PremiumO caminho da Madeira para sair do “lixo” ainda é longo

O nível de endividamento continua elevado demais para a Região chegar ao grau de investimento. O Governo Regional estranha o contraste com a República, mas garante que vai fazer o trabalho de casa.

O mês de outubro teve um sabor agridoce para a dívida da Madeira. A notícia positiva chegou no dia 17, quando a Moody’s aumentou a notação da Região em um nível, para Ba3 (do anterior B1), em função da melhoria do rating da República anunciada cinco dias antes. No dia 19, surgiu a notícia amarga, com a DBRS a manter inalterado o rating regional em BB, o segundo nível no grau especulativo.

Mesmo a notícia positiva tem, no entanto, de ser posta em contexto. A Moody’s foi a última agência a devolver o rating da República ao grau de investimento, mas manteve o da Madeira no patamar de ‘lixo’, apesar do upgrade. A DBRS nunca colocou Portugal nesse nível, mas ainda não tirou a Região da zona de castigo, que penaliza o financiamento da economia. Porquê? A_explicação da diferença reside parcialmente na própria natureza dos dois emitentes.

“Estamos a comparar um soberano com um dos seus governos sub-soberanos”,  referiu Nicolas Fintzel, vice-presidente da área global de ratings soberanos da DBRS, ao Económico Madeira. Na construção da notação há, portanto, várias diferenças nas considerações, mas também há fatores de escala e de capacidade institucional.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

PremiumJosé Costa Pinto: “É o momento de deixar a presidência da Associação Nacional de Jovens Advogados Portugueses”

José Costa Pinto anuncia ao Jornal Económico que não se vai recandidatar à presidência da ANJAP, cujas eleições serão em dezembro. Nesta entrevista fala ainda sobre o estado da Justiça em Portugal.

PremiumPagar menos luz? Basta baixar potência contratada, diz Governo. BE reage: “É errado”

O Ministro da Transição Energética aconselhou, na semana passada, famílias a baixar potência da energia para pagar menos IVA. Bloco responde a repto de Matos Fernandes: “declaração é errada”, pois “não há nenhuma ligação” entre potência contratada e formas de consumos, pelo que “não faz sentido” que o imposto vai ser reduzido na potência contratada mais baixa, de 3,45 kVA.

PremiumHabitação centra atenções dos partidos na especialidade

Depois de duas semanas de audições de apreciação, o prazo para entrega de alterações ao Orçamento do Estado para 2019 termina esta sexta-feira.
Comentários