O caso de Rui Pinto

A comunicação social, como no caso Luanda Leaks, não deve abdicar de ter uma agenda própria, emancipada das decisões e vontades de outros poderes, mesmo o judicial.

Não me satisfaz a lógica da Justiça no chamado “caso Rui Pinto”. Respeito e compreendo a fundamentação técnico-jurídica mas não me tranquiliza enquanto cidadão.  Para mim, seria de saudar a existência de duas investigações paralelas.

Uma, no sentido de saber se houve atividade criminosa, tanto no acesso aos documentos (de que se queixam a sociedade de advogados PLMJ, o Benfica e o Sporting) como, e sobretudo, em eventuais tentativas de extorsão (de que se fez vítima a Doyen, uma empresa ligada ao futebol e às transferências de jogadores).

A outra investigação, mais importante até, seria para esclarecer se nos documentos acumulados por Rui Pinto haveria, ou não, matéria de relevante interesse público – e que o Ministério Público devesse, se tivesse esse entendimento, analisar em conformidade. Nunca nos esqueçamos que o hacker português já disse ter feito, em devido tempo, queixas anónimas à PGR sobre alguns casos, nunca investigados, além de repetidamente se mostrar disponível para colaborar com as autoridades na análise da informação recolhida.

A minha convicção é que a Justiça nacional foi pelo lado mais cómodo, à revelia da grande tendência internacional nas democracias consolidadas, que é o de relevar o acesso a importantes documentos que não seriam tornados públicos se não fosse a atividade do denunciante, assim elevado à condição de protetor da sociedade. Como dizia o filme (“The Whistleblower”), “nada é mais perigoso que a verdade”.

Felizmente, a polícia francesa e holandesa (não sei se outras) resolveram na altura certa fazer cópias dos discos rígidos dos computadores de Rui Pinto. O próprio há-de ter também defendido os seus interesses – e por aí haverá alguma razão para estarmos um pouco mais descansados para a possibilidade do acervo ter mais material da dimensão e importância do chamado Luanda Leaks, cuja autoria Rui Pinto já assumiu. Avisou ele esta semana que “ainda há muita coisa que os portugueses merecem saber”, falando de vistos Gold, Escom e BES Angola, pelo menos.

Confesso-me é chocado com a hipocrisia da política portuguesa.

Sobre os Luanda Leaks, Isabel dos Santos, os roubos à Sonangol e ao povo angolano, mais o respetivo impacto na economia portuguesa, com a compra e venda de posições em variadas empresas, parece não haver nenhum problema de comentário para os atores partidários e governamentais. Sobretudo neste momento, quando Angola mudou de regime. Ou, dizendo de uma forma mais cautelosa, quando mudou as pessoas do regime. Conveniente e expressivo.

Só agora alguns líderes, como Catarina Martins, do BE, parecem acordar para a importância do assunto há muito agitado por Ana Gomes, sozinha numa primeira fase.

A comunicação social, e bem no caso Luanda Leaks, pegou no assunto que Rui Pinto colocou à disposição de um consórcio internacional de investigação e não deve abdicar de ter uma agenda própria, emancipada neste caso dos interesses e vontades de outros poderes, mesmo o judicial.

Não tenho este entendimento por causa da matéria relativa ao futebol – mas também aí gostaria de perceber melhor o valor da documentação reunida. Toda, e não só aquela que Rui Pinto andou a fornecer ao clube da sua preferência (FC Porto), e por este gerido a conta-gotas durante meses contra outro clube, o Benfica. Gostaria de ter acesso a tudo, sem divulgação seletiva nem alvo pré-definido, e ainda tenho esperança em ver isso acontecer.

A ilação a retirar deste caso, em desenvolvimento, é que a Justiça portuguesa nem sempre conta com os rancores do poder instalado. Há momentos em que este gosta das decisões. Já a posição da comunicação social deve ser sempre  assumir-se como contrapoder. Há momentos ingratos mas no final compensa sempre pelo reconhecimento supremo da cidadania. E passo bem sem mais uma conversa sobre o papão do populismo.

Recomendadas

E se o próximo governador fosse ‘canadiano’?

Com Centeno ou sem Centeno, o país só teria a ganhar se o próximo governador fosse escolhido através de um concurso internacional com critérios bem definidos, de maneira a deixar claro que o mérito deve pesar mais do que o percurso político, as ligações pessoais ou a cor do passaporte. Mas quem quer isso em Portugal?

O caso Vaz das Neves

O sorteio de distribuição de processos pelos juízes, feito através de um programa informático desde maio de 2014, tem tantas exclusões que poderá, afinal, ser dirigido quase tão precisamente como um drone em direção ao destino.

Macron e o Islão Político

A integração das comunidades muçulmanas nas sociedades europeias tem sido tratada pelas elites políticas francesas (e não só) de forma leviana. É um tema de elevada complexidade e tem profundas raízes económicas e sociais.
Comentários