muito equilibrada no PRR”, diz André de Aragão Azevedo

Muito antes da entrega oficial a Bruxelas, o Programa de Recuperação e Resiliência (PRR) já era alvo de críticas sobre uma eventual excessiva concentração de investimento na administração pública, especialmente na área da transição digital.
Comentários