PremiumO caminho da Madeira para sair do “lixo” ainda é longo

O nível de endividamento continua elevado demais para a Região chegar ao grau de investimento. O Governo Regional estranha o contraste com a República, mas garante que vai fazer o trabalho de casa.

O mês de outubro teve um sabor agridoce para a dívida da Madeira. A notícia positiva chegou no dia 17, quando a Moody’s aumentou a notação da Região em um nível, para Ba3 (do anterior B1), em função da melhoria do rating da República anunciada cinco dias antes. No dia 19, surgiu a notícia amarga, com a DBRS a manter inalterado o rating regional em BB, o segundo nível no grau especulativo.

Mesmo a notícia positiva tem, no entanto, de ser posta em contexto. A Moody’s foi a última agência a devolver o rating da República ao grau de investimento, mas manteve o da Madeira no patamar de ‘lixo’, apesar do upgrade. A DBRS nunca colocou Portugal nesse nível, mas ainda não tirou a Região da zona de castigo, que penaliza o financiamento da economia. Porquê? A_explicação da diferença reside parcialmente na própria natureza dos dois emitentes.

“Estamos a comparar um soberano com um dos seus governos sub-soberanos”,  referiu Nicolas Fintzel, vice-presidente da área global de ratings soberanos da DBRS, ao Económico Madeira. Na construção da notação há, portanto, várias diferenças nas considerações, mas também há fatores de escala e de capacidade institucional.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

PremiumCEO da Transavia: “Portugal é o nosso primeiro mercado”

Nathalie Stubler diz que as medidas tomadas no nosso país facilitaram a reabertura das operações.

Premium“Presidente sérvio deve ir quanto antes a Bruxelas”

Aumento do poder do Partido Progressista traz de volta o temor da escalada de violência, que nos Balcãs precisa de quase nada para acontecer.

PremiumCampanha presidencial de Donald Trump à espera de um milagre

Uma inesperada convergência de várias crises – económica, social, racial, de saúde – deitou por terra a estratégia de reeleição do presidente dos Estados Unidos. Mais uma vez, os imponderáveis levaram a melhor sobre aquilo que parecia ser uma reeleição fácil, face a um candidato democrata com pouco sal e que em Portugal levaria a alcunha de ‘Joe mãozinhas’.
Comentários