PremiumO caminho da Madeira para sair do “lixo” ainda é longo

O nível de endividamento continua elevado demais para a Região chegar ao grau de investimento. O Governo Regional estranha o contraste com a República, mas garante que vai fazer o trabalho de casa.

O mês de outubro teve um sabor agridoce para a dívida da Madeira. A notícia positiva chegou no dia 17, quando a Moody’s aumentou a notação da Região em um nível, para Ba3 (do anterior B1), em função da melhoria do rating da República anunciada cinco dias antes. No dia 19, surgiu a notícia amarga, com a DBRS a manter inalterado o rating regional em BB, o segundo nível no grau especulativo.

Mesmo a notícia positiva tem, no entanto, de ser posta em contexto. A Moody’s foi a última agência a devolver o rating da República ao grau de investimento, mas manteve o da Madeira no patamar de ‘lixo’, apesar do upgrade. A DBRS nunca colocou Portugal nesse nível, mas ainda não tirou a Região da zona de castigo, que penaliza o financiamento da economia. Porquê? A_explicação da diferença reside parcialmente na própria natureza dos dois emitentes.

“Estamos a comparar um soberano com um dos seus governos sub-soberanos”,  referiu Nicolas Fintzel, vice-presidente da área global de ratings soberanos da DBRS, ao Económico Madeira. Na construção da notação há, portanto, várias diferenças nas considerações, mas também há fatores de escala e de capacidade institucional.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

PremiumGrupo de trabalho faz progressos para resolver problemas do Aeroporto da Madeira

Ministério das Infraestruturas discorda das reservas apontadas pela Secretaria Regional do Turismo.

PremiumPrincipal desafio para desenvolver agroindústria é o conhecimento

Promotores de conferência para uma visão estratégica defendem que o conhecimento é a chave para desafios da sustentabilidade e produtividade.

PremiumPresidente da delegação à Comissão Parlamentar União Europeia-Sérvia: Adesão dos Balcãs à UE “não está nas prioridades de Portugal”

Em entrevista ao JE, Tanja Fajon descreve as dificuldades da abertura da União aos Balcãs Ocidentais, mas assegura que o projeto de abertura é para continuar.
Comentários